🔴 FENÔMENO QUE TRANSFORMOU 1.500 PESSOAS EM MILIONÁRIAS PODE SE REPETIR – VEJA COMO SER O PRÓXIMO

Estadão Conteúdo
Pé no freio

Incertezas políticas e fiscais mantêm estrangeiros cautelosos com o Brasil

Após meses de fuga do capital externo do País, os últimos meses de 2020 mostraram o começo do retorno dos investidores de portfólio, mas o ritmo ainda é insuficiente para reverter a forte saída de dólares do Brasil

Estadão Conteúdo
24 de janeiro de 2021
12:44 - atualizado às 12:49
Imagem: Shutterstock

O ano passado entrou para a história como um dos períodos em que os estrangeiros se mostraram mais cautelosos em colocar dinheiro no País seja para o setor produtivo, seja para a Bolsa ou o financiamento do governo.

A projeção do Banco Central é que o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo (IDP) deva somar US$ 36 bilhões em 2020 (US$ 33 bilhões já entraram até novembro), praticamente a metade do volume que ingressou no mesmo período de 2019 e muito inferior ao registrado nos últimos anos. O IDP engloba investimentos mais duradouros no País, como em uma nova fábrica ou compra de participação em empresas já instaladas.

Já nas posições em portfólio - ações na Bolsa, participações em fundos de investimentos e títulos da dívida federal -, foram retirados US$ 14,8 bilhões, maior volume desde 2016.

A participação de investidores externos nos papéis do Tesouro Nacional, que chegou a 20,8% do total em maio de 2015, caiu para apenas 9,47% em novembro do ano passado - justamente quando a União mais precisava captar recursos para financiar o rombo recorde nas contas públicas por causa das ações no combate à pandemia.

Após meses de fuga do capital externo do País, os últimos meses de 2020 mostraram o começo do retorno dos investidores de portfólio, mas o ritmo ainda é insuficiente para reverter a forte saída de dólares do Brasil causada pelas incertezas sobre os rumos da economia. Embora haja um excesso de liquidez nos mercados globais, com dinheiro mais que disponível para voltar ao País, as incertezas fiscais, políticas e sanitárias brasileiras, incluindo os entraves para a vacinação em massa no País, mantêm os agentes estrangeiros com um pé atrás na hora de investir.

Fora do radar

"A existência de recursos no mundo é importante, mas não é tudo", diz o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega. "Uma empresa, quando decide investir, examina uma série de fontes", afirma, elencando entre os fatores considerados a política ambiental, a área social e a governança. "Países que não se preocupam com essas três coisas saem do radar. E o Brasil está mostrando para o mundo um governo que menospreza o meio ambiente, é negacionista e não tem articulação política", diz Maílson. "Quando olho a maneira como o governo é gerido, é de desanimar qualquer um."

Além da Ford, que anunciou recentemente que vai sair de três plantas - Taubaté (SP), Camaçari (BA) e Horizonte (CE) - depois de um século no País, a japonesa Sony anunciou o fim da produção da fábrica em Manaus (AM) até março deste ano. Outra japonesa, a Mitutoyo, fechou a planta de instrumentos de medição em Suzano (SP) em outubro do ano passado. Já o grupo farmacêutico suíço Roche anunciou que deixará de fabricar medicamentos no País até 2024.

Risco fiscal elevado, dificuldade para implementar reformas, burocracia em excesso, caos tributário, insegurança jurídica, deficiência em infraestrutura são apenas alguns dos fatores que fazem o investidor estrangeiro pensar duas vezes antes de investir no Brasil. "Houve uma piora de imagem e de perspectiva. A contribuição do governo Bolsonaro para isso é a exacerbação da polarização política, que só causa danos ao País", afirma o economista Mauro Schneider, da MCM Consultores Associados. "Vamos precisar de um tempo para voltar a sermos vistos como um país com perspectivas estáveis."

Para o economista Silvio Campos Neto, da Tendências Consultoria Integrada, mesmo diante dos desafios que a atual crise impõe, a retomada mais forte da economia chinesa pode beneficiar o Brasil, com a volta de uma demanda mais aquecida por commodities que o País produz, mas o contexto político segue ainda "muito nebuloso". "Não dá para contar com grandes reformas e grandes medidas capazes nos próximos meses", diz. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

DESESTATIZAÇÕES

A privatização da Sabesp (SBSP3) não foi suficiente? Tarcísio agora fala em vender a Petrobras (PETR4) e o Banco do Brasil (BBAS3), mas não tem a caneta

25 de julho de 2024 - 10:11

O governador de São Paulo acredita que há espaço para avançar nas privatizações de companhias estatais no Brasil inteiro

FALA MINISTRO

Eleições nos EUA não devem afetar relações com o Brasil, diz Haddad; ministro busca parceiros ‘além da China’ e fala em acordos com União Europeia

25 de julho de 2024 - 8:04

Haddad destacou que não existe transformação ecológica sem novos instrumentos financeiros e cita os ‘green bonds’ do governo

LOTERIAS

Depois de mais de 2 anos encalhada, loteria mais difícil de todos os tempos sai pela primeira vez e paga o segundo maior prêmio da história

25 de julho de 2024 - 5:49

Abandonado numa caderneta de poupança, o segundo maior prêmio individual da história das loterias no Brasil renderia cerca de R$ 1,5 milhão por mês

MOEDAS VIRTUAIS

Banco Central vai seguir na regulação independente do PL sobre os criptoativos, diz técnico da autoridade monetária

24 de julho de 2024 - 18:31

Segundo Nagel Paulino, BC pretende concluir a sua estratégia regulatória de criptoativos até o início de 2025

DINHEIRO NO BOLSO

Receita abre consulta ao terceiro lote de restituição do IR 2024; veja se o seu dinheiro já está disponível

24 de julho de 2024 - 10:01

Este é o primeiro lote de restituição do IR 2024 a incluir os contribuintes não-prioritários. O pagamento será feito até 31 de julho

LOTERIAS

Uma baba! Lotofácil tem 4 acertadores, mas ninguém fica milionário; Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 65 milhões

24 de julho de 2024 - 5:54

Enquanto a Mega-Sena e a Quina “se fazem” de difíceis, a Lotofácil continua justificando o nome e distribuindo prêmios nada desprezíveis na faixa principal

A LUTA PELO DÉFICIT ZERO

Corte de gastos: governo detalha na próxima semana áreas afetadas pela contenção bilionária, diz Tebet

23 de julho de 2024 - 19:05

Equipe econômica oficializou o corte de R$ 15 bilhões em 2024, em meio a despesas crescentes e dificuldades para compensar a desoneração da folha

COMPRINHAS ONLINE

Atenção cliente da Shein, AliExpress e Shopee: compras internacionais já podem ter nova taxação a partir de sábado

23 de julho de 2024 - 16:32

No final de maio, a Câmara dos Deputados determinou uma taxação de 20% de imposto de importação sobre as compras internacionais de até US$ 50 a partir do dia 1º de agosto

VOLTOU A RELUZIR

O que fez o ouro voltar a subir após sequência de quedas? Preço do metal fecha em alta pela primeira vez desde as máximas históricas

23 de julho de 2024 - 15:38

Os preços sobem de olho na política monetária dos EUA e na demanda global, que ainda parece contida na visão dos analistas

LOTERIAS

Aposta do interior de SP fatura mais de R$ 43 milhões na Quina e ofusca Lotofácil; hoje tem Mega-Sena acumulada

23 de julho de 2024 - 5:56

A Quina estava acumulada havia 20 sorteios e saiu para uma aposta efetuada em uma casa lotérica de uma cidade de pouco mais de 30 mil habitantes

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar