Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-01T18:34:15-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Casamento do ano?

Fusão de Hapvida e Intermédica deve revolucionar setor de saúde, apontam analistas; ações sobem mais de 5%

Para analistas, união das companhias não deve encontrar grandes dificuldades para conseguir aprovação do Cade, com o ponto mais crítico sendo, possivelmente, Minas Gerais, onde ambas concentram 16% do mercado

1 de março de 2021
16:46 - atualizado às 18:34
hapvida e intermedica

Depois de alguns meses de noivado e grande expectativa do mercado, NotreDame Intermédica e Hapvida finalmente disseram sim uma para outra e anunciaram um acordo para a combinação dos negócios, em transação que deve criar a maior operadora de saúde do país.

O anúncio foi feito durante o fim de semana, a proposta ainda deve passar pelas assembleias de acionistas das companhias no próximo mês e a operação deve ser fechada até o início de 2022. No entanto, o mercado financeiro reage com otimismo à notícia. Afinal, este deve ser o nascimento de uma gigante que pode transformar completamente o setor de saúde. 

Depois de terem subido forte com a divulgação dos estudos de combinação, as ações das companhias passaram por algumas correções, mas hoje voltam a se valorizar.

As ações da Hapvida (HAPV3) fecharam hoje em alta de 5,29%, a R$ 16,32, enquanto as da NotreDame Intermédica avançaram 3,41%, a R$ 89,68. Na máxima do dia, os papéis chegaram a bater mais de 10%.

O acordo

Inicialmente, cada acionista da NotreDame receberá 5,2490 ações ordinárias da Hapvida por papel da empresa, além do valor de R$ 6,45. Na nova companhia, acionistas da Hapvida passariam a deter 53,6% do capital social, enquanto os da Intermédica terão 46,4%.

Em teleconferência para apresentar a operação para analistas, o CEO da NotreDame Intermédica, Irlau Machado, afirmou que essa é uma mudança transformacional para o setor de saúde suplementar do país, o que foi complementado pelo CEO da Hapvida, Jorge Pinheiro, que lembrou que a crise sanitária só aumenta desejo da população de adquirir um plano de saúde. 

Na visão dos analistas, as companhias não devem encontrar grandes dificuldades para a aprovação da operação no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), com o ponto mais crítico sendo possivelmente Minas Gerais, onde as companhias possuem cerca de 16% do mercado.

A nova operadora de saúde deverá contar com 84 hospitais, 280 clínicas e 257 unidades de diagnóstico, além de 8,4 milhões de vidas em sua carteira de clientes - sendo 4,6 milhões delas do segmento odontológico. Também deverá manter os dois CEOs em seu quadro.  

Como arroz e feijão

Únicas representantes do segmento de operadoras verticalizadas listadas na bolsa (companhias com uma rede própria de atendimento, com hospitais, clínicas e laboratórios), Hapvida e NotreDame Intermédica são as grandes protagonistas do setor de saúde nos últimos anos. 

Desde a estreia na bolsa, em 2018, as companhias adotaram uma estratégia agressiva de crescimento, baseada na compra de players verticalizados menores, em regiões estratégicas. 

Enquanto a Hapvida tem foco e presença marcante no Norte e Nordeste, o GNDI tem como destaque a presença na região Sul e Sudeste. O território onde as duas companhias compartilham mercado de forma mais significativa é Minas Gerais, um alvo mútuo recente da estratégia de expansão. Por isso, elas são vistas como "complementarmente perfeitas" e os analistas veem um verdadeiro potencial transformacional na fusão.

Os analistas Samuel Alves e Yan Cesquim, do BTG Pactual, estimam que a nova empresa deve concentrar cerca de 18% da participação de mercado e deve ter um custo total de R$ 116 milhões, valor insignificante perto da sua avaliação de R$ 112 bilhões, com grande capacidade de sinergia entre as empresas, o que deve impulsionar a venda de planos individuais e de cobertura nacional - com a ampliação da escala geográfica de atuação. 

Um anúncio já era esperado e antecipado para o fim de fevereiro. Nas últimas semanas, os papéis da companhia exibiram uma tendência de correção. O BTG Pactual afirma que essa queda pode ser explicada pela inquietação dos investidores com relação ao acordo - o que agora pode se transformar em uma oportunidade ainda mais interessante de entrada nesses papéis. 

“O passo de hoje significa xeque-mate no altamente segmentado setor de saúde brasileiro. A fusão desses dois gigantes, com um histórico de enorme sucesso, deve garantir força suficiente para manter uma posição de liderança clara no mercado.” - BTG Pactual

O analista Roberto Otero, do Bank of America, enxerga o momento dessa forma e vê as companhias com potencial para atingir um valor de mercado superior a R$ 120 bilhões após as devidas sinergias e crescimento, mesmo que uma preocupação com a sinistralidade venha pesando sobre os papéis desde dezembro de 2020. Os analistas Mauricio Cepeda e William Barranjard, do Credit Suisse, apontam que a duplicação de estruturas pode acabar atrasando esse processo, mas essa visão pode mudar ao longo do tempo.

Os analistas do Credit Suisse e do BTG Pactual destacam também o sistema de governança que deve ser adotado. A nova empresa irá manter os dois CEOs, Jorge Pinheiro e Irlau Machado, e um conselho com nove membros: dois indicados pelo GNDI, cinco apontados pela Hapvida e dois membros independentes. 

A XP Investimentos aproveitou a oportunidade para iniciar a sua cobertura tanto de Hapvida (com preço-alvo de R$ 21 para o final de 2021) como de GNDI (com preço-alvo de R$ 117 para o final de 2021) , com recomendação de compra para os dois papéis. Os analistas Vitor Pini e Matheus Soares enxergam as operadoras verticalizadas favorecidas com relação aos outros players do setor, como a Rede D’Or.

Os analistas avaliam a operação também do ponto de vista ESG (Meio Ambiente, Social e Governança), uma tendência que deve seguir em alta nos próximos anos. Para a corretora, o pilar Social deve ser o ponto mais forte dos três, com a NotreDame já bem posicionada dentro dessa agenda, enquanto a Hapvida mostra espaço para melhorias.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

Ibovespa recupera mais um degrau – e outros destaques do dia

Os monstros que assombravam o mercado financeiro no começo da semana foram ficando mais dóceis e domesticados com o passar dos dias. E isso graças à atuação dos bancos centrais ao redor do mundo. O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) segue injetando bilhões de dólares na economia para minimizar os impactos […]

RH do governo

Reforma administrativa deslanchou? Confira destaques do texto-base aprovado em comissão da Câmara

A proposta traz alguns pontos polêmicos, como a possibilidade de parcerias entre governo e iniciativa privada para a execução de serviços públicos

fique de olho

Dividendos: Equatorial Pará (EQPA3) define data e Marfrig (MRFG3) altera valor

Além disso, Equatorial Maranhão definiu data do pagamento dos proventos e Banco Modal definiu valores para juros sobre capital próprio; confira

Eletrobras, Correios e mais

Ativos na mesa: nova proposta para precatórios pode incluir ações de estatais em acordos de pagamento

Além das estatais, na lista de ativos que poderiam entrar na negociação estão imóveis, barris de petróleo do pré-sal e concessões de rodovias e ferrovias, por exemplo

fala, vale

Vale (VALE3): a receita para a queda das ações, segundo a própria empresa

Empresa teve de emitir um comunicado em resposta a um ofício da B3 que solicitava justificativas para a oscilação das ações da mineradora entre os dias 6 e 20 de setembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies