Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-09T17:38:33-03:00
Estadão Conteúdo
Céu fechado

Com US$ 10 bilhões em dívidas e na mira da Azul, Latam pede mais tempo para apresentar plano de recuperação nos EUA

A aérea alegou que precisa de uma extensão do prazo devido à complexidade e tamanho de sua dívida, o que exige passos adicionais

9 de junho de 2021
17:38
Latam recuperação
Imagem: Shutterstock

A Latam entregou à corte norte-americana pedido para extensão para até 15 de setembro da data de entrega de seu plano para reestruturação de mais de US$ 10 bilhões em dívidas.

A companhia tinha 31 de julho como data limite para levar um plano à Justiça a ser apresentado para seus credores.

Na petição entregue à Corte de Falências do Distrito de Nova York, obtido pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, a aérea pede mais tempo devido à complexidade e tamanho de sua dívida, o que exige passos adicionais.

Segundo a Latam, a companhia está iniciando o processo de encontros com várias de suas principais contrapartes para discutir um plano de negócios e dar início as negociações relacionadas à estrutura do plano.

A Latam cita que a premissa de extensão se faz necessária também diante das circunstâncias atípicas do atual momento vivido pelo setor com a pandemia.

Do vermelho ao azul?

A aproximação da Azul com credores da Latam, especialmente os arrendadores de aeronaves, para que apresentem um plano alternativo, aumenta a pressão contra a Latam para apresentar um plano mais bem desenhado, de acordo com especialistas ouvidos pelo Broadcast.

A ideia da Azul é tentar adquirir as operações brasileiras da Latam, o que poderia constar como opção no plano alternativo.

A legislação de recuperação judicial e falências dos EUA permite que credores apresentem planos alternativos, se o da própria empresa for rejeitado por eles.

Especialistas dizem que esses casos são raros, justamente porque as empresas, diante de tal ameaça, buscam desenhar um plano que melhor atenda a demanda dos credores.

Outras medidas

Ontem, a diretoria da Latam decidiu pedir um adiantamento de US$ 500 milhões no âmbito do empréstimo debtor-in-possession (DIP) de US$ 2,45 bilhões que a aérea recebeu no ano passado.

De acordo com a companhia, a medida é necessária diante da extensão da crise provocada pela pandemia da covid-19.

O Grupo Latam está em recuperação judicial (chapter 11) nos Estados Unidos desde maio de 2020, com dívidas de mais de US$ 10 bilhões.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

GÁS NA TRAMITAÇÃO

Projeto de lei pode conter alta dos combustíveis, mas precisa ser aprovado ainda este ano, defende relator

A medida, que cria um programa de estabilização do valor do petróleo e derivados, foi a forma encontrada para amenizar a alta dos preços sem interferir na política da Petrobras

CARNE FORTE

Marfrig sobe mais de 5% hoje, mas ainda deve saltar 60% nos próximos meses, projeta Bank of America

O Bank of America recalculou as projeções financeiras para o próximo ano e vê a empresa lucrando muito mais do que o previsto no cálculo anterior

DESTAQUES DO DIA

Varejo abaixo do esperado derruba Magazine Luiza (MGLU3), mas companhias aéreas sobem forte com vacinas eficazes contra a ômicron

Enquanto o Magalu recua mais de 8%, as empresas do setor aéreo aproveitam para engatar uma recuperação

bitcoin (BTC) hoje

O rali de fim de ano do bitcoin (BTC) derrapou. E você, novato em criptomoeda, pode ser o culpado

O movimento de queda do bitcoin das últimas semanas veio dos novos investidores em cripto, chamados de short-term holders, segundo a Glassnode

DE OLHOS BEM FECHADOS

O IPO do cheque em branco chega ao Brasil: Alvarez & Marsal quer fazer oferta pública para lançar Spac na B3

Modalidade existe há mais de 20 anos nos EUA, mas ainda é inédita no Brasil; entenda como funciona

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies