Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-25T18:06:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
RISCO BRASIL ELEVADO

Brasil ficou para trás: país é o único emergente a não acalmar os mercados internacionais e ainda é arriscado

Apesar de o mercado externo ter sido favorável para os emergentes, Brasil ficou para trás em razão dos questionamentos sobre a política fiscal do país

24 de novembro de 2021
17:17 - atualizado às 18:06
Bolsonaro Auxílio Brasil
Imagem: Marcos Corrêa/PR

Apesar de o cenário externo ter sido favorável para os mercados emergentes em outubro, o Brasil continuou em situação de volatilidade devido à direção da política fiscal durante o mês. A afirmação é do coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Luis Felipe Vital.

"Outubro teve um noticiário bastante intenso no cenário externo, com pressões de energia, percepção de inflação maior e menor perspectiva de crescimento global”, disse ele nesta quarta-feira (24).

Vital disse ainda que, mesmo assim, os índices de ações tiveram altas e balanços corporativos vieram mais positivos que o esperado, o que melhorou a percepção de risco para emergentes, com exceção do Brasil. 

De acordo com o coordenador, o mercado de juros brasileiro seguiu bastante pressionado em outubro. Enquanto a parte curta da curva reagiu a mudanças de expectativas na política monetária — com um aperto mais forte na Selic —, os papéis mais longos reagiram bastante ao noticiário fiscal. 

"As discussões sobre a PEC dos precatórios e os ajustes no teto de gastos impactaram a percepção de risco dos investidores e se traduziram em juros mais altos. As taxas praticadas nos leilões foram aumentando ao longo de outubro", apontou. 

Vital citou a taxa da LTN de 24 meses, que passou de 9,65% no começo de outubro para 12,04% no último leilão do mês.

Tesouro vê queda no colchão de liquidez

O Tesouro Nacional encerrou outubro com R$ 1,010 trilhão no chamado "colchão da dívida", a reserva de liquidez feita para honrar compromissos com investidores que compram os títulos brasileiros. O valor observado é 10,39% menor do que o montante de R$ 1,128 trilhão que estava na reserva em setembro.

O valor ainda é 31,42% maior que o observado em outubro de 2020 (R$ 769,24 bilhões). A divulgação do valor exato do "colchão da dívida" foi adotada no início deste ano e é uma iniciativa do Tesouro para elevar a transparência sobre esse dado. 

Isso serve de termômetro para saber se o País tem recursos para pagar seus investidores ou precisará recorrer rapidamente ao mercado para reforçar o caixa.

No início da pandemia da covid-19, o elevado colchão de liquidez foi essencial para que o Tesouro pudesse se abster de emitir grandes volumes de títulos num momento de forte volatilidade do mercado, o que poderia resultar em custo elevado de financiamento. 

No ano passado, o Tesouro encerrou com um colchão da dívida até acima do observado em 2019, após aproveitar uma janela favorável para emissões no fim do ano. 

O objetivo agora é manter, ao longo de 2021, o colchão de liquidez acima de seu nível prudencial. O Tesouro Nacional ressalta ainda que não define metas para o tamanho mínimo da reserva de liquidez.

Mas, para Luis Felipe Vital, a queda já era esperada. "O resgate líquido em outubro responde por boa parte da mudança na reserva de liquidez. O colchão atual ainda é suficiente para 10,1 meses de vencimento à frente, ante 10,3 meses em setembro. Então foi uma redução de pouca magnitude", argumentou.

Vital explicou que o principal fator de variação do colchão de liquidez é existência de emissão ou resgate líquido a cada mês. 

"Como novembro e dezembro tipicamente não têm muitos vencimentos, teremos emissões líquidas nesses dois meses. Com isso, a variação do colchão de liquidez tende a ser positiva até o fim do ano", completou.

*Com informações do Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

UM ÚLTIMO TUÍTE

Do Twitter para o bitcoin? Jack Dorsey deixa comando da rede social e reacende rumores sobre projeto em criptomoedas

O fundador da rede social passará o cargo para Parag Agrawal, um veterano da empresa, depois de comandá-la de 2006 a 2008 e de 2015 até hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies