Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-01T20:20:17-03:00
seu dinheiro na sua noite

Os melhores e piores investimentos do 1º semestre

1 de julho de 2021
20:20
Pódio
Imagem: Shutterstock

Apesar de ser apenas uma data como outra qualquer, a passagem do primeiro para o segundo semestre pode ser um bom momento para fazer um balanço do ano até então e se preparar para a segunda metade.

Quando investimos, não é interessante ficarmos olhando e mexendo na carteira toda hora, mas tirar um tempinho para reavaliar as coisas de vez em quando é importante.

Hoje começamos a publicar, no Seu Dinheiro, a nossa tradicional série sobre Onde Investir no 2º Semestre, começando pela classe de ações. Mas antes de darmos prosseguimento a ela, com a reportagem preparada para amanhã, vamos fazer uma pausa e olhar no retrovisor para avaliar tudo que já rolou até aqui.

No mês de junho, alguns ativos de renda fixa que vinham apanhando viram uma espécie de redenção, com a mudança de postura do Banco Central em relação à Selic e à inflação. Tanto que foi um título prefixado o melhor investimento do mês, com alta de quase 6%.

Mas no acumulado do ano, esses investimentos ainda se encontram na ponta oposta da tabela - alguns deles têm perdas de dois dígitos. Quem ainda lidera, por incrível que pareça, é o bitcoin, mesmo depois de ficar na lanterna dos rankings dos últimos três meses.

Na hora de avaliar o cenário para traçar os próximos passos, não é possível escapar de olhar para o passado; e é importante ver o filme, não só a foto.

Por isso, na matéria dos melhores e piores investimentos de junho, eu também levantei os melhores e piores investimentos do primeiro semestre, e faço uma retrospectiva do último mês e do que se passou em 2021 até aqui. Recomendo a leitura!

MERCADOS

 Nos últimos dias, o Ibovespa vinha conseguindo driblar as pressões vindas de Brasília. Mas hoje não teve jeito: com o tempo cada vez mais fechado na CPI da Covid e o “superpedido” de impeachment de Bolsonaro na mesa do Congresso, o índice recuou de volta para os 125 mil pontos. O dólar, por sua vez, aproveitou o cenário caótico e disparou para R$ 5,04.

 Qual será o impacto da tributação dos rendimentos distribuídos pelos fundos imobiliários se a medida for aprovada pelo Congresso? Os FII perderiam sua atratividade para a pessoa física? Essas e outras perguntas foram respondidas pelo Caio Araujo, analista de fundos imobiliários da Empiricus, numa transmissão ao vivo na tarde de hoje. Se você perdeu, a gravação da transmissão continua disponível aqui.

EMPRESAS

 A volatilidade recente do bitcoin no último semestre não foi capaz de atrapalhar o crescimento dos negócios ligados ao mundo cripto. Prova disso é que o Mercado Bitcoin, exchange de criptomoedas, acaba de receber um aporte bilionário do Softbank, na maior rodada de investimentos do tipo série B da América Latina até hoje. Saiba mais.

 Se alguém tinha algo contra a união do Grupo Soma e da Cia. Hering, agora só resta calar-se para sempre. A Superintendência-Geral do Cade aprovou sem restrições a incorporação da varejista de moda pela dona das marcas Farm e Animale.
​​​
 Outro casamento que está prestes a se concretizar é o da SLC Agrícola com a Terra Santa: as empresas anunciaram hoje o cumprimento das condições para a combinação dos negócios. Veja o que falta para selar a união.

 Na corrida por aquisições no setor de saúde, a Dasa anunciou a compra de uma clínica oncológica atuante nos Estados da Bahia, do Sergipe e do Rio Grande do Norte, por R$ 750 milhões.
​​​
 A corretora norte-americana Robinhood protocolou hoje um pedido de IPO na Nasdaq. Com US$ 81 bilhões em ativos sob custódia, a empresa foi uma das peças centrais na polêmica envolvendo a valorização das ações da GameStop no início deste ano.

ECONOMIA

 O governo dos EUA e a OCDE anunciaram um acordo com 130 países para a definição de uma alíquota mínima para um imposto global corporativo. O plano é assegurar a distribuição mais justa dos lucros e direitos de tributação entre os países. 

 O governo quer usar a tributação de lucros e dividendos, proposta na reforma do imposto de renda, como fonte de financiamento permanente para a ampliação do Bolsa Família. Entenda.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite". Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

De olho na expansão

Aegea quer muito entrar no mercado mineiro, conta presidente da líder do setor privado em saneamento

Confira a entrevista com Radamés Cassab, que vem imprimindo um ritmo agressivo de aquisições à companhia

exchange de cripto na bolsa

Binance está “em rota” de fazer um IPO, segundo CEO da corretora

Para fazer um IPO mais tradicional, a Binande deve mexer significativamente nas bases da empresa. “Estamos montando essas estruturas”, disse ele

Questionário do bc

Banco Central publica questionário que servirá de base para próxima reunião do Copom

O BC também avisou que republicou o “Ranking de Reclamações de Bancos e Financeiras” referente ao segundo trimestre de 2021

Expandindo a carteira digital

De olho no open banking, PicPay compra Guiabolso e expande ainda mais a carteira

O PicPay comprou o Guiabolso e, com isso, tornou-se player relevante nas discussões de open banking, além de dar continuidade à expansão

Acordo fechado

Samarco e advogados entram em acordo para reduzir honorários em mais de 80%

Até então, uma decisão na justiça tornava a administração judicial do processo a mais cara da história

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies