Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
2021-03-02T19:44:58-03:00
Exile on Wall Street

O Brasil do Doutor Castor

2 de março de 2021
11:01 - atualizado às 19:44
Brasil real moeda dívida
Imagem: Shutterstock

Castor de Andrade foi talvez o mais famoso bicheiro brasileiro. Tinha, quase literalmente, um exército trabalhando para si. Chegou a contar com mais de cem policiais a seu dispor, além de vários servidores públicos, políticos proeminentes e juízes sob sua influência. Apareceu na posição de segundo homem mais rico do Brasil no meio da década de 1980. Era grande patrocinador do Bangu Atlético Clube, o que lhe rendeu o apelido de “Dono do Bangu” e da Mocidade Independente de Padre Miguel.

O “Doutor Castor” era um contraventor icônico e acabou acusado de uma série de crimes de violência, de lavagem de dinheiro, de envolvimento com o cartel de Cali no tráfico de cocaína, de formação de quadrilha e por aí vai. 

Apesar dos ilícitos e das contravenções, Castor era amado, uma representação cultuada da “malandragem” carioca, patrono de seus jogadores, do samba e do bairro de Bangu. “Castor era um segundo pai, não víamos maldade nenhuma em seu coração” é uma das frases frequentes na série documental sobre sua vida, disponível na Globoplay.

“Praia dos Ossos” é um podcast da excelente Rádio Novelo, que descreve e investiga o assassinato de Ângela Diniz, a socialite conhecida como “Pantera de Minas”, por Doca Street, outro frequentador recorrente das colunas sociais em meados da década de 1970. Ângela foi assassinada por Doca depois de uma briga e de uma crise de ciúme. Os advogados de defesa de Doca argumentaram, com sucesso, que Ângela o teria ofendido ao ponto de obrigá-lo a matá-la, num ato definido como “legítima defesa da honra” — nesta semana o ministro Dias Toffoli decidiu que a tese de legítima defesa da honra é ilegítima e não pode ser usada em feminicídios, mas essa já é outra história.

O objetivo de “Praia dos Ossos” vai além de narrar o crime especificamente. Apura as origens e o desenvolvimento do machismo no Brasil, em como ele se alimenta e encontra retrocessos inimagináveis em meio à onda conservadora e, em alguns nichos, até mesmo reacionária mantidas, às vezes de maneira velada e tácitas e, em outras, mais explícitas em nossa sociedade. 

A trilogia “1808”, “1822” e “1889”, de Laurentino Gomes, vai do Brasil colonial à proclamação da República mostrando que, em certa medida, ainda somos os mesmos. Ela é bastante conhecida e prescinde de maiores explicações.

O que essas três coisas têm em comum? Além de recomendações culturais, o que já teria valor em si, representam algo típico no Brasil: uma capacidade talvez única de conviver com ambivalências. Como a própria natureza das ambivalências, ela tem algo bonito. No argumento apresentado por Eduardo Giannetti em “Trópicos Utópicos” e depois mais bem explorado em “O Elogio do Vira-lata”, conseguimos aqui, sabe-se lá como e por quê, misturar uma “vitalidade iorubá” com pobreza, desesperança e violência. Um povo razoavelmente feliz em meio às tragédias socioeconômicas — como pode? Poderíamos nos civilizar e seguirmos abençoados por Deus?

Há um lado perverso, porém, da permissividade com as dualidades. A contravenção e até mesmo os crimes podem ser perdoados, quem sabe até cultuados. 

Se o bicheiro é paizão e paga bem, que mal tem? Não são os jogadores de futebol que adoram um “bicho” (termo usado para a remuneração variável ligada à vitória num determinado jogo, oriunda, claro, do dinheiro do típico jogo com números e animais)?

O sujeito matou a namorada, mas, poxa, ela deu motivos também, não é mesmo? Talvez ele possa mesmo sair do julgamento andando para sua casa, pois já pagou o que deveria! 

O Brasil supera a fase colonial para continuar sob o domínio português, com seus imperadores e uma dívida enorme a ser paga à metrópole. Seguimos sempre pelo “jeitinho”, a vitória do “mal feito” sobre o “bem feito”, com nosso caráter macunaímico, complacente, preguiçoso, ignorante. O país das soluções fáceis e das consequências difíceis.

Poderíamos caminhar para a quebra do monopólio do refino do petróleo no Brasil e, quem sabe, para a privatização da Petrobras. Enquanto isso não acontece, adotaríamos um fundo de compensação para o diesel e para subsidiar o gás de cozinha nas famílias mais pobres, possivelmente até dentro do Bolsa Família — algo semelhante ao proposto por Adriano Pires no nosso RadioCash (e aí vai mais uma dica cultural!). Suavizaríamos a volatilidade de curto prazo dos preços das commodities e manteríamos o equilíbrio econômico das empresas. Ah, é mais fácil trocar o presidente da Petrobras (já são sete em dez anos, é isso mesmo?! Como pode dar certo?) e reduzir impostos federais sobre os combustíveis. 

Mas como a economia é um cobertor curto e o dinheiro é mais curto ainda (não sou eu que ganho pouco, o mês é que é longo!), precisamos passar o chapéu por aí. Quem se candidata? Os bancos, claro, os grandes vilões de sempre. Acima da esquerda e da direita, há o populismo, nosso velho conhecido de sempre. Brasil acima de todos, populismo acima de tudo!

E assim vamos preservando as características de sempre. Para enfatizar o modernismo brasileiro típico de Drummond: há uma pedra no meio do caminho. Contra o parnasianismo das palavras bonitas de ataque aos bancos e defesa dos mais pobres, surgem consequências indesejadas. Para preservar margens com a CSLL subindo de 20% para 25%, os bancos encarecem o crédito. Mais inflação e deterioração do crescimento econômico.

Dizem que o Brasil não é para amadores. Começo a desconfiar que o Brasil é só para amadores. Os profissionais, no mercado de capitais ao menos, estão em retirada, cada vez mais se alojando em empresas dolarizadas e de commodities. Poucos ainda querem saber dos cíclicos domésticos.

Nós mesmos compramos puts fora do dinheiro para a Carteira Empiricus na quinta-feira, de Ibovespa, Petrobras e Itaú. Sabíamos que poderíamos queimar 0,3% do portfólio em “pozinho”, mas víamos uma boa combinação de risco-retorno e uma defesa importante para as posições agressivas. Ao menos até agora, com a ajuda da sorte, tem dado certo.

A Carteira atravessou muito bem os últimos dias de maior volatilidade e turbulência. A julgar pelo comportamento dos mercados futuros e pelo noticiário recente, as puts devem ajudar também nesta terça-feira. 

Cada vez mais, portfólios diversificados, inclusive entre geografias e entre moedas, e com proteções representam a única resposta racional possível para o investidor. 

Tenho grande convicção de que a Carteira Empiricus, nosso grande carro-chefe, pode ajudá-lo por esses mares revoltos — ontem mesmo, ela subiu mais de 0,50%. 

Com isso em mente, apenas hoje, temos uma promoção para você conhecer o Carteira Empiricus sem custo por um mês. É só clicar aqui e o primeiro mês sai de graça, com cobranças mensais de R$ 99/mês a partir daí. Se não gostar, você pode sair a qualquer momento.

Para quem já assina o Carteira, é só trazer um amigo para essa promoção e você ganha, apenas hoje, 1.000 pontos no Empiricus Rewards. Com essa pontuação é possível degustar vários dos nossos planos. É o nosso presente por nos ajudar a disseminar uma das principais assinaturas da casa.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Foi ruim mas foi bom

Guedes defende acordo e diz que agora Orçamento ficará “exequível”

O presidente Jair Bolsonaro tem até amanhã para sancionar o Orçamento de 2021, que foi aprovado com despesas obrigatórias subestimadas para acomodar uma quantidade maior de emendas parlamentares

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies