Menu
2021-01-15T08:16:37-03:00
Rafael Lara
Rafael Lara
Estudante de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Trabalhou em empresas como: TV Gazeta, Suno Research e Portal iG.
Esquenta dos mercados

À espera dos trilhões de Biden, mercados reagem a balanços e agenda carregada

Dia é marcado pela divulgação dos balanços de pesos-pesados do setor bancário nos EUA e indicadores econômicos importantes aqui e lá fora

15 de janeiro de 2021
8:16
estados unidos eua pib dólar
Imagem: Shutterstock

O pacote de US$ 1,9 trilhão confirmado na noite da última quinta-feira (14) pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, deve ser a principal notícia para os mercados nesta sexta-feira (15).

No Brasil, os números da covid-19 continuam crescendo e devem preocupar os investidores. O dia também é marcado pela agenda carregada de indicadores aqui e lá fora, além da divulgação dos balanços de pesos-pesados do setor bancário nos EUA.

Leia também:

Por volta das 8h, os índices futuros em Wall Street operavam em queda. Enquanto as principais praças europeias operam de forma mista e as bolsas asiáticas também fecharam de forma mista, com os investidores ainda avaliando os desdobramentos do pacote de Biden.

Mania de arredondar

Desde quarta, o mercado financeiro começou a precificar positivamente um provável novo pacote de estímulos fiscais nos Estados Unidos no valor de US$ 2 trilhões.

Ontem não foi diferente. O índice Dow Jones e o Nasdaq chegaram a renovar as suas máximas intraday. Bom, isso até o The New York Times noticiar que o pacote na verdade deve ser de "apenas" US$ 1,9 trilhão.

O mercado espera que o pacote inclua auxílio individual para os americanos, suporte aos estados e financiamento da distribuição de vacinas e, segundo o jornal, esses pontos realmente fazem parte do plano.

Mas, em vez de um cheque adicional de US$ 2 mil para os cidadãos afetados pela pandemia, o governo deve propor um auxílio de US$ 1,4 mil — que somado ao já aprovado US$ 600 totaliza US$ 2 mil.

A notícia foi suficiente para fazer com que as bolsas americanas devolvessem os ganhos e fechassem o dia no vermelho. O Nasdaq recuou 0,12%, o S&P 500 caiu 0,38% e o Dow Jones fechou em baixa de 0,22%.

O Ibovespa decidiu deixar de lado os ruídos políticos que poderiam limitar o seu movimento de alta e pegou carona no apetite por ativos de risco do exterior. O índice perdeu um pouco de força no fim do dia, com a piora do clima em Nova York, mas ainda assim fechou o dia em alta de 1,27%, aos 123.481 pontos.

O dólar começou o ano em disparada, mas após três dias de intenso alívio, acumula agora uma valorização de apenas 0,40% em 2020. Apenas ontem, a moeda caiu 1,9%, a R$ 5,2097.

Pacote de US$ 1,9 trilhão

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, detalhou na noite de quinta-feira (14) seu plano de US$ 1,9 trilhão para ajudar os americanos a resistir ao choque econômico da pandemia do coronavírus.

A maior parte dos recursos será destinada a medidas para aliviar a situação dos americanos. A iniciativa prevê o pagamento de US$ 1.400 às pessoas, que devem se somar aos US$ 600 já aprovados em dezembro, segundo informações divulgadas em comunicado enviado pela equipe do democrata.

O pacote prevê ainda US$ 20 bilhões para a vacinação, com os recursos destinados aos governo locais. Biden propõe ainda gastar US$ 50 bilhões com testagem.

O plano traz ainda a previsão de gastar US$ 130 bilhões em infraestrutura para adequar as escolas aos protocolos da pandemia, de modo a realizar uma "reabertura com segurança".

Agenda do dia

Esta sexta-feira será agitada para o Brasil e os EUA no calendário de indicadores econômicos e corporativos. Por aqui, teremos a divulgação dos dados de varejo ampliado e restrito no Brasil em novembro, às 9h. Além disso, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informa o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) de janeiro.

Nos EUA, também saem dados de comércio, da produção industrial e da inflação ao produtor (PPI) de dezembro às 10h30. Ainda antes da abertura dos mercados, serão divulgados os balanços corporativos dos bancos J.P. Morgan, Wells Fargo e Citigroup.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Resolvendo pendências

STF: Petrobras não precisa se sujeitar à Lei das Licitações

Nos últimos anos, a Suprema Corte tem dado decisões relativas a Petrobras que consideram o cenário de livre competição em que opera a estatal.

Pacote fiscal aguardado

EUA: Senado aprova extensão de aumento de auxílio-desemprego

A emenda prevê a extensão da duração dos benefícios federais a desempregados, mas reduz seu valor semanal, em comparação com o projeto de lei aprovado pela Câmara dos Representantes no sábado passado

chama o max

Um meteoro passageiro chamado juros

O que fez a curva de juros norte-americana empinar tanto nos últimos meses e de uma maneira tão vigorosa nos últimos dias?

PODCAST

Zoeira com Nassim Taleb, ‘venda da Empiricus’ e reflexões sobre a taxa de juros: veja o que rolou no episódio #35 do Puro Malte

Podcast com Felipe Miranda, Rodolfo Amstalden, Beatriz Nantes e Ricardo Mioto é “conversa de bar” para quem gosta de finanças

Quase 2 mil mortos

Covid-19: Brasil tem segundo dia com mais mortes confirmadas

O Brasil também registrou hoje o recorde de mortes por semana. O número foi divulgado pelo Ministério da Saúde no mais novo boletim epidemiológico sobre a pandemia do novo coronavírus.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies