Menu
2021-01-25T17:40:54-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Mercados hoje

Dólar sobe em dia de feriado na B3 e bolsas perdem força lá fora; Eletrobras desaba em NY

Setor de tecnologia sustenta os índices S&P500 e Nasdaq em alta em meio a preocupações com avanço da covid-19; ações brasileiras caem em NY

25 de janeiro de 2021
12:25 - atualizado às 17:40
Bull bear market
Imagem: Shutterstock

A negociação com as ações na B3 deu uma pausa em razão do feriado de aniversário da cidade de São Paulo. Mas se enganou quem esperava por uma segunda-feira mais tranquila.

Em Nova York, os índices S&P500 e Nasdaq iniciaram o dia em alta puxados pelas ações do setor de tecnologia, mas perderam força. Já o Dow Jones — que tem maior peso de papéis da "velha economia" — se manteve no vermelho desde os primeiros negócios.

Aqui no Brasil, o dólar comercial era negociado em alta de 0,55% por volta das 13h30, cotado a R$ 5,508. O EWZ, o fundo de índice de ações brasileiras negociado lá fora, marcava uma queda de 1,74%.

Com o aumento recente de casos de coronavírus no exterior, os investidores resolveram inverter nas últimas sessões o movimento de rotação que vinha beneficiando as ações de empresas que ganham com a reabertura da economia.

A semana é marcada ainda pela divulgação dos balanços de pesos pesadíssimos da tecnologia como Microsoft, Apple, Facebook, Tesla e Amazon, o que ajuda a sustentar algum otimismo nos negócios.

A notícia de que o Estado da Califórnia pode flexibilizar as medidas de isolamento social também animou os investidores mais cedo. Mas o fato é que o avanço da covid-19 e a descoberta de novas mutações do vírus seguem preocupando o mercado.

Leia também:

Eletrobras desaba em NY

O anúncio da saída de Wilson Ferreira Junior do cargo de presidente da Eletrobras afetou de vez a confiança dos investidores na possibilidade de privatização da estatal de energia.

A notícia que circula na imprensa é que o executivo vai assumir a presidência da BR Distribuidora, privatizada em 2019. Trata-se de mais um baque para a ala liberal do governo Bolsonaro, que vem sofrendo baixas desde o ano passado.

Com a B3 fechada hoje, a reação do mercado pode ser vista em Nova York, onde os ADRs (recibos de ações) da Eletrobras desabavam mais de 7,59%, cotados a US$ 5,36, por volta das 16h45 (de Brasília). Com a queda de hoje, a estatal acumula uma perda de quase 30% do valor de mercado lá fora apenas em janeiro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies