Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-14T12:13:13-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS na semana

Ecos do 7 de setembro e trégua incerta em Brasília levam bolsa a amargar queda de 2% e dólar subir a R$ 5,26 na semana

O aceno de paz feito por Bolsonaro animou os mercados ontem, mas os investidores custam a acreditar que a guerra em Brasília está encerrada

10 de setembro de 2021
17:18 - atualizado às 12:13
Instabilidade Gráfico Mercados Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Existem muitas expressões clássicas entre os agentes financeiros, mas nenhuma vem sendo tão repetida quanto “o mercado odeia incertezas”. 

E é bem fácil entender o porquê. Desde junho, quando a bolsa alcançou os 130 mil pontos, o Ibovespa perdeu mais de 16 mil pontos, mesmo com os índices americanos acumulando altas expressivas no ano e renovando máximas por meses seguidos, e uma temporada de balanços que mostrou que a maior parte das empresas brasileiras engrenaram em uma recuperação robusta pós-pandemia. 

A triste marca coincide com a elevação dos ruídos políticos em Brasília. Nesse meio tempo, entre outras coisas, tivemos uma reforma do imposto de renda que mais desagradou do que ajudou, problemas com o teto de gastos e troca de ofensas entre membros dos Três Poderes.

O ápice da tensão foi o 7 de setembro, que causou apreensão e promete repercutir por um bom tempo depois da data. Em semana mais curta, o Ibovespa recuou 2,2% e o dólar subiu 1,59%.

Com a bolsa brasileira descontada perante os seus pares internacionais, mas apresentando bons fundamentos, o aceno de paz de Bolsonaro ontem permitiu que, em pouco mais de 15 minutos, o principal índice da B3 saísse do vermelho para fechar o dia em uma alta de quase 2%. 

A sexta-feira começou com a mesma força alucinante da véspera, ainda que o mercado já tivesse sinalizado que era muito cedo para comprar uma trégua definitiva entre Executivo, Legislativo e Judiciário. Os temores não demoraram a se confirmar. 

Enquanto o vice-presidente Hamilton Mourão pregava o diálogo entre os Poderes, Bolsonaro minimizou as palavras divulgadas ontem. Ao contrário do que mostrou a carta, hoje o presidente disse não ter cometido erros e que o 7 de setembro “não foi em vão”. 

Em outro momento, o chefe do Executivo justificou o aceno de paz ao apontar que “falar para cima" faz o dólar disparar e pressiona o preço dos combustíveis. A resposta veio no tradicional “cercadinho do Alvorada”, após parte da base aliada do governo ficar desconfortável com o tom de recuo do documento orquestrado com a ajuda de Michel Temer. 

Como lá fora as bolsas cederam com o peso das preocupações do ritmo de recuperação econômica diante da variante delta, o Ibovespa abandonou o campo positivo para renovar mínimas ao longo de todo o dia, até fechar no nível mais baixo do pregão, em queda de 0,93%, aos 114.285 pontos. Nem mesmo a elevação das vendas no varejo acima do esperado serviu de bálsamo.

O dólar à vista também foi pressionando, fechando próximo da máxima, em alta de 0,78%, a R$ 5,2671. Os juros futuros tiveram mais resistência aos novos ruídos, mas também seguiram o mesmo roteiro e acabou voltando a apresentar alta, já que a inflação não mostra sinais de arrefecimento.

  • Janeiro/22: de 7,26% para 7,29%
  • Janeiro/23: de 9,03% para 9,16% 
  • Janeiro/25: de 9,97% para 10,18%
  • Janeiro/27: de 10,36% para 10,58%

Confira os destaques do noticiário corporativo desta sexta-feira:

Que tal entender como seus investimentos reagiram? Confere aqui como o Real Valor pode te ajudar!

Natural, mas preocupante

Para José Navikas, analista de investimentos da Necton, mesmo que o cenário político não tivesse voltado a apresentar novidades ruidosas, a reação do mercado financeiro hoje seria de queda natural após a forte correção vista nos últimos minutos do pregão de ontem. 

Navikas aponta também que podemos perceber o peso das incertezas locais ao comparar o nosso Ibovespa com o S&P 500. Enquanto por aqui o saldo anual é negativo, o índice americano sobe mais de 18%, ainda que tenha fechado no vermelho nesta semana. 

O inimigo lá fora é outro

Enquanto as bolsas brasileiras sentem o peso da indefinição política e o cabo de guerra entre os Poderes, os mercados internacionais estão de olho no ritmo de recuperação das principais economias do mundo e os possíveis impactos da variante delta. 

Ao mesmo tempo que a desaceleração do ritmo de crescimento preocupa, a inflação também segue assombrando os investidores. Hoje o índice de preços ao produtor (PPI) subiu 0,7% em agosto ante julho, acima da expectativa de 0,6% dos analistas. 

A variante preocupa principalmente em países com alta rejeição à vacinação, como os Estados Unidos. Hoje o governo americano endureceu as regras para incentivar que a população busque completar o ciclo vacinal. Confira o fechamento dos principais índices americanos:

  • Dow Jones: -0,78% - 34.607,72  pontos 
  • S&P 500:  -0,73% - 4.460,30 pontos    
  • Nasdaq :  -0,87% - 5.115,5 pontos

Sobe e desce do Ibovespa

Com a valorização do dólar e a grande sensibilidade no mercado doméstico, as empresas com maior exposição ao mercado internacional acabaram se beneficiando nos últimos dias. Nem mesmo a investigação de dois casos da síndrome da vaca louca e a interrupção da exportação para a China minimizou os ganhos das empresas de proteína animal. Já a Unidas reflete o otimismo do mercado com a sinalização positiva do Cade para a fusão com a Localiza. Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
BEEF3Minerva ONR$ 9,0015,53%
MRFG3Marfrig ONR$ 23,007,78%
WEGE3Weg ONR$ 38,626,54%
PRIO3PetroRio ONR$ 19,075,07%
LCAM3Unidas ONR$ 25,444,31%

Com o bloqueio de rodovias e o clima político tenso, nem mesmo a alta das vendas do varejo em julho livrou as varejistas de uma semana amarga. Confira as maiores quedas do período:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 17,23-8,84%
BPAN4Banco Pan PNR$ 15,81-8,77%
YDUQ3Yduqs ONR$ 23,22-6,56%
VIIA3Via ONR$ 9,01-6,34%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 5,65-6,15%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Clube do livro

“Era para termos entrado no Primeiro Mundo há 30 anos”, escreve Gustavo Franco em seu novo livro “Lições Amargas”; leia a resenha completa

O ex-presidente do Banco Central tece críticas ao Brasil e sua estagnação prolongada e apresenta uma “história provisória da atualidade”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies