Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-07T18:39:32-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Conheça sua cripto

Quem é Terra (LUNA), a criptomoeda que valorizou mais de 10.000% e desbancou Avalanche (AVAX) e Dogecoin (DOGE)?

A Terra (LUNA) continua a subir porque é cada vez mais utilizada e já atingiu os US$ 27,391 bilhões em valor de mercado

7 de dezembro de 2021
15:46 - atualizado às 18:39
Terra (LUNA) desbanca Avalanche (AVAX) e Dogecoin (DOGE) como maior criptomoeda do mundo
A décima maior criptomoeda do mundo também está na mira da SEC, a CVM americana. Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Envato

Enquanto o bitcoin (BTC) amarga perdas de mais de 12% na semana, alguns projetos aproveitaram a queda do mercado no último sábado (04) para ganhar corpo e aparecer entre as maiores criptomoedas do mundo. É o caso da Terra (LUNA), que teve uma valorização de 24,44% nos últimos sete dias. 

Só hoje, a criptomoeda nativa da blockchain da Terra sobe 11,32%, cotada a US$ 71,13 (R$ 401,42). Em 2021, a LUNA saiu da casa dos US$ 0,617 e teve uma valorização de 10.825,2% com a popularização do protocolo.

Com isso, na briga pela décima posição entre as maiores criptomoedas do mundo em valor de mercado, a LUNA tomou a dianteira e superou Avalanche (AVAX) e Dogecoin (DOGE), que vinham disputando o posto.

#Nome (Ticker)Preço (US$)VAR%(24h)VAR%(7d)Valor de mercado
10Terra (LUNA)US$ 71,1311,32%23,74%US$ 27,391 bilhões
11Dogecoin (DOGE)US$ 0,18017,61%-18,86%US$ 23,770 bilhões
12Avalanche (AVAX)US$ 92,5112,23%-22,00%US$ 22,419 bilhões
Fonte: Coin Market Cap

O que faz a Terra (LUNA)

De acordo com o white paper dos desenvolvedores, a Terra é uma blockchain focada em pagamentos do dia a dia e que busca solucionar o problema da alta volatilidade das criptomoedas

A LUNA é composta por uma cesta de moedas fiat — como o dólar, o euro, o yuan chinês, e até mesmo direitos especiais de saque (DES) do Fundo Monetário Internacional (FMI) — que busca uma criptomoeda mais estável e com um preço crescente. Por meio de um protocolo interno, a blockchain mantém reservas específicas dessas moedas para conter a volatilidade da LUNA

A Terra é diferente das stablecoins, as criptomoedas com lastro — a mais famosa delas é o Tether (USDT), que têm paridade de um dólar em reserva para cada unidade de criptomoeda USDT, o que foi motivo de investigação do governo dos Estados Unidos recentemente.  

O preço da Terra (LUNA) reflete a composição crescente dessa cesta de moedas e o desenvolvimento de aplicações (decentralized Apps, ou dApps) dentro dessa rede (blockchain).

Essa criptomoeda pretende se tornar o principal meio de pagamento no ambiente digital, unindo a proteção da criptografia em blockchain com a estabilidade de uma moeda comum.

De olho na lei

Tasso Lago, especialista em criptomoedas e fundador da Financial Move, afirma que o avanço da LUNA se deve, principalmente, à diversidade de seu ecossistema.

A blockchain permite que os usuários comprem o que ele chama de “ativos sintéticos”, uma simulação do mercado tradicional. “Por exemplo, dá pra uma pessoa comprar ações da Tesla utilizando o ecossistema da LUNA, por meio do dApp 'Mirror'”. 

Por outro lado, a Terra é uma das criptomoedas que está na mira dos órgãos reguladores americanos, como a SEC, a CVM americana, por movimentar ativos financeiros. 

Mesmo assim, a Terra (LUNA) continua a subir porque é cada vez mais utilizada e já atingiu os US$ 27,391 bilhões em valor de mercado. “Vale a pena comprar a longo prazo. A curto prazo, eu não gosto de comprar moedas que já subiram, e ela subiu trinta por cento numa semana”.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Sinal amarelo

Marfrig (MRFG3) confirma participação em oferta da BRF (BRFS3), mas não poderá assumir o controle da empresa; entenda

Segundo um comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários hoje, as compras da Marfrig estarão limitadas a sua participação acionária atual

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa no azul apesar da volatilidade, bitcoin no vermelho e imbróglios com FII e Oi: o que marcou o mercado nesta sexta

Numa semana marcada pela escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia, decisão de juros nos Estados Unidos e um discurso mais hawkish (duro contra a inflação) por parte do presidente do banco central americano, Jerome Powell, o Ibovespa conseguiu, mais uma vez, acumular alta. E as bolsas americanas – pasme – também. A sexta-feira (28) […]

DESINVESTIMENTOS

Em negócio bilionário, Petrobras (PETR4) vende ativos na Bacia Potiguar para subsidiária da 3R Petroleum (RRRP3); saiba quanto entrou nos cofres da estatal

A bola da vez é um conjunto de 22 concessões de campos de produção terrestre e de águas rasas, juntamente à sua infraestrutura de processamento, refino, logística, armazenamento, transporte e escoamento

SACO DE PANCADAS PRESIDENCIAL

Petrobras (PETR4) recua quase 4% após críticas de Lula; petista condenou pagamento de dividendos e política de preços da estatal

Embalados pela alta do petróleo, os papéis operavam em alta mais cedo, mas, após a nova rajada de críticas, passaram a registrar uma queda brusca

Fechamento da semana

Ibovespa tem dia de realização de lucros e fecha em queda, mas acumula alta de 2,72% na semana; dólar fecha em R$ 5,39

Semana foi marcada pela volatilidade nas bolsas internacionais, mas estrangeiro continuou buscando ações brasileiras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies