Menu
2020-04-24T16:35:26-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Após demissão de Moro

Saída de Guedes é improvável e volatilidade pode pesar no Copom, diz Kawall, do Asa Bank

Se o presidente Bolsonaro adotar uma linha populista, seria o fim do governo, diz Carlos Kawall

24 de abril de 2020
16:32 - atualizado às 16:35
48308911846_9e62aa072c_c
(Santa Fé - Argentina, 17/07/2019) Presidente da República Jair Bolsonaro acompanhado do Ministro da Economia Paulo Guedes. - Imagem: Alan Santos/PR

Apesar da "saída bombástica" de Sergio Moro do governo de Jair Bolsonaro, a demissão de outro pilar do governo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, não tem muito espaço para ocorrer, diz Carlos Kawall, diretor do Asa Bank.

"O que preocupa o mercado em primeiro lugar é a implicação da saída de Moro: o possível enfraquecimento de Guedes. Mas isso é pouco provável", diz Kawall, em entrevista ao Seu Dinheiro, citando que essa chance não é zero após a demissão de Moro.

Guedes mostrou um distanciamento em relação ao governo ao não aparecer na apresentação do Plano Pró-Brasil, patrocinado pelo ministro-chefe da Casa Civil, o general Braga Netto, nesta semana.

Segundo Kawall, no entanto, a diferença de visão entre a ala militar e a ala econômica não é tão significativa assim a ponto de gerar uma nova baixa na Esplanada dos Ministérios. "Há arestas a serem aparadas", pontua.

Além disso, diferentemente do que ocorreu com Moro, "as pressões sobre Guedes não são muito grandes", disse o economista, mencionando que não há insatisfação de Bolsonaro como chefe da Economia.

Kawall, ex-secretário do Tesouro Nacional, também disse não acreditar que a equipe econômica sofrerá uma guinada pró-intervencionista, após o lançamento do Plano Pró-Brasil.

"O plano é essencialmente de privatização com algum investimento público, não deve haver nada de mudança radical, deve haver diferença na ênfase do investimentos", diz o economista.

"O grande representante do sentimento contra a política tradicional, que abriu mão de sua carreira no Judiciário, que foi para o governo, saiu do governo de uma maneira bombástica"

Carlos Kawall, diretor do Asa Bank

Enquanto isso, o cenário de estresse dos mercados pode pesar sobre a decisão sobre cortar ou não a taxa de juros no próximo dia 6 de maio. "A volatilidade política pode afetar Copom, porque eles miram os mercados, e parecia tudo que eles iam fazer era caminhar para aumentar ritmo de corte", diz Kawall.

A projeção do Asa Bank é que, até o final do ano, a Selic caia até 1%. "Só aumenta pra mim a chance disso ocorrer, porque o estrago na economia ainda vai ser maior. Mas talvez isso ocorra mais lentamente." Kawall observa que haverá um estrago adicional na economia em razão do aperto das condições financeiras, em um mercado com bolsa em queda e dólar em alta.

O mais importante será entender o que vai acontecer com a equipe econômica, disse Kawall. "Se houver mudança, é uma crise de proporções muito grandes, e se o presidente fosse por uma linha populista, seria o fim do governo".

Não será um ano de grandes reformas, segundo Kawall, já que há no momento uma parada na articulação delas em meio à pandemia. Ainda assim, há a expectativa de que elas "sejam retomadas em algum momento".

Avaliação política

No momento, importa entender a opinião pública e a classe política, afirma Kawall. " O presidente tem apoio popular, mas com a saída do Moro é muito provável que isso tenha algum abalo. Até onde isso vai, a gente não sabe", diz ele.

No caso da demissão de Mandetta, Kawall diz que "não teve efeito" para a aprovação do governo, mas com a saída de Moro, ele acredita que vá haver.

Moro carrega consigo o apoio do lavajatismo, afirma o economista, "em que pese Bolsonaro ter a sua base."

"O grande representante do sentimento contra a política tradicional, que abriu mão de sua carreira no Judiciário, que foi para o governo, saiu do governo de uma maneira bombástica", diz Kawall.

Para ele, é uma incógnita se os partidos políticos do centrão vão manter o atual "status quo" ou haverá impeachment.

"É uma coisa mais grave, é o fim do governo Bolsonaro? Vai estar assim daqui uma semana, duas, um mês? É difícil dizer, mas acredito que isso é evidentemente ruim para economia, com os mercados em estresse, a economia vai demorar mais a se recuperar", diz Kawall.

O economista disse ainda que, após o mês de março de muito aperto nas condições, ocorre outro neste momento, mas apenas no Brasil. "Temos a tendência de inventar crises políticas."

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Dados atualizados

Brasil tem 26.764 mil mortes por coronavírus; casos superam 438 mil

Nas últimas 24 horas, segundo o levantamento do portal G1, houve 1.156 novas mortes causadas pelo coronavírus

ajuste tarifário

Arsesp reduz em 12,1% tarifas de gás natural para clientes industriais da Comgás

O principal fator que provocou a queda das tarifas de gás foi a diminuição dos custos da molécula e do transporte, atrelados ao preço do petróleo e à variação da taxa de câmbio

seu dinheiro na sua noite

O Brasil visto da Antártida

Por esses dias, talvez você tenha lido por aí que cientistas de um projeto financiado pela NASA teriam descoberto indícios de um universo paralelo na Antártida onde o tempo passaria ao contrário. Apesar de ser um ótimo título “caça-clique”, infelizmente (ou felizmente) não é bem isso. Não ousarei entrar em detalhes aqui sobre a física […]

Politica monetária

BC só considera “imprimir dinheiro” se esgotar ferramentas contra a crise

Roberto Campos Neto disse só pretende abrir “caixa de ferramentas” do Banco Central quando não puder atuar mais via corte da taxa básica de juros (Selic)

Presidente da Câmara

Projeto de lei das fake news pode cumprir papel muito importante, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) defendeu, nesta quinta-feira, 28, a tramitação célere do projeto de lei das fake news no Congresso, que, na visão dele, pode “cumprir um papel muito importante” para o País

Tensão em Brasília

Mourão diz que golpe está ‘fora de cogitação’, mas reconhece ‘estresse’

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, afirmou que uma eventual ruptura democrática está “fora de cogitação” e que “não existe espaço no mundo para ações dessa natureza”

Habilitação de maquininhas

Uso do auxílio em maquininhas começa com Cielo e GetNet; Rede é no dia 8

A Cielo informou que habilitou 1,5 milhão de maquininhas em todo o Brasil para aceitarem pagamentos dos beneficiários do auxílio emergencial

Devolvendo os ganhos

Risco político volta a aumentar e faz o dólar subir quase 2%; Ibovespa fecha em queda

O dólar à vista saltou mais de 10 centavos em relação ao fechamento de ontem, pressionado pelas tensões entre governo e STF. O Ibovespa caiu mais de 1% hoje, mas ainda acumula ganhos de 8% desde o começo de maio

Taxa de participação em queda

Desemprego seria de 16% com procura por vagas nos níveis de fevereiro, diz Itaú

Medidas de quarentena diminuíram nível de procura por trabalho e aumento do desemprego foi menor que o esperado, diz o banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements