Menu
2020-04-16T17:22:49-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Após saída de Mandetta

Bolsonaro confirma Nelson Teich como novo ministro da Saúde

Médico oncologista, Teich era o nome com a cotação mais em alta para assumir o posto após a demissão de Luiz Henrique Mandetta, nesta tarde

16 de abril de 2020
17:21 - atualizado às 17:22
(Brasília - DF, 20/03/2020) Coletiva de Imprensa do Presidente da República, Jair Bolsonaro e Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta
Imagem: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou em pronunciamento no Palácio do Planalto, nesta quinta-feira (16), que Nelson Teich será o novo ministro da Saúde.

Médico oncologista, Teich era nome mais cotado para assumir o posto mesmo antes da demissão de Luiz Henrique Mandetta, oficializada nesta tarde. Segundo o presidente, Teich sabe o "tamanho do desafio" que tem pela frente no comando da pasta.

Teich participou ativamente da campanha eleitoral de Bolsonaro, a convite de Paulo Guedes. Teich também possui apoio da classe médica.

Hoje, ele esteve reunido com Bolsonaro em Brasília pela manhã e havia expectativa de que fosse confirmado como novo ministro ainda hoje.

Mais cedo, o ex-ministro Mandetta informou por meio de rede social que havia sido demitido do cargo de chefe da pasta. Bolsonaro disse que teve conversa de 30 minutos "muito cordial" em que se "encerrou um ciclo no ministério da Saúde".

"Foi um divórcio consensual", disse Bolsonaro, citando que a saúde do povo brasileiro está acima dele como presidente e do ex-ministro.

O presidente voltou a abordar o desemprego em sua fala, afirmando que quem não possui trabalho é mais propenso a ter algum problema de saúde. Disse também, citando a Organização Mundial da Saúde, que cada país têm sua "particularidade".

A "questão do desemprego" não foi tratada como deveria durante a pandemia até aqui, segundo Bolsonaro. Afirmou, porém, que não discrimina nem condena as opiniões de Mandetta, que tem a visão de um médico.

"Junto com o vírus veio uma verdadeira máquina de moer empregos", disse o presidente, citando os "mais humildes" e "necessitados", que não têm como ficar em casa por muito tempo sem trabalhar, segundo ele.

"A vida não tem preço, mas a economia e o emprego tem que voltar à normalidade", disse Bolsonaro, mencionando que a atividade não tem que retornar "o mais rápido possível". As medidas de isolamento social, entretanto, têm de começar a ser flexibilizadas.

Bolsonaro também pontuou que não usaria as Forças Armadas para prender pessoas em aglomerações, já que não tem o objetivo de cercear o direito de ir e vir da população.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Os três mosqueteiros do varejo e outros destaques da noite

Na bolsa e no setor de varejo, a máxima do “um por todos e todos por um” não se aplica. Empresas competem umas com as outras e investidores buscam as melhores aplicações — o “cada um por si” tem bem mais adeptos. Mas, quem diria, três mosqueteiros juntaram suas espadas para comemorar os bons resultados […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sobe puxado pelo minério de ferro e encosta nos 123 mil; NY fecha o dia no vermelho

Com a economia chinesa aquecida, a demanda por commodities segue em alta e sustenta bons níveis para o Ibovespa.

Seleção Empiricus

🔴 AO VIVO: Quais são os investimentos para o segundo semestre? | Seleção Empiricus

Caminhando para o fim do primeiro semestre, nosso time do Seleção Empiricus de hoje discute o que podemos esperar da Bolsa para os próximos meses. A escalação do jogo de hoje conta com Max Bohm, Matheus Spiess, Cris Fensterseifer e Marcos Queiroz.

Segure seus bitcoins

Golpistas se passam por Elon Musk e roubam dinheiro de investidores de criptomoedas

Os criminosos usaram perfis falsos do CEO da Tesla para levar ao menos US$ 2 milhões de entusiastas do bitcoin e outras moedas digitais

Orçamento apertado

Segmentos mais impactados de comércio e serviços tiveram perdas de R$ 225,7 bi em 2020

Montante é maior que o total produzido por países como Sérvia e Tunísia. Varejo de roupas perdeu 10% do seu tamanho no ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies