Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-16T17:22:49-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Após saída de Mandetta

Bolsonaro confirma Nelson Teich como novo ministro da Saúde

Médico oncologista, Teich era o nome com a cotação mais em alta para assumir o posto após a demissão de Luiz Henrique Mandetta, nesta tarde

16 de abril de 2020
17:21 - atualizado às 17:22
(Brasília - DF, 20/03/2020) Coletiva de Imprensa do Presidente da República, Jair Bolsonaro e Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta
Imagem: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou em pronunciamento no Palácio do Planalto, nesta quinta-feira (16), que Nelson Teich será o novo ministro da Saúde.

Médico oncologista, Teich era nome mais cotado para assumir o posto mesmo antes da demissão de Luiz Henrique Mandetta, oficializada nesta tarde. Segundo o presidente, Teich sabe o "tamanho do desafio" que tem pela frente no comando da pasta.

Teich participou ativamente da campanha eleitoral de Bolsonaro, a convite de Paulo Guedes. Teich também possui apoio da classe médica.

Hoje, ele esteve reunido com Bolsonaro em Brasília pela manhã e havia expectativa de que fosse confirmado como novo ministro ainda hoje.

Mais cedo, o ex-ministro Mandetta informou por meio de rede social que havia sido demitido do cargo de chefe da pasta. Bolsonaro disse que teve conversa de 30 minutos "muito cordial" em que se "encerrou um ciclo no ministério da Saúde".

"Foi um divórcio consensual", disse Bolsonaro, citando que a saúde do povo brasileiro está acima dele como presidente e do ex-ministro.

O presidente voltou a abordar o desemprego em sua fala, afirmando que quem não possui trabalho é mais propenso a ter algum problema de saúde. Disse também, citando a Organização Mundial da Saúde, que cada país têm sua "particularidade".

A "questão do desemprego" não foi tratada como deveria durante a pandemia até aqui, segundo Bolsonaro. Afirmou, porém, que não discrimina nem condena as opiniões de Mandetta, que tem a visão de um médico.

"Junto com o vírus veio uma verdadeira máquina de moer empregos", disse o presidente, citando os "mais humildes" e "necessitados", que não têm como ficar em casa por muito tempo sem trabalhar, segundo ele.

"A vida não tem preço, mas a economia e o emprego tem que voltar à normalidade", disse Bolsonaro, mencionando que a atividade não tem que retornar "o mais rápido possível". As medidas de isolamento social, entretanto, têm de começar a ser flexibilizadas.

Bolsonaro também pontuou que não usaria as Forças Armadas para prender pessoas em aglomerações, já que não tem o objetivo de cercear o direito de ir e vir da população.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: bolsa deve refletir taxa de juros mais alta em dia de leitura do PIB dos EUA

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

NA DÚVIDA, ADIA

No restabelecimento da presença obrigatória em Brasília, governo fica sem quorum e retira PEC dos Precatórios

Nova tentativa de votação é esperada para hoje, mas o temor de que não haja deputados em quantidade suficiente para a aprovação persiste

Aquele 1%

Com juros em alta, esses títulos de renda fixa te pagam 1% ao mês, com baixíssimo risco e pouco esforço

A rentabilidade dos sonhos do brasileiro está de volta aos investimentos conservadores, e CDBs que pagam 1% ao mês ou mais já estão fáceis de encontrar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies