Menu
2020-06-26T11:12:53-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
IR 2020

Até quem já morreu precisa prestar contas ao Leão: como fazer declaração de espólio e informar herança no IR

Declarar espólio é obrigatório quando este se enquadra nas regras de obrigatoriedade e quando ocorre a conclusão do processo de inventário; herdeiros também precisam informar valores recebidos nas suas declarações

26 de junho de 2020
11:10 - atualizado às 11:12
Selo IR 2020
Imagem: Andrei Morais / Shutterstock

Nem o falecimento isenta o contribuinte de prestar contas ao Leão. Mesmo quem já morreu pode precisar ter uma declaração de imposto de renda preenchida e entregue em seu nome. Nesta matéria eu vou mostrar como declarar herança e cada etapa do inventário dos bens de um contribuinte falecido no imposto de renda 2020.

Contribuintes que morrem deixando bens a inventariar não deixam de existir para a Receita Federal. Seu espólio - o conjunto dos seus bens, direitos e obrigações - deve continuar sendo declarado ao Fisco em seu nome até que o processo de inventário e a partilha entre os herdeiros sejam concluídos.

No caso dos inventários que se alonguem por mais de um ano, o espólio deve ser declarado em todos os anos em que se enquadrar nas regras de obrigatoriedade para entrega da declaração de imposto de renda, até a conclusão do processo. Já a declaração final de espólio, referente ao ano-calendário em que o inventário foi concluído, é obrigatória em todos os casos.

Na mesma ocasião, herdeiros e meeiro também precisam informar, nas suas próprias declarações de IR, os bens recebidos, respectivamente, como herança ou meação ao término do processo.

Como declarar espólio no imposto de renda 2020

A declaração de espólio deve ser preenchida e entregue a partir do ano em que o contribuinte morreu até o ano de conclusão do inventário. Ela é de responsabilidade do inventariante, pessoa que administra o espólio durante todo o processo de partilha e representa o espólio em juízo. É muito comum que o papel de inventariante seja desempenhado por filhos, cônjuges ou alguém designado pelos herdeiros ou juiz.

Enquanto o processo de espólio está rolando na Justiça, há três tipos de declarações possíveis: a inicial, intermediária e final. Para preenchê-las, você deve usar o Programa Gerador da Declaração, o mesmo utilizado para a Declaração de Ajuste Anual. As regras de preenchimento das declarações de espólio também são as mesmas da declaração de IR normal, seguindo, inclusive, os mesmos prazos.

As declarações iniciais e intermediárias só precisam ser entregues caso o espólio se enquadre nas regras de obrigatoriedade. Já a declaração final é obrigatória.

Declaração inicial de espólio

Caso o contribuinte tenha falecido em 2019 e o inventário não tenha sido concluído no mesmo ano, o inventariante deverá entregar a declaração inicial de espólio, caso este se enquadre nas regras de obrigatoriedade.

Para isso, ele deverá optar, no programa, por preencher uma Declaração de Ajuste Anual normal. Na ficha "Identificação do Contribuinte", porém, ele deverá escolher o código 81 no campo "Natureza da ocupação", relativo ao Espólio.

Em seguida, as informações do inventariante, como nome, CPF e endereço, devem ser preenchidas na ficha Espólio.

Declaração intermediária de espólio

Enquanto o processo de partilha durar, até o ano anterior ao ano da sua conclusão, o inventariante deverá entregar à Receita, ano a ano, declarações intermediárias de espólio, desde que este se enquadre nas regras de obrigatoriedade.

O processo é semelhante ao da declaração inicial. A inclusão de bens, e ocasionais rendimentos como aluguéis também seguem as mesmas regras da declaração de ajuste anual, sendo inclusive possível a inclusão de dependentes e de gastos dedutíveis. Nesta opção também é possível escolher entre o modelo simplificado ou completo da declaração.

Declaração final de espólio

Quando o processo judicial é encerrado, é a vez de entregar a declaração final de espólio ao Leão. Esta sim é obrigatória. Em 2020, ela deverá ser entregue por todos os inventariantes cujos processos de inventário tenham sido concluídos em 2019.

Além de declarar os bens e rendimentos do falecido, também é preciso especificar a porcentagem e a destinação de cada bem aos herdeiros.

Na hora de declarar, o inventariante selecionará, na aba "Nova" da página inicial do programa, o tipo "Declaração Final de Espólio". Em seguida, deve clicar em "Iniciar Declaração em Branco" e preencher o nome e o CPF do falecido.

Na ficha Espólio, informe o tipo de partilha (decisão judicial ou escritura pública), o ano do falecimento e os dados do inventariante. Informe ainda os dados da decisão judicial. Já na ficha Herdeiros/Meeiro, cadastre os herdeiros e meeiro do falecido.

Na ficha Bens e Direitos, declare cada bem do falecido segundo as mesmas regras da Declaração de Ajuste Anual (veja como preencher a declaração de bens). No campo "Discriminação", informe os dados dos herdeiros e/ou meeiro que receberam parte ou a totalidade de cada bem.

Informe o último valor declarado em vida pelo contribuinte na coluna "Situação na data da partilha". Na coluna "valor de transferência", você deve informar o valor total repassado aos herdeiros e meeiro. Caso o valor de repasse seja maior que o último valor declarado pelo contribuinte, considera-se que houve ganho de capital.

Nesse caso, é preciso apurar e recolher o imposto de renda por meio do programa GCAP referente ao ano-calendário de conclusão da partilha (GCAP 2019, no caso dos inventários concluídos no ano passado). O pagamento do imposto de 15% deve sair do valor do espólio.

Contribuintes falecidos já em 2020 e que estariam obrigados a declarar neste ano devem ter sua Declaração de Ajuste Anual do imposto de renda 2020 entregue normalmente pelo responsável por seus bens ou inventário. Ou seja, a declaração de espólio só deverá ser entregue no ano que vem.

Caso o falecido tenha deixado declarações em aberto, o inventariante deve preenchê-las e entregá-las. O mesmo vale para qualquer retificação necessária após a morte do contribuinte.

Como declarar herança no imposto de renda 2020

Herdeiros podem usufruir dos bens do espólio durante o processo, se assim for decidido entre as partes. Mas essa nem sempre é a regra. Esse acordo, entretanto, não altera a declaração dos bens recebidos, que só deve ser feita após o encerramento do processo de inventário.

No caso de processos de inventário concluídos em 2019, os herdeiros e meeiro do falecido devem informar, na declaração de imposto de renda 2020, os bens recebidos como herança e meação.

Como herança e meação são considerados rendimentos isentos, é preciso informá-los na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, sob o código 14 - "Transferências patrimoniais - doações e heranças" ou 19 - "Transferências patrimoniais - meação e dissolução da sociedade conjugal e da unidade familiar". Herdeiros e meeiro deverão informar os dados do falecido e o valor total recebido, por cada um, a título de herança ou meação.

Esse procedimento deve ser realizado apenas na declaração referente ao ano-calendário em que os herdeiros e meeiro receberam a sua parte na partilha. Ou seja, apenas na declaração de imposto de renda 2020 no caso dos contribuintes que receberam herança ou meação de inventário concluído em 2019.

Na ficha Bens e Direitos, o contribuinte deve declarar a parte que lhe coube do espólio. A forma de declarar é similar à de qualquer outro bem. A diferença é que, na “Discriminação”, é preciso informar a origem do bem e os valores destinados ao contribuinte e demais herdeiros. Os dados do falecido também devem ser discriminados.

No campo “Situação em 31/12/2019” informe o valor de transmissão do bem ou, caso se trate de dinheiro em conta ou aplicação financeira que você já tinha, some o valor recebido ao saldo anterior. Todos os herdeiros ficam obrigados a declarar suas partes.

Além do IR que incide sobre qualquer ganho de capital apurado durante o período do inventário, doações e heranças podem ser tributadas de outras formas. É o caso do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD), tributo estadual cuja alíquota varia de 2% a 8%. A legislação do ITCMD varia de acordo com o estado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

alívio na pandemia

Bolsonaro fala em pagar mais quatro parcelas de R$ 250 em nova rodada do auxílio

Presidente voltou a destacar endividamento do País e diz que auxílio é “para ver se a economia pega de vez”

NÚMEROS DA PANDEMIA

Confirmadas mais 1.541 mortes por covid-19 em 24 horas

No período, número de novos casos de infecção pela covid-19 atinge 65.998, de acordo com dados do Ministério da Saúde

Sextou com o Ruy

Certeza é para idiotas. Como ganhar na bolsa mesmo sem saber para que lado a ação vai andar

Nesta semana eu consegui realizar um lucro de 1.250% com uma opção de Petrobras, e nem precisei adivinhar para onde a ação iria

IR 2021

Prazo para envio de informe de rendimentos termina nesta sexta; saiba o que fazer caso não receba algum deles

Saiba que informes de rendimentos você deve esperar receber até o fim do dia de hoje; documento é essencial para preencher declaração de imposto de renda e comprovar informações junto à Receita Federal

Pegue o passaporte

Como usar os ETFs para escapar do risco Brasil e investir nas bolsas globais sem sair da B3

Qualquer investidor com uma conta em corretora pode ter acesso hoje mesmo a uma cesta de ativos que representa as ações das maiores empresas do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies