Menu
2020-05-18T18:33:01-03:00
Estadão Conteúdo
Efeito pandemia

Vendas no varejo têm em abril resultado mais negativo da história, mostra ICVA

As vendas no varejo brasileiro apresentaram queda de 36,5% em abril, descontada a inflação, em comparação com o mesmo mês do ano passado, refletindo a propagação da covid-19 pelo País, de acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado

18 de maio de 2020
18:32 - atualizado às 18:33
Shopping center
Imagem: Shutterstock

As vendas no varejo brasileiro apresentaram queda de 36,5% em abril, descontada a inflação, em comparação com o mesmo mês do ano passado, refletindo a propagação da covid-19 pelo País, de acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA). Em termos nominais, o ICVA recuou 35,4%. É o resultado mais negativo registrado pelo índice desde sua criação em janeiro de 2014.

O efeito de calendário beneficiou levemente abril deste ano no comparativo anual. Sendo assim, o ICVA deflacionado com ajuste de calendário registrou queda de 37,1% e 36,0% em termos nominais. Diferente de março, quando as vendas sofreram um baque apenas nas duas últimas semanas, o mês de abril foi afetado pela covid-19 em seus 30 dias.

Em nota, Gabriel Mariotto, diretor de Inteligência da Cielo, destaca que com exceção de Supermercados e Hipermercados e Veterinárias e Petshops, todos os setores apresentaram quedas nas vendas, com alguns chegando a recuar 80%.

Por setores, descontada a inflação e com ajuste de calendário, os blocos de Serviços, Bens Duráveis e Bens Não Duráveis registraram declínios de 68,9%, 57,5% e 10,6%, respectivamente, em comparação com abril do ano passado. Os setores mais impactados foram Turismo e Transporte e Alimentação Bares e Restaurantes, no bloco de Serviços, Vestuário no grupo de Bens Duráveis e Postos de Gasolina no bloco de Bens Não Duráveis.

Por região, todas as regiões apresentaram queda no mê passado, segundo o ICVA deflacionado com ajuste de calendário.

A maior queda foi observada na região Sudeste: de 41,5%. Na sequência estão as regiões Nordeste (-37,3%), Sul (-28,7%), Centro-Oeste (-28,5%) e Norte (-24,0%).

Pelo ICVA nominal, com ajustes de calendário, o destaque também foi a região Sudeste, com forte queda de 40,2%, seguida por Nordeste (-36,2%), Sul (-27,9%), Centro-Oeste (-27,8%) e Norte (-21,3%).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

DRAGÃO COM FOME

Comida pressiona inflação até o fim do ano, dizem analistas

Dólar em alta, oferta escassa por causa da entressafra e o auxílio emergencial estão provocando o aumento dos preços

CCR: Alerj recomenda retomar concessão de rodovia, mas governo é contra

Assembleia quer retomada da rodovia para reduzir tarifas, consideradas altas devido a irregularidades no contrato de concessão

TRETA

Maia e Alcolumbre criticam Salles após atrito com Ramos

Presidente da Câmara diz que ministro do Meio Ambiente resolveu destruir o próprio governo

SE PROTEJA

Títulos de renda fixa atrelados ao IPCA viram opção

Alta da inflação em outubro faz investidores e gestores avaliarem novas formas de proteção de patrimônio

SELEÇÃO DE NOTÍCIAS

BDR, bitcoin, shopping: o melhor do Seu Dinheiro na semana

O fim de semana chegou com uma notícia bastante esperada pelos investidores: a volta do Ibovespa ao patamar de 100 mil pontos. O principal índice da B3 foi impulsionado esta semana por dois acontecimentos. O primeiro deles foi o alívio das preocupações em torno do risco fiscal brasileiro, com políticos e governo demonstrando compromisso com a manutenção do teto de gastos. Outro tema foi a esperança de aprovação de um pacote de estímulos […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies