Menu
2020-10-13T15:27:27-03:00
Estadão Conteúdo
Famintas

Startups de tecnologia testam apetite de investidor e esperam captar R$ 3,5 bi

O site de intermediação de vendas Enjoei.com, a empresa de cashback Méliuz e o e-commerce de vinhos Wine estão com estreias programadas na B3.

13 de outubro de 2020
15:27
startup inovação planejamento
Imagem: Shutterstock

Antes concentradas em listagens nos Estados Unidos, as startups e empresas de tecnologia brasileiras começaram a buscar captação no mercado local, em um momento em que os investidores procuram complementar suas carteiras com mais empresas ligadas ao mundo digital.

Nas próximas semanas, o site de intermediação de vendas Enjoei.com, a empresa de cupons de desconto e cashback Méliuz e o e-commerce de vinhos Wine estão com estreias programadas na B3, com ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) que podem chegar a mais de R$ 3,5 bilhões, movimento ainda novo no mercado brasileiro.

Ainda entre as candidatas com perfil tech, já com pedido de registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas ainda sem data, estão a plataforma de aluguel de imóveis Housi e a Mosaico, dona do site Buscapé.

O movimento das empresas de tecnologia ocorre em um momento de maior volatilidade do mercado, que afastou gigantes de setores tradicionais como a Havan (de Luciano Hang) e Caixa Seguridade, que resolveram deixar a oferta para depois, já que teriam dificuldade em precificar suas ofertas ao preço desejado, segundo fontes próximas às operações. Outros que estavam na fila e suspenderam ofertas são o banco BR Partners e a Compass, controlada da Cosan.

"O mundo está em plena transformação, com a digitalização do mundo real. As empresas dessa nova economia têm enorme potencial de crescimento e veremos cada vez mais representantes na Bolsa", afirma o diretor de operações da gestora de investimentos em venture capital KPTL (lê-se Capital, em inglês), Gustavo Junqueira.

Estreias

A onda dessas novatas na Bolsa também testará o entendimento dos investidores locais para as histórias dessas empresa que, no geral, têm receitas ainda pequenas, mas que crescem em ritmo acelerado, e muitas operam no prejuízo. A Méliuz, uma investida do tradicional fundo de venture capital Monashees, reportou no primeiro semestre receita líquida de R$ 55,4 milhões, aumento de 61% ante igual período do ano passado. O resultado líquido ficou no azul, com lucro de R$ 12,7 milhões - foi R$ 1,6 milhão na primeira metade de 2019.

A Enjoei.com, conhecida por ser uma espécie de brechó online que ganhou popularidade ao atrair "famosos" a abrirem lojinhas no site, também é uma investida da Monashees. A companhia reportou, de janeiro a junho, receita líquida de R$ 28,6 milhões e prejuízo líquido de R$ 4,1 milhões.

Precificação

"As empresas de tecnologia são precificadas de forma diferente de outras empresas e não pelo múltiplo do lucro", diz executivo de um banco de investimento. A estreia da Enjoei.com na B3 está prevista para dia 29 e a da Méliuz e Wine para 5 e 6 de novembro.

"A economia de juros baixos para aplicações financeiras, aliada ao imenso leque de oportunidades e ao apetite a risco dos investidores, também encoraja a busca pelo financiamento via mercado de capitais. Para as startups, o financiamento através de IPO mostra-se mais atraente que o empréstimo bancário puro e simples, principalmente pela compreensível inexistência de track-record dessas empresas no mercado financeiro", afirma o sócio do Bocater Advogados, José Luiz Braga.

Em fevereiro, a empresa de TI Locaweb, que fez um IPO na B3 de R$ 1,4 bilhão, ajudou a quebrar o estigma de que empresas de tecnologia não eram bem avaliadas se fizessem oferta local. A empresa estreou com valor de mercado de R$ 2,6 bilhões, um múltiplo de mais de 30 vezes o lucro projetado para este ano, atraindo até fundos gringos especializados em tecnologia.

Na época, a leitura foi de que o IP O quebrou a tese de que esses investidores não compram diretamente no mercado brasileiro e ajudou a abrir a porta para outras empresas de tecnologia optarem pela oferta local. A busca dos investidores pelo papel seguiu alta após seu debute na B3: em cerca de oito meses a ação da Locaweb deu salto de 265%.

Na B3, o número de representantes do setor de tecnologia ainda é baixo: além da Locaweb há poucas do setor listadas (Totvs, Linx, Sinqia e B2W). Magazine Luiza já é considerada também uma empresa tech, após sua transformação digital. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies