Menu
2020-12-26T12:43:38-03:00
Estadão Conteúdo
Saneamento

Rio se prepara para lançar edital de concessão da Cedae

Lançamento do edital deve ocorrer na próxima terça (29). Bolsonaro anunciou acordo entre governo federal e do estado do Rio para a privatização da companhia de água e esgoto

26 de dezembro de 2020
11:56 - atualizado às 12:43
Cedae
Imagem: Facebook / Cedae

O edital de concessão da Cedae, companhia de saneamento do Rio, será lançado na próxima terça-feira, de acordo com informações do governo do Estado. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), contratado para estruturar o projeto de concessão, tinha fixado a meta de lançar o edital no último dia 18, mas a publicação, que é feita pelo Estado, acabou adiada em meio à tensão entre o governo fluminense e o Tesouro.

Em transmissão nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou um acordo entre o governo federal e o do Rio de Janeiro para a privatização da companhia de água e esgoto. O presidente da República não deu detalhes do projeto, mas afirmou que as autoridades fecharam uma negociação para que a venda da estatal permita a destinação de parte dos recursos para investimentos. "Não é apenas vender a Cedae, uma parte vai ficar para investimentos no Rio de Janeiro. Todo mundo ganha dessa forma", disse Bolsonaro.

O acordo foi firmado em reunião virtual realizada nesta tarde entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, o governador em exercício do Rio, Claudio Castro, e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente da República. De acordo com fontes, a discussão foi bastante tensa.

A data de lançamento do edital foi divulgada após uma liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, determinar ontem a manutenção do Estado do Rio no Regime de Recuperação Fiscal (RRF). A medida dá fôlego ao governo fluminense, que na última segunda-feira foi alvo de uma cobrança de R$ 2,9 bilhões do Tesouro Nacional, sob a alegação de que o Estado está excluído do regime especial - que suspende as dívidas com a União - desde o último dia 5 de setembro.

O governo do Rio recorreu ao STF na última terça-feira, 22, para "evitar um colapso" nas contas fluminenses, após ter recebido um ofício de cobrança da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) na véspera.

O Estado poderia ter ao menos R$ 7,4 bilhões bloqueados nas próximas semanas em função da exclusão do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e da execução das contragarantias da dívida de R$ 4,5 bilhões com o banco francês BNP Paribas, vencida no dia 20.

A União deu a garantia ao BNP, e as ações da Cedae entraram como contragarantia. Isso significa que, se o crédito não for pago, a empresa pode ser federalizada. O imbróglio complica o processo de concessão da Cedae, cujo edital era esperado para esta semana.

No desenho da concessão proposto pelo BNDES, a estatal fluminense não será privatizada. Seguirá atuando na captação e no tratamento da água, que será então vendida para os até quatro operadores privados que prestarão os serviços de distribuição de água, além da coleta e do tratamento do esgoto.

Na última versão, a concessão contemplava 47 das 64 cidades atualmente atendidas pela Cedae. Com essa área, estão previstos em torno de R$ 31 bilhões em investimentos e um valor mínimo de outorga fixa de R$ 10,6 bilhões, a maior parte destinada ao Estado do Rio.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pandemia

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

Resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies