Menu
2020-10-10T17:41:59-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
agora é oficial

Rede D’Or São Luiz apresenta pedido de IPO, em operação que pode superar Grupo Mateus

Empresa quer levantar até R$ 10 bilhões na oferta primária; será o primeiro grupo hospitalar do país na bolsa brasileira

10 de outubro de 2020
17:41
104431114_3648533321839889_924922937267440479_o
Glória D'Or, da Rede D'Or', no Rio de Janeiro. - Imagem: Divulgação Glória D'Or Facebook

A Rede D'Or São Luiz submeteu à CVM um pedido de registro de oferta pública de distribuição primária e secundária de ações, em uma operação que pode superar o IPO do Grupo Mateus - que levantou R$ 4,63 bilhões.

A abertura de capital da Rede D’Or São Luiz é uma das mais aguardadas do ano pelo mercado financeiro, justamente pelo porte da companhia - hoje, o maior grupo hospitalar do País. A empresa será a primeira do segmento na bolsa brasileira.

A B3 já tem ações de empresas ligadas ao setor de saúde: as operadoras Hapvida, NotreDame Intermédica e SulAmérica e a operadora dental OdontoPrev. Também fazem parte da bolsa brasileira os laboratórios Alliar, Dasa, Fleury e Hermes Pardini e a administradora Qualicorp.

A Rede D’Or São Luiz quer levantar até R$ 10 bilhões na oferta primária, chegando ao mercado com uma avaliação de R$ 100 bilhões, segundo o jornal Valor Econômico. Oficialmente, ainda não há valores definidos.

Em documento enviado ao mercado, a empresa também disse que pediu a conversão de registro, da categoria B para a categoria A. A Rede D’Or São Luiz planeja ingressar no Novo Mercado da B3, que reúne as empresas com maior padrão de governança.

Fundada em 1977, a companhia opera nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Brasília, Maranhão, Bahia, Sergipe e Paraná. A empresa tem 49 hospitais próprios, clínicas de tratamento oncológico e radioterapia, além de laboratórios.

A Rede D’Or é controlada pela família Moll. Os sócios são a gestora de private equity (que compram participações em empresas) Carlyle e o fundo soberano de Cingapura GIC.

A empresa encerrou o segundo trimestre com prejuízo de R$ 306,6 milhões. O resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ficou negativo em R$ 138,3 milhões. Os números foram influenciados negativamente pela pandemia de covid-19.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Exile On Wall Street

Procure por lucros crescendo

Procurar por lucros que crescem, na maior parte das vezes, implica bater de frente com a ideia de comprar barganhas clássicas apuradas sob os critérios de múltiplos baixos

IGP-M em alta

Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em um ano, aponta FGV

O Índice Nacional de Custo da Construção também cresceu de 0,98% para 1,50% em 12 meses, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas

Mercados hoje

Ibovespa rompe os 100 mil pontos, com tom positivo no Brasil e no exterior

Índice dá continuidade a movimento positivo de ontem, com menos pressão de fatores de risco locais no radar

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

11 notícias para você começar a terça-feira bem informado

O coronavírus ofuscou o que deveria ser o evento do ano em 2020: a eleição presidencial nos Estados Unidos, o pleito que escolherá quem ocupará um dos cargos mais importantes do mundo nos próximos quatro anos. Os mercados começaram a corrida eleitoral com uma torcida maior por Donald Trump. Sua política de redução de impostos […]

DESEMPENHO AINDA BAIXO

Embraer: Entrega de aeronaves sobe entre segundo e terceiro trimestre

Resultado, porém, fica abaixo do registrado no terceiro trimestre de 2019, com empresa ainda sentindo a crise do setor aéreo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies