Menu
2020-12-28T21:19:36-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Entrevista exclusiva

Queremos ser a solução do open banking, diz CEO do Guiabolso

Para Thiago Alvarez, iniciativa que permitirá acesso de instituições financeiras a todos os dados financeiros dos clientes será benéfica para os negócios do app, que ajuda usuário a gerir receitas e despesas reunindo suas informações bancárias em um só lugar

26 de dezembro de 2020
5:30 - atualizado às 21:19
Thiago Alvarez, CEO do app GuiaBolso
Thiago Alvarez, CEO do app GuiaBolso. - Imagem: Divulgação

Quando o Guiabolso nasceu, em 2012, o termo fintech ainda não fazia parte do vocabulário dos minimamente letrados em finanças - caso dos repórteres da área, como eu.

O aplicativo surgiu com a proposta de reunir os dados financeiros de todas as contas e cartões de crédito dos seus usuários de modo a ajudá-los a gerir suas finanças, mantendo o controle de receitas e despesas, fosse em dinheiro, no débito ou no crédito.

Chamava a atenção o fato de que o Guiabolso acessava diretamente as informações das contas bancárias dos usuários, o que logo despertou questionamentos sobre a segurança do serviço. Ainda mais se tratando de uma startup pequena.

“A gente sempre teve muita segurança dos dados. Nossa insegurança estava no mercado”, me disse o CEO do Guiabolso, Thiago Alvarez.

Em 2015, o Bradesco chegou a entrar com um processo contra a empresa, do qual abriu mão recentemente. O bancão ainda assinou um termo do Cade, órgão fiscalizador da concorrência, se comprometendo a facilitar o acesso do Guiabolso aos dados dos seus clientes que fossem usuários do app.

Com a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) em 2018, sua entrada em vigor em 2020, e com o entendimento de que dados bancários não pertencem ao banco, mas ao usuário - que pode cedê-los a outras empresas para obter serviços do seu interesse - toda essa polêmica em torno do serviço principal do Guiabolso parece, hoje, meio fora de lugar.

“À medida que foi surgindo todo um arcabouço regulatório e legal, o processo do Bradesco até deixou de fazer sentido”, explica Alvarez, completando que o caso foi uma exceção, e que o Guiabolso sempre teve boa relação com os bancos.

Com o passar do tempo, não só surgiram outras fintechs, como hoje temos um Banco Central que estimula a concorrência no setor financeiro, por muito tempo considerado impenetrável, tamanho era o domínio da meia dúzia de bancões que atuavam no Brasil.

De 2012 para cá, multiplicaram-se os bancos digitais e plataformas de investimento independentes, e hoje, com o PIX, já conseguimos fazer transferências financeiras gratuitas entre quaisquer instituições financeiras.

Agora, o BC prepara a implantação do open banking, que permitirá acesso de todas as instituições financeiras aos dados bancários dos seus clientes.

Mas será que, com isso, quem perde a razão de ser não é o Guiabolso? Thiago Alvarez me garante que não. “Eu sempre fui um grande defensor do open banking, 2021 é um sonho para mim”, diz o CEO do Guiabolso, referindo-se ao ano de início da implementação do sistema.

A solução do open banking

O motivo é que, para prestar o seu serviço de organizador financeiro, o Guiabolso foi obrigado a desenvolver todo um “encanamento” de ligação com as instituições financeiras que, na prática, foi um precursor do open banking.

Hoje, a fintech dispõe de uma grande massa de dados, organizados e interpretados, que lhe permitem ter uma boa noção da vida financeira dos seus usuários, inclusive com análise e score de crédito.

Tais ativos, que eram usados apenas internamente pelo Guiabolso, foram recentemente transformados em produto, que é oferecido a outras empresas desde janeiro deste ano. O serviço já tem pelo menos dez empresas clientes.

A divisão B2B da fintech - chamada Guiabolso Connect - permite às instituições financeiras melhorar sua avaliação de risco dos clientes para oferecer produtos como crédito, seguros e investimentos, a partir de informações como capacidade financeira, perfil de consumo e comportamento, monitoramento e histórico de conta, bem como score de crédito.

“Desde que a gente criou toda essa tecnologia, havia demanda por parte das instituições financeiras. Com o open banking sendo implementado, as empresas terão de criar boa parte dessa tecnologia. O ‘encanamento’ será do open banking, mas todo o resto, para entender e interpretar os dados, e até conectar com centenas de outras instituições financeiras, terá que ser criado. E nós já temos isso tudo”, me explicou Alvarez.

Segundo ele, criar toda a tecnologia e análise de dados do zero seria “ineficiente”, fora que leva alguns anos para a empresa ter massa crítica de dados e histórico para fazer um bom modelo de análise de crédito. “E nós já temos isso, estamos no mercado há seis anos”, diz (o Guiabolso passou a ser oferecido ao público em 2014).

Em contrapartida, a área de B2B do Guiabolso é capaz de implementar essa infraestrutura na empresa cliente em uma semana e com apenas um desenvolvedor, conta o CEO. A empresa cliente paga por usuário que compartilha a informação financeira.

Thiago Alvarez explica que, com o open banking, esse “encanamento” todo entre as instituições financeiras passa a ser padronizado, mas mesmo assim elas teriam que desenvolver essas conexões, trabalhar as informações, criar modelos e monitorar tudo.

“A gente sabe da dificuldade de trabalhar com todas essas informações. É um trabalho gigante para fazer isso em escala. Eu não consigo imaginar todas as instituições financeiras replicando essa estrutura, quando eu tenho um cara que faz isso e entrega o serviço pronto em uma semana. É mais barato e melhor”, diz.

Segundo ele, o objetivo para a área B2B da empresa é transformá-la na “solução que o mercado adota para ser receptor de dados de open banking”.

Novas funcionalidades

Mas a área B2B do Guiabolso não seria a única beneficiada com o open banking. O próprio trabalho interno da fintech também seria facilitado, dando acesso a mais dados de mais instituições financeiras, e liberando parte da equipe, que hoje trabalha na manutenção do ‘encanamento’ desenvolvido pela empresa, para trabalhar em outras funções, com mais valor.

Embora o B2B tenha se tornado uma área importante de monetização para o Guiabolso, a fintech continua apostando no B2C, o serviço de organização e gestão financeira voltado para o consumidor final.

Essa área conta também com um marketplace de produtos financeiros, que rende ao Guiabolso uma comissão pelos produtos adquiridos, como crédito pessoal, cartão de crédito, investimentos e seguros, de outras instituições financeiras.

Mais recentemente, o Guiabolso passou também a oferecer transferências instantâneas entre as contas do cliente cadastradas na plataforma, transferências instantâneas para empresas, além de pagamento de boletos.

Em breve, o app oferecerá também PIX e a funcionalidade “juntar para pagar”, que somará o saldo das várias contas do usuário para fazer uma única transferência ou pagamento.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

alta de mais de 8%

Olha quem apareceu! Jack Ma participa de evento e ações da Alibaba sobem

Paradeiro do bilionário chinês é motivo de especulações após ele não aparecer em público desde que fez críticas ao governo chinês

o melhor do seu dinheiro

Bolsonaro: muitas caneladas e um gol

pandemia da covid-19. Erramos ao minimizar a gravidade do novo coronavírus e na falta de articulação na negociação para a compra de vacinas. Para Jair Bolsonaro, a fatura é cobrada na queda da popularidade. A avaliação negativa do governo superou a positiva pela primeira vez desde julho do ano passado, de acordo com a pesquisa […]

Esquenta dos mercados

Mercado amanhece agitado com posse de Biden, Copom e pandemia

Para você querido investidor que ama um “econoflix”, hoje é dia de pegar a pipoca e acompanhar estes eventos.

RESPONSABILIZAÇÃO

Conselho da JBS aprova procedimento arbitral em face da J&F e dos irmãos Batista

Medida é desdobramento de decisão da assembleia de acionistas de instaurar processos por conta de prejuízos provocados à empresa

desinvestimento

Ultrapar negocia compra de refinaria da Petrobras no Rio Grande do Sul

Estatal aprova proposta vinculante da dona da rede de postos de combustíveis Ipiranga e da Ultragaz, como parte de processo de desinvestimento no setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies