Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-25T17:52:11-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
bom momento

Priner levanta R$ 200 milhões e marca a volta de ‘mini’ IPOs

IPO da empresa de serviços industriais levantou R$ 200 milhões, valor muito abaixo do costumeiro, de R$ 1 bilhão

14 de fevereiro de 2020
8:03 - atualizado às 17:52
Indústria em queda
Região Nordeste, Bahia (-2,9%), Mato Grosso (-2,6%), Pernambuco (-2,2%) e Pará (-1,3%) registraram o restante das quedas - Imagem: Shutterstock

A Priner, empresa de serviços industriais, acaba de concluir uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) de R$ 200 milhões na bolsa brasileira, valor muito abaixo das aberturas de capital nacionais, que costumam superar a marca de R$ 1 bilhão.

Segundo a companhia, a ação foi definida a R$ 10 - no piso da faixa indicativa de preço, que ia até R$ 13. As ações da Priner estreiam na próxima segunda-feira, 13, com o código PRNE3.

O teste do "mini-IPO" ocorre diante do interesse do investidor de menor porte pela renda variável por causa dos juros baixos. De outro lado, há muitas empresas médias com apetite por recursos para crescer.

Por causa da demanda, bancos e corretoras começam a se interessar por esse mercado. A XP, único coordenador da oferta da Priner, estruturou uma área focada nas ofertas de pequeno porte, apurou o jornal O Estado de São Paulo/Broadcast. Os fundos de private equity, que compram participação em empresas, têm em seu portfólio companhias candidatas a operações similares.

No caso da Priner, a oferta se concentrou em investidores brasileiros. Pessoas físicas ficaram com 40% do total e o restante com institucionais, dizem fontes. A Priner listou suas ações no Novo Mercado, segmento de maiores obrigações de governança da B3.

Investimentos

A Priner recebeu investimento da gestora carioca Leblon desde 2013, que há tempos defende mudanças no modelo de oferta de ações para viabilizar ofertas de menor porte. A oferta foi primária, e o fundo permaneceu na companhia.

Outros fundos são entusiastas dos "mini" IPOs. O Stratus, por exemplo, teria intenção de repetir a dose da Priner com empresas como Cinesystem (rede de cinema) e Maestro (locadora de veículos).

A aposta é de que ao menos dez mini IPOs possam ocorrer neste ano. "Agora que houve o teste, outras ofertas devem ocorrer. Sempre tem que ter a primeira a abrir a porta", disse uma fonte que acompanhou a operação da Priner.

A maioria deve ser de empresas já com investimento de private equity, o que seria garantia de uma governança mais organizada.

Rogério Santana, diretor de relacionamento com clientes da B3, disse que as miniofertas não serão mais o "patinho feio" do mercado, que já vem se estruturando ao redor dessas IPOs.

No ano passado, o banco ABC Brasil lançou plataforma para atrair empresas com faturamento anual a partir de R$ 250 milhões que buscam um IPO.

Santana lembra que, quando o Brasil tinha elevadas taxas de juros e a renda fixa era o grande investimento no País, os investidores pediam liquidez para entrar e sair dos ativos. Como consequência, no mercado de renda variável estabeleceu-se uma barreira muito alta para um IPO ser considerado atrativo.

Movimentações

A movimentação pelas operações de menor porte ocorre há tempos. Em 2019, a B3 liberou IPOs menores de R$ 500 milhões no Novo Mercado, na tentativa de destravar esse segmento.

No mercado, a percepção é de que o segmento pode decolar à medida que se acumulem histórias de sucesso. Antes da Priner, um dos casos de êxito foi o da Sinqia, ex-Senior Solution, que abriu seu capital no Bovespa Mais e, anos depois, migrou ao Novo Mercado.

No ano passado, quando a provedora de tecnologia para o sistema financeiro voltou ao mercado e captou R$ 364 milhões em uma oferta subsequente, a demanda dos investidores foi forte. A Sinqia, aliás, já foi uma empresa do portfólio da Stratus.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

o melhor do seu dinheiro

Economia mundial: Um drama em dois atos

Os dois principais palcos da economia mundial estão com peças bem distintas em cartaz, mas ambas têm roteiros carregados de dramas que convergem um ao outro. Na maior economia do mundo, o mercado de juros volta a ficar pressionado após alguns meses de quase estabilidade. As últimas indicações do Federal Reserve sobre o rumo da […]

ficou para depois

Com maior aversão ao risco, Bluefit confirma adiamento de IPO

Adiamento é valido por um período de até 60 dias úteis contados a partir de 24 de setembro; empresa citou “condições de volatilidade no mercado de capitais”

estatal do RS

Privatização da Corsan, com IPO na B3, terá assessoria do BNDES

Primeiro serviço prestado pelo banco deve ser o de fornecer metodologia para seleção das instituições financeiras que coordenarão a abertura de capital

diversificação

Westwing compra Zarpo Viagens, ampliando lifestyle

Empresa adquirida trabalha em parceria com hotéis, resorts, pousadas e companhias aéreas; valor da operação não foi revelado

FECHAMENTO DO DIA

China e Estados Unidos aumentam cautela dos mercados globais e Ibovespa amarga queda de 3%; dólar avança

Apesar da Petrobras ter mais uma vez protagonizado atritos no cenário local, os maiores focos de cautela vieram do exterior e o Ibovespa acompanhou o ritmo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies