Menu
2020-05-07T16:28:19-03:00
Em meio à pandemia

Itaú Unibanco prorroga R$ 15 bilhões em dívidas de empresas e pessoas físicas na crise

Essa é a primeira mostra do programa de reestruturação financeira que o banco lançou no mês passado, por conta da crise desencadeada pelo novo coronavírus no Brasil

7 de maio de 2020
16:28
Agência do banco Itaú
Imagem: Divulgação

O Itaú Unibanco já prorrogou quase R$ 15 bilhões em dívidas de 355 mil clientes pessoas físicas e empresas. Essa é a primeira mostra do programa de reestruturação financeira que o banco lançou no mês passado, por conta da crise desencadeada pelo novo coronavírus no Brasil. Em crédito novo, foram mais de R$ 4 bilhões, desembolsados para 260 mil clientes, em apenas duas semanas.

Batizado de Plano de Saúde Financeira, o programa visa a alcançar, se necessário, um universo de 20 milhões de clientes que procuram fôlego financeiro na crise. "A adesão de um grande volume de clientes, em tão pouco tempo, reforça que o papel de um banco nesse momento é mesmo, o de se reinventar e proporcionar condições concretas e eficazes para que as pessoas e empresas atravessem de forma sustentável a crise", diz o diretor executivo responsável pelo Banco de Varejo do Itaú Unibanco, André Rodrigues.

O maior volume de postergações foi destinado a pessoas físicas. Até agora, o banco prorrogou mais de R$ 8 bilhões em operações para um total de 280 mil clientes.

Uma delas foi Célia Maria Ferreira da Silva, de 47 anos. Dona de um salão de manicure e podologia, na Zona Sul de São Paulo, viu seu movimento cair pela metade com a crise e ainda com as medidas de segurança para evitar o contágio de uma cliente para a outra. Responsável por praticamente a única renda da família - o filho ficou desempregado por conta da crise e a filha trabalha com ela -, Célia recorreu à carência de até 120 dias no crédito imobiliário para não acumular as prestações e colocar em risco o único patrimônio da família.

"A possibilidade de voltar a pagar as prestações somente em julho aliviou demais. Me deu uma paz e um respiro. Agora, posso, ao menos, comer", disse a manicure.

Além das prorrogações de dívidas, outros 200 mil clientes pessoas físicas também aproveitaram o programa para tomar crédito novo. Para esse público, o banco concedeu quase R$ 2 bilhões até o momento.

Na pessoa jurídica, os alongamentos feitos pelo Itaú chegaram a R$ 6,6 bilhões para um universo de 75 mil empresas. O crédito novo, para este público, foi maior. Impulsiona, sobretudo, a necessidade de liquidez para sobreviver à crise. O faturamento de alguns negócios caiu entre 80% e 90%. Nesse contexto, o Itaú já concedeu R$ 2,2 bilhões em empréstimos novos a 60 mil empresas.

"Desenhamos o plano de saúde financeira com expectativa de beneficiar cerca de 20 milhões de clientes e assim seguiremos nessa missão de dar mais fôlego a uma parcela ainda maior nos próximos meses", afirma Rodrigues.

Depois de conceder carência de 60 dias para dívidas em dia - foram mais de 850 mil contratos de pessoas físicas repactuados -, o banco desenhou um pacote para apoiar os clientes por mais tempo. Aumentou o período de prorrogação das dívidas, para até 120 dias no caso de pessoas físicas e 180 dias para empresas, e esticou os prazos das dívidas para cinco ou seis anos, mantendo os mesmos juros.

O presidente do Itaú, Candido Bracher, afirmou que o banco tem se esforçado e está muito "mais generoso". O objetivo é, não só apoiá-los na fase de turbulência, como manter o índice de inadimplência sob controle uma vez que ainda não é possível ter clareza quanto à extensão da crise.

Ainda assim, o banco reforçou em R$ 4,3 bilhões o seu colchão para perdas esperadas no primeiro trimestre em uma clara sinalização de que esta crise além de longa deixará marcas em todos, inclusive, nas instituições financeiras. "Não sabemos avaliar a que distância do pico da crise estamos… Será um período longo de reconstrução das empresas", disse Bracher, em conferência com analistas e investidores, essa semana, ao comentar os resultados do primeiro trimestre.

Enquanto trancou os brasileiros dentro de suas casas, a pandemia trouxe uma série de desafios aos bancos locais, incluindo, o de comunicação. As instituições financeiras sofreram uma onda de críticas vindas de vários setores por restringirem o crédito e elevarem as taxas de juros.

Na tentativa de provar o contrário e impedir que a inadimplência disparasse, os bancos levaram ao governo uma série de medidas para apoiar indivíduos e empresas na crise como, por exemplo, a carência para dívidas adimplentes. O Banco Central respondeu com uma janela regulatória flexível, que possibilitou aos bancos postergarem dívidas sem prejudicar tanto o capital e as despesas com calotes - também injetou R$ 1,2 trilhão em liquidez para apoiar o sistema financeiro.

Com a crise longe de dar uma trégua, os bancos começaram a ampliar o prazo de fôlego financeiro aos clientes. Depois do Itaú, o Bradesco já anunciou que deve esticar em breve a carência para pagamento de dívidas de pessoas físicas e jurídicas.

Desde o início a crise no País, o setor bancário brasileiro renegociou 6 milhões de contratos com operações em dia, com um saldo devedor total de R$ 355,2 bilhões. As parcelas suspensas das operações repactuadas já alcançam R$ 34,9 bilhões, conforme balanço da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Retomando a pauta

Votação do marco do saneamento deve ser retomada no Senado

O novo marco do saneamento — projeto que facilita a atuação da iniciativa privada no setor — tende a voltar à pauta no Senado em julho

Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

Pouco atraente

Participação do Brasil na carteira do investidor estrangeiro cai a 0,3%

Os diversos riscos associados à alocação de recursos no Brasil fizeram o peso do Brasil na carteira dos investidores estrangeiros — a incerteza política e a fraqueza econômica aparecem como importantes fatores

SEU DINHEIRO NO SÁBADO

MAIS LIDAS: Crise? Que crise?

O recente rali da bolsa pegou todo mundo de surpresa — e, não à toa, a matéria elencando cinco razões que explicam essa onda de otimismo foi a mais lida do Seu Dinheiro nesta semana

Crise setorial

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

A crise do coronavírus afetou as linhas de produção de veículos e também diminuiu as vendas em todo o país. Como resultado, o setor prevê uma queda de 40% no total vendido no ano

Seu mentor de investimentos

Um filme de terror: inflação volta a ter destaque no cenário brasileiro

Ivan Sant’Anna faz um paralelo entre a inflação galopante do fim dos anos 80 e o atual cenário de virtual estabilidade na variação dos preços — e mostra preocupação com o comportamento do mercado nesse novo panorama

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements