Menu
2020-07-24T10:38:38-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
bastidores da tele

Destino da Oi: qual a vantagem da Highline sobre Vivo, Claro e TIM?

Operadora fechou um acordo de exclusividade com a Highline para a venda da rede móvel da companhia, deixando para trás – ao menos por enquanto – as outras três empresas

24 de julho de 2020
10:35 - atualizado às 10:38
oi
Imagem: Shutterstock

Em disputa pela rede móvel da Oi, a Highline do Brasil tem ao menos uma vantagem em relação à proposta conjunta de Vivo, Claro e TIM: a possibilidade de aprovação do negócio em relação a órgãos reguladores.

Nesta quinta, a Oi anunciou um acordo de exclusividade com a Highline para a venda da rede móvel da companhia, deixando para trás - ao menos por enquanto - Vivo, Claro e TIM, que haviam apresentado também uma proposta.

Dentro do Cade, a aposta é que o acordo com Highline vai ser facilmente aprovado, uma vez que não reduz a concorrência no setor - o que fatalmente ocorreria caso os ativos fossem fatiados entre as atuais líderes do segmento.

Um integrante do Cade disse ao Estadão/Broadcast que a divisão entre as demais operadoras teria “altíssimas chances” de ser reprovada. Sob pressão dos credores, essa possibilidade não seria bem-vinda para a Oi.

Prova disso é que, no ano passado, a compra da Nextel - que tinha participação pífia no mercado, de pouco mais de 1% - pela Claro levou nove meses para receber o aval do órgão antitruste brasileiro.

Apesar de o Cade ter aprovado o negócio sem impor restrições em dezembro de 2019, o conselheiro Sérgio Ravagnani, relator do processo, ressaltou na ocasião que o mercado de telefonia móvel já apresenta grau de concentração significativo e que novos negócios deveriam ser acompanhados com atenção.

Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Vivo lidera atualmente o mercado de telefonia móvel por ampla margem. A empresa controlada pela espanhola Telefônica detinha 33% do setor em maio, com 74,4 milhões de clientes.

A Claro em vem segundo, com fatia de 25,9% e um total de 58,5 milhões de consumidores. Em terceiro está a TIM, com 23,2% e 52,3 milhões de acessos. A Oi hoje é a quarta - e mais frágil - participante do setor. Tem 16,3% do total, com 36,7 milhões de linhas.

Ainda que o destino não esteja selado, o anúncio da Oi mexeu com o setor de telecomunicações na bolsa ontem. Os papéis da Oi (OIBR3) fecharam em alta de 19,40%, a R$ 1,60.

Já ações da TIM (TIMP3) caíram 8,43%, a R$ 14,77, e as da Vivo (VIVT3), 3,73%, a R$ 49,58. A Claro não tem papéis negociados na bolsa brasileira. Veja como foi o desempenho dos mercados.

Highline e Oi

A Highline já havia feito uma oferta vinculante por outra UPI (unidade produtiva independente, que permite a venda separada de negócios por empresas em recuperação judicial), a Torres, que engloba sites de transmissão de radiofrequência da companhia. O valor oferecido foi de R$ 1,076 bilhão.

Especializada de infraestrutura de telecomunicações, a Highline do Brasil não opera telefonia móvel ao consumidor final, ao menos até agora. A companhia, fundada pelo Pátria Investimentos em 2012 e hoje controlada pela americana Digital Colony, oferece projetos para a construção de torres e estruturas de transmissão de dados no topo de edifícios, entre outros serviços de apoio à ampliação do alcance da cobertura.

A empresa constrói as estruturas para as companhias de telecomunicações. A oferta pela Oi Móvel surpreende por posicionar a Highline em um serviço direto ao consumidor final, colocando-a também como rival de parte de suas clientes.

O Digital Colony, controlador da Highline, é parte do fundo de investimentos digitais da Colony Capital. O fundo comprou a empresa do Pátria Investimentos em dezembro de 2019, por um valor não revelado à época.

Com isso, adicionou o Brasil a um portfólio de investimentos que congrega outras 14 empresas na América Latina, na América do Norte e na Europa.

No Brasil, o fundo comprou, em abril, a UOL Diveo, antiga operação de data center do Grupo Folha, por um valor entre US$ 300 milhões e US$ 400 milhões, segundo a agência de notícias Bloomberg.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FALTA DE PATRIOTISMO?

O Brasil é mesmo o pior país emergente para se investir?

A Bolsa russa cai 15% no ano, a mexicana 29% e a brasileira cai impressionantes 39%, todos em dólares.

Em 2009

Carlos Bolsonaro comprou imóvel por preço 70% abaixo do fixado pela prefeitura

A prática não é ilegal, mas costuma despertar suspeitas – por possibilitar, em tese, pagamentos “por fora”, sem registros oficiais.

Em expansão

E-commerce, mercado financeiro e delivery puxam contratações de executivos

Segundo dados do LinkedIn, houve 1.269 movimentações para cargos executivos entre março e agosto, 80% delas foram para esses setores.

Judiciário

Celso de Mello antecipa saída e acelera sucessão no STF

Com saída, abre-se a primeira vaga para indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Mais lidas

MAIS LIDAS: De bolso cheio para brigar contra todos

Na semana em que o Seu Dinheiro completou dois anos no ar, refleti sobre quanta água rolou em tão pouco tempo. Foram muitos acontecimentos relevantes para os mercados, como eleição presidencial, guerra comercial de China e Estados Unidos, aprovação da Reforma da Previdência e a chegada do coronavírus. A Julia Wiltgen levantou o ranking de […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements