Menu
2020-01-08T18:29:40-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Martelo batido

Consórcio de Infraestrutura Brasil, do Pátria, vence leilão rodoviário em lote PiPa

Leilão realizado nesta quarta-feira marcou a maior concessão rodoviária já feita no País

8 de janeiro de 2020
13:37 - atualizado às 18:29
Caminhões em rodovia
Imagem: shutterstock

A proposta do Consórcio de Infraestrutura Brasil, liderado pelo Pátria e o fundo soberano de Cingapura (GIC), levou o leilão da maior concessão rodoviária já feita no País, o lote Piracicaba-Panorama (chamado PiPa). A proposta vencedora foi de R$ 1,1 bilhão.

A oferta pela concessão foi quase 110% superior à do segundo colocado, a Ecorodovias, que propôs R$ 527,05 milhões. O valor da outorga fixa era de R$ 15 milhões.

Nomes de peso ficaram de fora do certame. A CCR e a própria Arteris, que atualmente opera parte do trecho a ser leiloado, não entregaram envelopes com propostas.

Primeiro da administração de João Doria, o leilão é visto como termômetro importante para medir o apetite dos investidores nacionais e estrangeiros pelas estradas paulistas.

No total, a concessão tem previsão de investimentos da ordem de R$ 14 bilhões em 30 anos para o trecho entre a cidade de Piracicaba, na região de Campinas, e o município de Panorama, no extremo Oeste do Estado, divisa com o Mato Grosso do Sul.

Lançada em meados de 2019, a concorrência engloba 218 quilômetros atualmente operados pela concessionária Centrovias, do Grupo Arteris, cujo contrato vence no primeiro trimestre deste ano, além de 1.055 quilômetros operados pelo DER-SP.

O projeto é a maior concessão rodoviária do País. Segundo dados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a quilometragem média das concessões no Brasil é de 482,6 km, contra 1.273 km do lote PiPa.

O certame deveria ter acontecido no dia 28 de novembro, mas foi postergado depois de representação contra o edital. O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) julgou a queixa como improcedente, mas pediu um prazo de 25 dias para que fosse feita a concorrência. Isso porque o tribunal determinou a republicação de um esclarecimento sobre o edital.

Assinatura de contrato

A diretora-geral interina da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), Renata Dantas, afirmou que o contrato de concessão do leilão do lote PiPa, concluído nesta quarta-feira, 8, na B3, deve ser assinado no primeiro semestre deste ano. "Temos agora a análise de documentação", disse.

Segundo Dantas, o vencedor tem agora um prazo para mobilização de 30 a 60 dias após assinatura do contrato. "A entrada em vigor das praças de pedágio vem somente após a implementação de um grande programa inicial de adequação das rodovias. Se ela for muito eficiente, ela consegue fazer isso antes de um ano", disse.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Aegea vence leilão de concessão de esgotamento sanitário de Cariacica e Viana, no Espírito Santo

Empresa terá de universalizar acesso à rede de esgoto até o décimo ano de contrato

Leilão do 5G

Embaixada da China do Brasil sai em defesa da Huawei em meio à pressão americana

Mais cedo, a delegação de autoridades americanas que visitam Brasília afirmou que os Estados Unidos estão dispostos a financiar investimentos no setor de telecomunicações brasileiro para evitar a participação da empresa chinesa no leilão

Sustentabilidade em alta

BTG: Demanda virá quando investidor ver vantagem de investir em cias com ESG

A demanda por ativos financeiros associados a práticas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês) no mercado brasileiro ainda vem de investidores estrangeiros, mas esse cenário deverá mudar, na avaliação do head de América Latina do BTG Pactual Asset Management, Will Landers. “A demanda está vindo mais de fora do Brasil, mas […]

Bons ventos

BTG eleva preço-alvo da Direcional Engenharia e reitera recomendação de compra

Analistas do banco veem potencial de valorização de 35% nos papéis da construtora, e ações avançam mais de 2% nesta terça

A crise veio forte

S&P: De 94 notas rebaixadas na América Latina, 24 foram no Brasil

Em termos de riscos negativos, o analista da agência de risco destacou que estão concentrados no México e na Argentina, enquanto no Brasil estão abaixo da média.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies