Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-07T08:23:43-03:00
Estadão Conteúdo
Em busca de um novo dono

Compra de ativos do Makro pelo Carrefour avança

Para atrair interessados, a rede fez um esforço de reforma de algumas lojas, além de abrir suas unidades, antes voltadas apenas a sócios, para o público em geral. Além disso, também fechou unidades deficitárias nos últimos tempos

7 de fevereiro de 2020
8:23
Makro
Imagem: Shutterstock

A gigante francesa Carrefour está na fase final das negociações para a aquisição de ativos da rival Makro no País, apurou o jornal O Estado de São Paulo com duas fontes próximas às negociações. As conversas, que já duram cerca de seis meses, voltaram a esquentar nas últimas semanas. Há a expectativa de que o fechamento possa ocorrer já na semana que vem. O Carrefour deverá selecionar lojas, e não comprar toda a operação, diz uma fonte.

Ao colocar ativos do Makro para dentro de casa, o Carrefour vai reforçar a operação de seu atacarejo, o Atacadão - fruto de uma aquisição feita em 2007. Essa bandeira vem respondendo pela maior parte dos resultados do grupo francês no Brasil. O Makro, que pertence ao grupo holandês SHV, tem hoje 74 lojas no País, onde fatura R$ 7 bilhões por ano.

A operação brasileira ainda está nas mãos do grupo holandês, que foi fundado em 1964 e começou a operar por aqui no início dos anos 1970. O negócio brasileiro ficou nas mãos do SHV, apesar de a companhia ter vendido as lojas na Europa - onde estava concentrada a maior parte de sua operação - para o grupo alemão Metro há mais de 20 anos. A intenção dos holandeses de se desfazer da operação nacional seria, portanto, bastante antiga.

Para levar esse objetivo a cabo, desde 2018 o Makro vem "enfeitando" sua operação para garantir um valor mais atraente. A decisão foi tomada tanto pelo fato de a SHV já ter saído do negócio há tempos lá fora quanto pelo fato de a rede não ter fôlego suficiente para disputar o varejo de igual para igual com as gigantes de mercado.

Para atrair interessados, a rede fez um esforço de reforma de algumas lojas, além de abrir suas unidades, antes voltadas apenas a sócios, para o público em geral. Além disso, também fechou unidades deficitárias nos últimos tempos.

Depois de muito tempo fora da mídia, o Makro fez uma grande campanha no programa Caldeirão do Huck, da Rede Globo. A companhia, que não aceitava cartões de crédito, fez parcerias com todas as bandeiras e passou a "convidar" o público pessoa física a comparecer a suas lojas. Ou seja: ficou cada vez mais parecida com rivais como o Atacadão e o Assaí, do Grupo Pão de Açúcar.

Segundo Pedro Fagundes, analista de varejo da XP Investimentos, o Makro é deficitário. Sob essa ótica, os múltiplos de uma transação não são atrativos. A estratégia adotada pelo Carrefour é que pode fazer a diferença. "Se o Carrefour converter as lojas em Atacadão, por exemplo, pode ser algo positivo", disse.

Líder

Nos resultados divulgados mais recentemente pelo Carrefour, as vendas líquidas do Brasil cresceram 8,1% no terceiro trimestre de 2019, na comparação com o mesmo período do ano anterior, alcançando R$ 13,8 bilhões. O lucro cresceu 21% entre outubro e dezembro, para R$ 430 milhões, mas o resultado ficou abaixo das expectativas de analistas.

Segundo a mais recente edição do ranking da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), publicada em março do ano passado, o Carrefour é líder de mercado no País, tendo faturado R$ 56,3 bilhões em 2018, seguido de perto pelo Grupo Pão de Açúcar, com R$ 53,6 bilhões. Em seguida vem o Grupo Big, que assumiu a operação do Walmart no País.

Procurados, o Makro não respondeu, enquanto o Carrefour não comentou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Bitcoin (BTC) na semana

O que mexe com o bitcoin (BTC) hoje: dia é de perdas, mas semana é de alta para criptomoedas; confira

E mais: a revista Time conta com três nomes do mercado de criptomoedas na lista de pessoas mais influentes de 2021

Logística portuária

Alaska aceita proposta para vender a Log-In (LOGN3) para MSC; ação sobe mais 7% hoje

A gestora é a principal acionista da companhia, com uma participação de 45% do capital da Log-In; cota do fundo subiu ontem apesar da queda do Ibovespa

Céu aberto

Alívio nos ares: Gol (GOLL4) refinancia R$ 1,2 bi em dívidas de curto prazo

Com isso, o endividamento de curto prazo da companhia aérea ficará ao redor de R$ 500 milhões — o que representa o menor nível desde 2014

Exile on Wall Street

Entre renda e multiplicação de capital, você pode ficar com os dois — Veja como

Você se lembra da sua primeira conta poupança? A minha e a do meu irmão foram abertas por volta dos meus 11 anos, quando nossos pais nos levaram ao banco para depositar o dinheirinho acumulado de nossas três fontes de renda — as moedas de casa, o troco dos lanches da escola e as generosas […]

Não é 'block' mas é 'chain'

Aceita bitcoin: Tráfico de drogas no Rio de Janeiro aceitava criptomoedas por WhatsApp; envolvidos são presos

O grupo coordenava o envio, estoque, compra e venda por meio de um grupo “oficial” no aplicativo de mensagens

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies