Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-21T10:05:03-03:00
Estadão Conteúdo
Novidade na área

Caixa confirma parceria com Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

20 de fevereiro de 2020
21:05 - atualizado às 10:05
Fachada da Caixa Economica Federal
Imagem: Shutterstock

A Caixa Econômica Federal confirmou notícia antecipada pela Coluna do Broadcast de que firmou parceria com a Visa. Trata-se do primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos e que também será listado em bolsa. O valor do negócio não foi divulgado.

A Caixa antecipou a divulgação da parceria após a notícia dada pela Coluna do Broadcast. Conforme o banco, o contrato entre Caixa e Visa está em fase de aprovação e será assinado em breve.

"A parceria prevê participação preferencial da Visa na emissão de cartões de crédito e débito e outros meios de pagamento eletrônicos que são comercializados nas agências, lotéricas e correspondentes da Caixa em todo Brasil", explica o banco em fato relevante divulgado há pouco.

A Visa será a segunda bandeira de cartões do banco público. Com a parceria, terá acesso a cerca de 30% da sua base. Isso porque os outros 70% têm de ser emitidos com a marca Elo, da qual é sócio com o Bradesco e o Banco do Brasil. Ao fim de dezembro, a Caixa somava uma base de 109,3 milhões de cartões, que representaram volume financeiro de quase R$ 211 bilhões no ano passado.

Nos bastidores, o que se comenta é que a Visa pagou caro pela parceria, conforme apurou a Coluna junto a fontes de mercado. O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse ontem que o negócio "renderá um valor importante" para o banco. A expectativa é de que a cifra chegue na casa do bilhão.

Para a Visa, o investimento faz sentido. A gigante perdeu o posto de líder do mercado brasileiro para a rival Mastercard nos últimos anos. O enlace com a Caixa é um fio de esperança na tentativa de retomar a liderança no Brasil, o segundo maior mercado para a bandeira no mundo, atrás somente dos Estados Unidos.

A Caixa criou a subsidiária de cartões no mês passado. Para capitanear o negócio, Guimarães promoveu o até então vice-presidente de varejo do banco, Júlio Cesar Volpp Sierra. A ideia é que a Caixa Cartões contemple, além da atividade de emissão e gestão de meios de pagamentos, um parceiro de maquininhas e ainda um do ramo de fidelidade.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Quem quer dinheiro?

Gerdau (GGBR4) anuncia R$ 2,7 bilhões em dividendos e JCP e ainda dá tempo de garantir o dinheiro na conta

O pagamento dos proventos, que também inclui os acionistas da Metalúrgica Gerdau, tomará como base a posição acionária em 5 de novembro

Forte como sempre

Na Weg (WEGE3), a história se repete: o terceiro trimestre superou (mais uma vez) as expectativas

A Weg (WEGE3) mostrou um crescimento de quase 30% na receita líquida; o bom desempenho do mercado doméstico deu força aos resultados

Um pé lá, outro cá

Agora é oficial: Nubank pede registro para IPO duplo nos Estados Unidos e Brasil com oferta de BDRs na B3

O banco digital optou por listar seus papéis em uma bolsa norte-americana, mas, simultaneamente, também fará uma oferta de recibos de ações por aqui

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: sim, tudo continua ficando mais caro

No Brasil, o IBGE divulga o resultado do desemprego no último trimestre, encerrado em agosto, e o Tesouro Nacional divulga o resultado das contas do governo central de setembro, bem como o Relatório Mensal da Dívida de setembro. O grande destaque do dia, porém, em paralelo à temporada de resultados, é a decisão sobre a Selic, a partir das 18h30

MERCADOS HOJE

Ibovespa zera alta e passa a cair com perspectiva de decisão “mais dura” do Copom contra inflação e dólar opera próximo à estabilidade

Além da inflação acima do esperado, o mercado de trabalho brasileiro mostrou uma recuperação mais lenta do que a projetada, o que também pesa sobre o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies