Menu
2020-08-28T12:53:26-03:00
Estadão Conteúdo
bancões no topo

Bradesco tem o maior lucro da América Latina no 1º semestre e supera o Itaú

Embora tenha perdido a liderança no ranking de lucro líquido, o Itaú Unibanco teve uma lucratividade maior que a do Bradesco

28 de agosto de 2020
12:53
Agência do Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / Ricardo Lisboa

No primeiro semestre de 2020, marcado pela pandemia, o Bradesco superou o Itaú Unibanco, seu maior rival, e ficou no topo da lista das companhias abertas com os maiores lucros na América Latina. Segundo levantamento realizado pela Economatica, uma empresa de dados financeiros, o Bradesco fechou o semestre com lucro líquido de US$ 1,257 bilhão (R$ 6,888 bilhões), enquanto o Itaú Unibanco, o segundo colocado, teve ganho de US$ 1,246 bilhão (R$ 6,825 bilhões).

A pesquisa incluiu 582 empresas de diferentes setores que divulgaram os balanços do segundo trimestre, para compor o resultado semestral, até o dia 21. O levantamento levou em conta o lucro contábil atribuído aos acionistas, usado como base para distribuição de dividendos, e deixou de fora a parcela do resultado que vai só para os minoritários das subsidiárias.

O lucro contábil é o que consta nas demonstrações financeiras encaminhadas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o "xerife" do mercado de capitais do País, e difere do chamado lucro recorrente, preferido por muitos analistas e empresas por expurgar fatores ocasionais que influenciam os resultados.

Segundo André Cano, vice-presidente do Bradesco para as áreas de finanças e riscos, quatro fatores principais explicam o resultado do banco, que, mesmo no topo do pódio, registrou uma queda de cerca de 40% no lucro líquido nos primeiros seis meses do ano em relação a igual período de 2019.

Ele destaca a redução nominal (sem incluir a inflação) de 3% nas despesas, o aumento de 9,2% na margem das operações de tesouraria e com clientes e o crescimento de 14,9% na carteira de crédito em relação ao primeiro semestre de 2019.

Destaca também o aumento do número de correntistas em 2,1 milhões, para 31,3 milhões, graças à conquista da folha de pagamento de grandes empresas, ao crescimento do Bradesco Expresso, que atua com correspondentes bancários, e à abertura de novas contas pelo Next, o banco 100% digital do Bradesco.

"É natural que o lucro absoluto do setor financeiro seja maior que o de outros setores. O negócio bancário é muito intensivo em capital", diz. "A rentabilidade dos bancos sofreu forte redução no primeiro semestre, com a queda do retorno ao acionista quase pela metade em comparação com o mesmo período de 2019. Em relação ao patrimônio líquido, a lucratividade foi semelhante à de outros setores e alguns tiveram resultados até superiores aos do setor financeiro."

Embora tenha perdido a liderança no ranking de lucro líquido, o Itaú Unibanco teve uma lucratividade maior que a do Bradesco. Segundo a pesquisa, o lucro líquido do Itaú representou 5,4% do patrimônio líquido ante 5,1% do Bradesco. Isso foi possível, mesmo com um lucro menor, porque o patrimônio do Itaú tem sido inferior ao do rival desde o primeiro trimestre de 2019.

Neste quesito, porém, a BB Seguridade, do Banco do Brasil, teve o melhor desempenho entre as 20 empresas latino-americanas com os maiores lucros, das quais 12 são brasileiras, com rentabilidade de 34,4%. Entre os bancos, o mais rentável foi o Santander Brasil, com lucratividade de 7,79%.

Doação

Segundo Renato Lulia, responsável pela área de relações com investidores do Itaú Unibanco, o lucro líquido caiu no primeiro semestre principalmente em razão do lançamento de quase 100% da doação de R$ 1 bilhão ao programa Todos pela Saúde no segundo trimestre. "O que os investidores olham é o resultado recorrente", afirma. "No resultado recorrente, nós tivemos um desempenho superior ao lucro contábil, que foi o maior dos bancos brasileiros no trimestre."

Lulia diz que o fato de o Itaú Unibanco ter um patrimônio menor que o do Bradesco se deve a uma decisão gerencial de "fazer mais com menos" e reservar uma parte maior do capital para distribuição de dividendos, sem comprometer os índices de capitalização.

"A nossa capitalização ainda é supertranquila. Estamos mais de quatro pontos além do mínimo regulatório", afirma. "O que houve foi fruto de uma decisão estratégica de devolver ao acionista o capital excedente e não carregar mais capital do que a gente precisa."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil registra 863 óbitos e 32.058 novos casos em 24h

Segundo Ministério da Saúde, 86,6% dos paciente estão recuperados

privatização na berlinda

Justiça de Alagoas suspende leilão para concessão de saneamento na B3

No último dia 24, a 1ª Vara da Comarca de Marechal Deodoro negou liminar ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Marechal Deodoro (SAAE), que pedia a suspensão do processo licitatório

fatia relevante

Gestora Atmos passa a deter 6,68% das ações preferenciais do Inter

Fundo passou a deter cerca de 25,3 milhões de papéis PN do Inter

seu dinheiro na sua noite

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements