Menu
2020-09-15T15:12:10-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Dono do Banco Alfa

Banqueiro Aloysio de Andrade Faria morre aos 99 anos

Criador do Banco Real, Aloysio de Andrade Faria continuava à frente de um império que inclui o banco Alfa e mais uma dezena de empresas

15 de setembro de 2020
14:49 - atualizado às 15:12
Aloysio de Andrade Faria
Aloysio de Andrade Faria - Imagem: Reprodução TV Globo

Morreu nesta terça-feira, aos 99 anos, o banqueiro Aloysio de Andrade Faria. Com uma fortuna estimada em US$ 1,7 bilhão (cerca de R$ 9 bilhões), Faria era dono de um conglomerado que incluía o Banco Alfa e uma série de empresas, como a rede de hotéis Transamérica, emissoras de rádio, a fabricante de água mineral Águas da Prata, a gigante de material de construção C&C e a produtora de óleo de palma Agropalma.

O mineiro de Belo Horizonte completaria 100 anos em novembro e era o banqueiro mais velho da lista de bilionários da revista Forbes, além do terceiro mais idoso entre todos os ricões.

Faria estudou medicina e herdou aos 28 anos o banco que viria a ser o Real, vendido para o holandês ABN Amro em 1998, por US$ 2,1 bilhões. Em seguida criou o Banco Alfa, onde ainda dava expediente pelo menos uma vez por semana até a pandemia da covid-19.

Nos últimos anos, o banqueiro passava a maior parte do tempo nos últimos anos em sua fazenda em Jaguariúna. Nascido em Belo Horizonte, Faria veio de família rica. Seu avô era latifundiário no norte de Minas Gerais e criou-se na política, assim como seu pai, que decidiu fundar em 1924 o Banco da Lavoura de Minas Gerais.

Você confere um perfil completo do banqueiro e empresário nesta reportagem.

Em nota, Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco, afirmou que Aloysio Faria “era uma referência e nos impressionou a todos que tivemos a oportunidade de conhecê-lo e acompanhar sua trajetória. Em nome de todos os colegas do Itaú Unibanco, presto nossa solidariedade aos familiares do Aloysio.”

“Aloysio de Andrade Faria foi um exemplo de banqueiro e empresário comprometido com o desenvolvimento nacional”, disse Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil. “Entre seus inúmeros legados, foi o fundador do Banco Real, cuja posterior incorporação pelo Santander foi decisiva para moldar os contornos de nossa presença e atuação no País.”

*com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies