⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula, Bolsonaro, Ciro e Tebet querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2020-02-24T09:45:21-03:00
Estadão Conteúdo
Olho no futuro

Após crise, bancos médios mudam estratégia para crescer

Caminhos escolhidos pelas instituições foram a diversificação dos negócios e serviços, a digitalização e o foco nas empresas menores

24 de fevereiro de 2020
9:45
Touros e Ursos CAPA Dinheiro
Imagem: Shutterstock

Os bancos médios ou de nicho mostraram nos resultados de 2019 que estão posicionados para crescer e enfrentar a concorrência, após passarem pelo menos três anos se recuperando da turbulência causada pela crise financeira de 2015 e da Lava Jato.

Um grupo de oito instituições, três delas perto de ter ações listadas em Bolsa, encerrou o ano com lucro consolidado de R$ 5,32 bilhões, 33% acima do ano anterior. Se comparado a 2017, o aumento foi de 82%.

Os caminhos escolhidos para sobreviver aos efeitos da crise no mercado foram a diversificação dos negócios e serviços, a digitalização e o foco nas empresas menores. O grande evento para essas instituições está, no entanto, no forte crescimento das plataformas de investimento.

Por meio das plataformas de terceiros ou próprias, esses bancos têm captado recursos a custos mais competitivos, deixando de depender do apetite dos grandes bancos e outros investidores institucionais, majoritariamente os únicos compradores de certificados de depósito bancário (CDBs) e de letras financeiras (LFs) emitidas por eles até então.

Para boa parte dos bancos médios ou de nicho, agora é possível captar com custo inferior ao CDI, algo novo na história desse grupo. Por exemplo, o custo de captação do Banco Inter já se equipara ao do Banco do Brasil.

"Isso diminui a barreira de entrada para acesso a mais clientes", afirma o analista da XP Investimentos Marcel Campos. Ele lembra que, somado a um gasto menor com agências e funcionários e capilaridade maior, por causa da digitalização, essas instituições no mínimo podem hoje competir com maior facilidade.

Campos diz ainda que a abertura do sistema bancário deve ser favorecida pela agenda do Banco Central relacionada ao open banking, pagamentos instantâneos e desconto de recebíveis.

Segundo o vice-presidente e analista sênior da agência de classificação de risco Moody's, Alexandre Albuquerque, a rentabilidade dos bancos, de modo geral, é um dos principais focos de atenção da agência nesse momento, uma vez que a queda da Selic deverá testar a capacidade de oferecerem produtos e serviços competitivos para compensar a remuneração menor do patrimônio.

"A preocupação é colocar os recursos em empréstimos que tenham retorno adequado e rentabilizar essa alocação", diz o analista.

Caminhos

Depois da crise de 2015, em que parte das instituições acabou varrida pela exposição excessiva a um único segmento ou empresa, a maioria focou sua carteira de empréstimos em empresas menores e no crédito consignado. Entre eles, está o banco ABC Brasil, que há um ano e meio reclassificou sua carteira, mirando clientes menores.

Paralelamente, entrou no segmento de pessoas físicas e aposta na diversificação de receitas, por meio de seu banco de investimentos. Banrisul e Pan também têm valorizado clientes menores. Enquanto o gaúcho está na disputa pelos microempreendedores, o Pan busca ser identificado como o banco digital das classes C, D e E. O consignado é o alvo do mineiro BMG e do Paraná Banco. O Daycoval se destaca no crédito para veículos usados.

No campo digital e de inovação, Inter e BV buscam voo mais longo. O Inter lançou no ano passado seu superapp, um marketplace com agressivo apelo de cash back para fidelizar clientes de grandes varejistas para consumirem todos os serviços da instituição mineira. Já o BV mira a estrutura do open banking e se prepara para isso há alguns anos, gestando fintechs e startups. O foco é se vender como uma plataforma de inovação para as novatas do mercado financeiro. Isso sem abandonar sua maior vocação, o crédito para o segmento de veículos.

Embora mirem mercados distintos, há consenso em uma estratégia: a volta para a Bolsa como forma de captação de recursos para expansão. Nesse sentido, Paraná e Daycoval, que saíram do mercado em 2016 e 2015, respectivamente, já anunciaram a reestreia no mercado acionário.

O BV também está na fila para emplacar uma oferta pública inicial de ações no Brasil - os sócios Banco do Brasil e a família Ermírio de Moraes preparam operação de R$ 5 bilhões.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

EFEITO MEIRELLES 2.0

Bolsa amplia alta e Magazine Luiza (MGLU3) dispara com novo rumor sobre Henrique Meirelles no governo em caso de vitória do petista

30 de setembro de 2022 - 16:01

Descolando de seus pares internacionais, a bolsa brasileira opera em forte alta, mas o grande destaque fica com a curva de juros e a disparada de ações do setor de consumo

É HORA DE COMPRAR?

Morgan Stanley altera recomendação da Weg (WEGE3) de venda para compra e papel sobe mais de 5%

30 de setembro de 2022 - 15:51

Na avaliação dos analistas, a Weg (WEGE3) tende a se beneficiar das tendências de automação, eletrificação e descarbonização do mercado e pode subir 29,3%

BITCOIN NA SEMANA

Bitcoin (BTC) passa por turbulências de bancos centrais e sobrevive a mais uma semana aos US$ 20 mil; veja o que esperar das criptomoedas agora

30 de setembro de 2022 - 13:09

Entre os destaques da semana estão a saída do CEO da Celsius, mudanças na CVM sobre decisão do faraó dos bitcoins e mais

JUST (DON’T) DO IT

Ações da Nike despencam mais de 10% após projeções menos animadoras; o que isso significa para a Centauro (SBFG3)?

30 de setembro de 2022 - 13:06

A gigante dos tênis se viu diante de níveis de estoque excessivos — e o remédio encontrado pela empresa para tentar solucionar o problema atingiu em cheio o lucro do trimestre

RESSACA

Mercado adia para segunda-feira uma reação às eleições após debate sem propostas e com muito bate-boca

30 de setembro de 2022 - 12:57

Apesar da alta vista no Ibovespa nesta sexta-feira, analistas e gestores apontam que o mercado só deve reagir ao pleito quando tiver um cenário mais concreto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies