Menu
2020-06-23T19:36:30-03:00
a ajuda chegou

Aneel aprova operação de socorro a setor elétrico; teto será de R$ 16,1 bilhões

O tema ficou em debate por semanas e gerou divisão entre os diretores da agência e pressão do Ministério de Minas e Energia pela rápida regulamentação do assunto

23 de junho de 2020
19:36
torres de energia elétrica
Imagem: Shutterstock

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou o socorro bilionário ao setor elétrico. O teto da operação será de R$ 16,1 bilhões. O tema ficou em debate por semanas e gerou divisão entre os diretores da agência e pressão do Ministério de Minas e Energia pela rápida regulamentação do assunto.

Com a operação, os aumentos na conta de luz que ocorreriam neste ano, de cerca de 12%, serão diluídos nos próximos cinco anos. Os custos da operação serão divididos entre consumidores e empresas.

A maior controvérsia na discussão estava no registro de ativo regulatório referente ao empréstimo nos balanços das empresas - considerando a queda da demanda de energia e o aumento da inadimplência devido à pandemia do novo coronavírus. A relatora do caso, Elisa Bastos Silva, havia proposto inicialmente um artigo na resolução que permitia esse registro, mas o diretor Efrain Pereira da Cruz pediu vista do processo e trouxe o voto nesta terça-feira, 23.

Após consultar as áreas técnicas da Aneel, ele chegou à conclusão de que essa possibilidade gerava riscos para a agência, já que as concessionárias poderiam considerar esse registro como piso nos futuros pedidos de revisão tarifária extraordinária - processos que ensejam aumentos nas contas de luz dos consumidores. A proposta de Efrain foi adiantada pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) na segunda-feira.

Nas discussões, Elisa fez um complemento de voto, acatando parcialmente a proposta de Efrain. Por isso, "em nome do colegiado e para dar robustez à decisão da Aneel", após horas de discussão, Efrain abriu mão de sua proposta. O voto da relatora foi ajustado e aprovado por cinco votos a zero. A mudança de entendimento dos diretores a respeito do registro do ativo regulatório em balanço também foi antecipada na segunda-feira pelo Broadcast.

Com a decisão, uma nova consulta pública para discutir essas revisões será discutida em um segundo momento, em até 90 dias. A ideia é que a Aneel possa avaliar rapidamente essas solicitações. Outra consulta pública será aberta para debater os custos acessórios da operação, em até 120 dias. O diretor Sandoval de Araújo Feitosa concordou com a proposta. "A contabilização deve ser o final, e não o início do processo de reequilíbrio", afirmou.

Revisões

Também na reunião desta terça-feira, o diretor Efrain Pereira da Cruz voltou a defender a possibilidade de diluir, na conta-covid, os efeitos das revisões tarifárias de seis ex-distribuidoras da Eletrobras, além dos processos da Energisa Tocantins e DMED (Poços de Caldas-MG).

O diretor considerou que a Medida Provisória 950 e o decreto que a regulamentou permitiam essa possibilidade, já que tratam de mitigação de aumentos tarifários. "Para o consumidor, não faz diferença se os impactos tarifários a serem mitigados são da Parcela A ou B, ou se são estruturais ou conjunturais", disse ele.

Para Cruz, manter os efeitos das revisões para os consumidores dessas localidades, sem amortecê-los, seria "desumano". Segundo ele, as revisões tarifárias dessas oito concessionárias levarão a reajustes entre 9% e 22%. Com a inclusão de parte desses itens, seria possível mitigar parcialmente esses aumentos, previstos para este ano, em no mínimo 3% e no máximo 16%.

Mesmo com o apelo de Cruz e o apoio de Sandoval de Araújo Feitosa, a proposta foi derrotada. A relatora Elisa Bastos Silva não acatou a sugestão e considerou que a Aneel estaria invadindo competências com essa ideia, pois seria uma política pública a ser proposta pelo governo ou pelo Congresso. Para encerrar a discussão e sinalizar a robustez da operação, Efrain e Sandoval acabaram abrindo mão desse pedido e votaram a favor da proposta de Elisa.

Além de Elisa Bastos Silva, o diretor Júlio César Rezende Ferraz e o diretor-geral da agência, André Pepitone também eram contra a proposta. Segundo Pepitone, esse tema das revisões tarifárias das ex-distribuidoras da Eletrobrás já está em discussão no governo, de forma que uma solução pode ser proposta em breve.

Empréstimo

O teto do empréstimo, de R$ 16,1 bilhões, considera o cálculo individualizado por distribuidora e, portanto, poderá ser menor, conforme a adesão de cada empresa. O empréstimo será realizado com um pool de bancos públicos e privados, sob a liderança do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As condições - como prazo, juros e spread - devem ser definidas nos próximos dias.

O teto foi reduzido em R$ 100 milhões durante as discussões devido à retificação dos dados enviados pela Cemig, que reduziu sua parcela de R$ 1,8 bilhão para R$ 1,7 bilhão.

A proposta aprovada pela Aneel tem ainda um último ajuste. A resolução só permitiria a reversão dos componentes financeiros negativos após o repasse de recursos da conta-Covid. Como há processos a serem deliberados até o fim de julho, haverá uma condição transitória entre a publicação da resolução e os repasses para que já possa haver componente financeiro negativo para aquelas cujos processos tarifários ocorrerão nesse ínterim. É o caso da Copel, que terá reajuste tarifário aprovado ainda nesta terça-feira durante a tarde.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

inflação de alimentos

Após ouvir cobrança, Bolsonaro reforça que preço do arroz não será tabelado

Ministra da Agricultura avisou que atual patamar de preços só deve baixar mesmo a partir de 15 de janeiro, quando entrar a safra brasileira.

ranking da forbes

Varejo invade lista de mais ricos do Brasil; saiba mais sobre os bilionários

Luiza Trajano, Ilson Mateus e Luciano Hang chegam entre os 10 mais ricos do país, em um ano marcado por mudanças no setor varejista, alta das ações e IPOs

Seu Mentor de Investimentos

Como proteger seus investimentos diante do risco de sanções comerciais por causa das queimadas

País tornou-se um pária no mundo por conta do que acontece no Pantanal e na Amazônia, diz colunista Ivan Sant’Anna; ele aponta uma série de tipos de ativos que podem estar imunes a uma eventual protesto da comunidade internacional

caso de fevereiro

Guedes ‘excedeu barbaramente’ limites ao comparar servidor a parasita, diz juíza

Cláudia da Costa Tourinho Scarpa, da 4ª Vara Federal Cível da Bahia, afirmou que o ministro da Economia ‘insultou’ os servidores públicos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements