Menu
2020-04-24T12:54:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
hora do balanço

Setor externo tem superávit de US$ 868 milhões em março

Dados refletem os efeitos da pandemia do novo coronavírus, que em março se intensificou no Brasil, reduzindo o volume de importações de produtos

24 de abril de 2020
12:54
exportação logística
Imagem: Shutterstock

Após o déficit de US$ 3,904 bilhões em fevereiro, o resultado das transações correntes ficou positivo em março deste ano, em US$ 868 milhões, informou nesta sexta-feira, 24, o Banco Central.

Os dados refletem os efeitos da pandemia do novo coronavírus, que em março se intensificou no Brasil, reduzindo o volume de importações de produtos. A instituição projetava para o mês passado déficit de US$ 1 bilhão na conta corrente.

O número do mês passado ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de déficit de US$ 2,550 bilhões a superávit de US$ 1,321 bilhão (mediana negativa de US$ 300 milhões).

A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 4,189 bilhões em março, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 1,779 bilhão. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 1,673 bilhão. No caso da conta financeira, o resultado ficou positivo em US$ 945 milhões.

No acumulado do primeiro trimestre, o rombo nas contas externas soma US$ 15,242 bilhões. A estimativa atual do BC é de déficit em conta corrente de US$ 41,0 bilhões em 2020.

Nos 12 meses até março deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 49,651 bilhões, o que representa 2,80% do Produto Interno Bruto (PIB).

Lucros e dividendos

A remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de US$ 809 milhões em março, informou o Banco Central. A saída líquida representa um volume inferior aos US$ 2,977 bilhões que foram enviados em igual mês do ano passado, já descontados os ingressos.

No acumulado do primeiro trimestre, a saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 6,138 bilhões. A expectativa do BC é de que a remessa de lucros e dividendos de 2020 some US$ 25,0 bilhões.

O BC informou também que as despesas com juros externos somaram US$ 837 milhões em março, ante US$ 1,335 bilhão em igual mês do ano passado.

No acumulado do primeiro trimestre, essas despesas alcançaram US$ 6,208 bilhões. Para este ano, o BC projeta pagamento de juros no valor de US$ 21,0 bilhões.

Viagens internacionais

Sob os efeitos da pandemia, a conta de viagens internacionais registrou déficit de apenas US$ 227 milhões em março, informou o Banco Central. O valor reflete a diferença entre o que os brasileiros gastaram lá fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil no período. Em março de 2019, o déficit nessa conta foi de US$ 760 milhões.

Na prática, com o dólar mais elevado e o espaço aéreo fechado em vários países, os gastos líquidos dos brasileiros no exterior despencaram 70,13% em março deste ano. Vale lembrar que a pandemia do novo coronavírus ganhou corpo justamente em março, quando se intensificaram as restrições de deslocamento entre países.

O desempenho da conta de viagens internacionais no mês passado foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 385 milhões - queda de 32,10% em relação a março de 2019. Já o gasto dos estrangeiros em viagem ao Brasil ficou em US$ 612 milhões no mês passado, o que representa um recuo de 53,92%.

No primeiro trimestre, o saldo líquido da conta de viagens ficou negativo em US$ 1,486 bilhão. Para 2020, o BC estima um déficit de US$ 7,0 bilhões nesta conta.

Dívida externa

A estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em março é de US$ 318,452 bilhões. Segundo a instituição, o ano de 2019 terminou com uma dívida de US$ 322,985 bilhões.

A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 234,612 bilhões em março, enquanto o estoque de curto prazo ficou em US$ 83,840 bilhões no fim do mês passado.

Investimento Direto

Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 7,621 bilhões em março, informou o BC. O resultado ficou acima das estimativas apuradas pelo Projeções Broadcast, que iam de US$ 4,700 bilhões a US$ 7,100 bilhões, com mediana de US$ 6,500 bilhões. Pelos cálculos do Banco Central, o IDP de fevereiro indicaria entrada de US$ 7,000 bilhões.

No acumulado do ano até março, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo somou US$ 19,235 bilhões. A estimativa do BC para este ano é de IDP de US$ 60,0 bilhões.

No acumulado dos 12 meses até março deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 79,507 bilhões, o que representa 4,49% do Produto Interno Bruto (PIB).

Investimento em ações

O investimento estrangeiro em ações brasileiras ficou negativo em US$ 7,444 bilhões em março, informou o Banco Central. Em igual mês do ano passado, o resultado havia sido negativo em US$ 1,879 bilhão.

No acumulado do primeiro trimestre, o saldo ficou negativo em US$ 13,774 bilhões.

O investimento em fundos de investimentos no Brasil ficou negativo em US$ 160 milhões em março. No mesmo mês do ano passado, ele havia sido positivo em US$ 556 milhões. No acumulado primeiro trimestre, houve aportes de US$ 81 milhões dos fundos de investimentos.

Já o saldo de investimento estrangeiro em títulos de renda fixa negociados no País ficou negativo em US$ 14,624 bilhões em março. No mesmo mês do ano passado, havia ficado positivo em US$ 1,115 bilhão. No ano, o saldo em renda fixa ficou negativo em US$ 7,925 bilhões.

Taxa de rolagem

O Banco Central informou que a taxa de rolagem de empréstimos de médio e longo prazos captados no exterior ficou em 299% em março. Esse patamar significa que houve captação de valor em quantidade mais do que suficiente para rolar compromissos das empresas no período.

O resultado ficou acima do verificado em março do ano passado, quando a taxa havia sido de 72%.

De acordo com os números apresentados nesta sexta pelo BC, a taxa de rolagem dos títulos de longo prazo ficou em 45% em março. Em igual mês de 2019, havia sido de 59%. Já os empréstimos diretos atingiram 361% no mês passado, ante 86% de março do ano anterior.

No primeiro trimestre, a taxa de rolagem total ficou em 201%. Os títulos de longo prazo tiveram taxa de 92% e os empréstimos diretos, de 267% no período. O BC estima taxa de rolagem de 100,0% para 2020.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mercados hoje

Ibovespa abre em forte queda em meio a risco fiscal e aumento da covid-19 no mundo

Pela manhã, já havia uma expectativa que a bolsa brasileira acompanhasse as quedas das bolsas europeias, índices futuros de Nova York e de commodities no exterior.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

MELHORANDO

Mesmo com avanço do faturamento, prejuízo do IRB cresce em novembro

Perda de R$ 124,5 milhões foi atribuída pelo ressegurador ao aumento das despesas financeiras após mudanças regulatórias

o melhor do seu dinheiro

A bolsa não é a Serra Pelada

Sebastião Salgado se consagrou no mundo da fotografia com uma série de retratos que fez sobre a Serra Pelada. Na década de 1980, milhares de pessoas invadiram a região de Curionópolis, no sudeste do Pará, em busca de enriquecimento rápido através do garimpo do ouro.  Leia também: LUPA DOS FUNDOS: Um pente-fino nas melhores gestoras […]

Piorou

FGV: confiança da indústria cai 3,5 pontos em janeiro ante dezembro, diz prévia

Houve redução da satisfação em relação ao momento presente, mas também piora das expectativas sobre os próximos meses, apontou a FGV.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies