Menu
2020-03-27T08:22:26-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
para mitigar a crise

Projeto quer ‘taxar’ empresas com patrimônio superior a R$ 1 bilhão

Segundo o projeto, os valores serão restituídos às empresas no prazo de até quatro anos depois do período de calamidade (no caso da covid-19 vai até 31 de dezembro)

27 de março de 2020
7:59 - atualizado às 8:22
análise relatório balanço
Imagem: Shutterstock

Deputados de dez partidos do chamado Centrão querem aprovar nos próximos dias a obrigação de empresas com patrimônio superior a R$ 1 bilhão emprestarem até 10% de seus lucros para o combate do novo coronavírus.

O deputado Arthur Lira (PP-AL) apresentou na quinta-feira (26) como líder do bloco que reúne os partidos PP, PL, PSD, MDB, DEM, Solidariedade, PTB, PROS, Avante e Patriota, um pedido para que a proposta seja analisada com urgência pela Câmara. O bloco é composto por 225 deputados, 44% da Casa.

O autor da medida, o deputado Wellington Roberto (PB), líder do PL, justifica na sua proposta que a medida não representaria ação constritiva ou confiscatória do patrimônio. "Tendo em vista que outra característica que é própria dos empréstimos compulsórios é a obrigatoriedade de determinação do prazo e condições de seu resgate", diz.

Devolução

Segundo o projeto, os valores serão restituídos às empresas no prazo de até quatro anos depois do período de calamidade (no caso da covid-19 vai até 31 de dezembro), parcelados em até doze vezes mensais e sucessivas e corrigidos pela Selic (a taxa básica de juros).

A previsão legal do projeto é baseada no artigo 148 da Constituição que, em momentos de calamidade pública se acionem os "empréstimos compulsórios".

O líder do Republicanos, deputado Jhonatan de Jesus (RR), é um dos que apoiam a medida. "Precisamos de recurso para custeio da saúde", disse. O presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), disse que o projeto tem o apoio de todas as centrais sindicais.

A medida ganhou força depois que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), começou a admitir a ideia de corte de salários nos três Poderes para conseguir mais recursos contra a crise. A justificativa dos parlamentares que apoiam o texto é, que todos terão de contribuir.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Fundos de investimento

Itaú compra participação em gestora de ex-executivos do banco

Banco anunciou a compra de uma participação de 15% na Asset1, criada em abril do ano passado e que possui R$ 2,6 bilhões em patrimônio

Musk em crise?

Ações da Tesla despencam após escassez global de chips e fechamento de fábrica

A equipe de linha de produção do Modelo 3 foi informada de que sua linha ficaria inativa do dia 22 de fevereiro a 7 de março.

PEGOU MAL

Balanço do quarto trimestre da Ultrapar não agrada e ações caem 8%

Embora o lucro tenha vindo acima da expectativa do mercado, a margem do Ebitda foi pressionada por um desempenho mais fraco de uma das principais subsidiárias da companhia, o Ipiranga.

Multimercados

Fundo Kinea Atlas reabre para captação; saiba onde investir

Criado em janeiro de 2017, o Atlas é um dos fundos multimercados de melhor desempenho da categoria, com um retorno de acumulado de 57,02%, contra 27,69% do CDI no mesmo período

estimativas

Governo espera R$ 25 bilhões com venda da Eletrobras

Valor é maior que inicialmente esperado porque MP inclui renovação antecipada da hidrelétrica de Tucuruí

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies