Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-11-09T08:27:31-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Novo normal?

Pandemia afeta rentabilidade de bancos

Retorno sobre o patrimônio anualizado no terceiro trimestre foi de 13,58%. Percepção do mercado é de que números ao redor de 20% ficaram para trás

9 de novembro de 2020
8:17 - atualizado às 8:27
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

Os grandes bancos brasileiros viram o retorno sobre o patrimônio - um dos indicadores usados para medir o desempenho de uma empresa - se deprimir ao longo dos meses de pandemia. Apesar desse efeito pontual, a percepção no mercado é que números ao redor de 20% ficaram para trás e que a nova realidade é de resultados mais apertados, em vista da tecnologia (que trouxe aumento de competição com as fintechs) e dos juros mais baixos.

A pandemia empurrou as carteiras de empréstimos dos bancos para operações de menor risco - e, por tabela, proporcionalmente menor ganho -, caso das linhas no consignado e o crédito imobiliário, ou para programas criados pelo governo para socorrer as empresas, como o Pronampe. Também aqui o spread (a diferença entre a taxa que o banco paga para captar dinheiro e a que ele empresta) foi menor.

A média do retorno sobre o patrimônio anualizado, o ROE, dos quatro grandes bancos brasileiros no terceiro trimestre do ano foi de 13,58%, segundo cálculo da Economática. Esse é o quarto menor ROE da série histórica, atrás daqueles vistos nos três primeiros trimestres de 2017. Já a maior mediana de ROE foi no primeiro trimestre de 2008, com 26,98%, ainda de acordo com a Economática.

O Itaú Unibanco, por exemplo, ainda vê pressão no retorno ao longo dos próximos trimestres. O presidente da instituição, Candido Bracher, disse que esse é um dos reflexos da postura adotada pelo banco em meio à pandemia. Uma das razões foi o peso maior de operações de atacado, com as empresas buscando crédito no início da pandemia para fazer caixa, e também a postura do banco para priorizar linhas de menor risco, como o consignado.

O executivo disse que o ganho vai melhorar com a retomada da economia, mas lembrou que essas linhas são de longo prazo e não vão maturar nos próximos anos. No entanto, acrescentou que, à medida que a carteira de crédito do banco crescer, as linhas com menor rentabilidade serão diluídas - diminuindo o efeito na margem.

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, considerou a queda do retorno algo pontual. O executivo apontou mudanças regulatórias que afetaram as taxas do cheque especial e também para as linhas emergenciais de crédito do governo voltadas às pequenas e micro empresas, que têm spread menor. Ele lembrou, contudo, que as linhas emergenciais, caso do Pronampe, tem elevado o grau de garantia, ou seja, risco mínimo de perdas.

Estratégia

O maior banco público do País, o Banco do Brasil, participou ativamente das duas fases do Pronampe. Um dos efeitos foi um retorno mais magro nos dois últimos trimestres, revertendo um esforço feito nos últimos anos para se aproximar dos concorrentes privados. Seu novo presidente, André Brandão, afirma que a retomada desse processo será uma das missões do banco. Brandão passou 20 anos no setor privado e a expectativa no mercado é de uma estratégia que considere também as mudanças que a era digital, das fintechs e do estímulo à concorrência pelo Banco Central, terão na atividade bancária.

Brandão já criou uma unidade, que ficará sob sua responsabilidade, para cuidar da "experiência do cliente". Somado ao cruzamento de serviços e produtos de várias áreas do banco e parcerias do BB, semelhantes à feita com o UBS na área de mercado de capitais, Brandão quer compensar justamente essa disputa em que as comissões, tarifas, receitas com clientes e margens estão sendo sacrificadas.

Pix e 'open banking' vão representar novo desafio

O sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC), o Pix, que vai obrigar as instituições financeiras a oferecerem de graça transferências e pagamentos a clientes, também já mexe com o planejamento do mercado, numa briga envolvendo diretamente as instituições tradicionais e as fintechs.



Desde o último dia 3, o sistema está aberto a um grupo restrito de clientes selecionados pelos bancos. De acordo com o BC, a medida faz parte de uma fase de testes que será realizada até o próximo dia 15. No dia seguinte, o sistema entrará em operação para todos os usuários.

Além desse novo sistema, o BC prepara ainda a adoção do chamado "open banking", que consiste no compartilhamento de dados, produtos e serviços pelas instituições financeiras a critério dos seus clientes.

Na prática, se quiser, o cliente de uma instituição financeira poderá acessar os dados da sua conta corrente no aplicativo da sua corretora de investimentos, por exemplo.

"O desafio é maior do ponto de vista de rentabilidade do que de inadimplência para os grandes bancos", disse a analista sênior de instituições financeiras da agência de classificação de riscos Moody's, Ceres Lisboa.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Prévia da estatal

Petrobras (PETR4) anuncia produção do terceiro trimestre hoje, mas os dados da ANP já antecipam o que vem por aí; confira

Os dados chegam ao mercado em um momento de fortes críticas à política de preços da companhia e ameaças de desabastecimento

Exile on Wall Street

Quem não tem teto de vidro? As implicações das ameaças ao teto de gastos sobre seus investimentos

Ameaça ao teto fiscal exige atenção redobrada sobre a necessidade de diversificação e algumas proteções para a carteira – e há possíveis bons hedges para o momento

bitcoin (BTC) hoje

É recorde! Bitcoin (BTC) atinge nova máxima histórica com o novo rali das criptomoedas

A aprovação do ETF nos EUA impulsionou a alta do bitcoin, mas a principal criptomoeda do mercado pode subir ainda mais, segundo analistas

MERCADOS HOJE

Ibovespa engata recuperação, mas segue sob pressão do risco fiscal; dólar tem alívio após leilão do BC, mas juros futuros disparam

A agenda local está esvaziada nesta semana, mas os investidores aguardam por um desfecho para a PEC dos precatórios

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: estaria o governo querendo furar o teto?

Ignorando o bom humor internacional de ontem, nós brasileiros vivemos nossa própria realidade, muito afetados com o vaivém de Brasília, que prejudicou bastante os mercados e que promete prejudicar ainda mais nos próximos dias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies