ESQUEÇA BITCOIN: outra criptomoeda de R$ 4 pode valer R$ 80 em breve; conheça aqui

Cotações por TradingView
2020-01-17T20:10:16-03:00
Estadão Conteúdo
motor do crescimento

Moody’s: inflação, mercado de trabalho e crédito ajudam em recuperação do país

16 de janeiro de 2020
12:11 - atualizado às 20:10
Agência de classificação de risco Moody's
Agência espera inflação de 3,7% em 2020 e 3,8% em 2021, puxada para baixo por reajustes abaixo das médias históricas para o setor de serviços, em especial aluguel, serviços pessoais, energia e transportes públicosImagem: Shutterstock

A Moody's Investors Service vê recuperação do mercado de trabalho, inflação abaixo do centro da meta e retomada da oferta de crédito no Brasil em 2020, fatores que devem ajudar na retomada da economia do País. Em relatório, a agência de classificação de risco destaca a aceleração do consumo observada nos últimos meses de 2019 como motor do crescimento brasileiro neste ano.

"O crescimento das vendas do varejo acelerou nos últimos meses, com as vendas de veículos e materiais de construção, entre outros setores, a um ritmo mais rápido que o registrado no início da recuperação econômica", pontua Gersan Zurita, um dos vice-presidentes da Moody's.

A Moody's espera inflação de 3,7% em 2020 e 3,8% em 2021, puxada para baixo por reajustes abaixo das médias históricas para o setor de serviços, em especial aluguel, serviços pessoais, energia e transportes públicos. Por outro lado, reconhece o risco de que as carnes continuem pressionadas ao longo deste ano, como resultado da demanda asiática por proteína brasileira.

A aposta também é de que o desemprego vá começar a recuar em 2020, principalmente para os segmentos de renda mais baixa, com alta propensão ao consumo. As famílias de renda mais alta, com taxas de desemprego mais baixas, devem suportar o consumo de veículos e outros bens duráveis.

Para o crédito, a Moody's vê continuidade do aumento da demanda de consumidores, que atingiu pico em 2019. O afrouxamento das condições financeiras em 2020 deve impulsionar a aceleração do crescimento econômico apesar da leve alta da inadimplência no ano passado.

A agência de classificação de risco também espera ver alta no financiamento imobiliário, devido à baixa inflação e à taxa de juros em mínimas históricas que devem reduzir as taxas da modalidade. Com isso, o setor de construção civil deve crescer aproximadamente 10% até a metade de 2021, puxado pela demanda das famílias de média e alta renda.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

SOBE E DESCE

Entenda por que o dólar ficou abaixo de R$ 5,00 pela primeira vez em meses e se a moeda americana ainda pode cair mais

5 de fevereiro de 2023 - 15:46

O dólar vem demonstrando fraqueza em relação à diversas outras divisas globais e algumas razões explicam esse movimento

RISCOS

Entenda como a atuação mais forte do BNDES pode afetar a eficácia da Selic contra a inflação

5 de fevereiro de 2023 - 12:52

Aloizio Mercadante assume o comando BNDES nesta segunda-feira (6) e já disse que há espaço para reduzir a taxa de juros cobrada pelo banco

NÃO FOI DESTA VEZ

Mega-Sena acumula de novo e prêmio vai a R$ 160 milhões; veja como aumentar suas chances de ganhar

5 de fevereiro de 2023 - 10:43

Mega-Sena está acumulada desde o sorteio da virada, próxima chance de virar um milionário será na quarta-feira (8)

FUTURO PLANEJADO

Quanto investir para garantir uma renda igual ao teto do INSS no Tesouro RendA+, o título do Tesouro Direto para aposentadoria

5 de fevereiro de 2023 - 9:38

Quanto mais tempo você puder esperar para começar a receber a renda, menos precisará investir. Confira duas simulações no Tesouro RendA+

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Copom, dados de atividade e balanços de bancos são destaque na semana

5 de fevereiro de 2023 - 8:11

A ata da última decisão do Copom vai dar novas pistas quanto à trajetória da Selic. Lá fora, a agenda econômica estará mais vazia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies