Menu
2020-03-21T15:59:37-03:00
Estadão Conteúdo
SOCORRO AOS ESTADOS

Governo vai ajudar estados, mas são inviáveis R$ 15 bilhões por mês, diz secretário

Antes mesmo de incorporar a parte mais significativa dos impactos da pandemia de covid-19, o governo já prevê um rombo de R$ 161,6 bilhões nas suas contas

21 de março de 2020
15:59
Waldery Rodrigues
Waldery Rodrigues - Imagem: Flickr Palácio do Planalto

O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, indicou que o governo pode ajudar os Estados com repasse de recursos, mas afastou qualquer possibilidade de o governo atender ao pedido de R$ 15,66 bilhões mensais feito esta semana pelos secretários estaduais de Fazenda. Os Estados alegaram que o valor compensará perdas financeiras devido ao avanço do novo coronavírus no País e também reforçará as ações em saúde.

"Alguns pleitos são devidos, e para outros não há espaço para atendimento. (O valor de) R$ 15 bilhões por mês é um número que não fecha nas contas", disse Waldery. Antes mesmo de incorporar a parte mais significativa dos impactos da pandemia de covid-19, o governo já prevê um rombo de R$ 161,6 bilhões nas suas contas.

Segundo o secretário, outras formas de ajuda estão sendo estudadas, como transferências "fundo a fundo". Em outra ocasião, ele já havia afirmado que uma das alternativas é destinar recursos do Fundo Nacional da Saúde (FNS) para os governos regionais. Nesta semana, o governo liberou R$ 424 milhões para Estados e o Distrito Federal por meio de uma portaria do Ministério da Saúde.

Waldery disse que as medidas para os Estados ainda serão divulgadas. Segundo ele, o governo ainda está avaliando outro pedido dos governos regionais, de suspensão dos pagamentos da dívida com a União e bancos públicos por 12 meses. O secretário afirmou que é necessário ter "isonomia" no atendimento a Estados e municípios - a suspensão da dívida beneficiaria mais os endividados em detrimento de alguns governos estaduais que não têm dívida, mas necessitam de recursos.

FGTS

Waldery também voltou a sinalizar a possibilidade de uma nova liberação de recursos do FGTS para os trabalhadores. Segundo ele, o repasse de R$ 21,5 bilhões que hoje estão parados no Fundo PIS/Pasep para o FGTS contribuirá para garantir a nova rodada de resgates.

O secretário lembrou que R$ 14,8 bilhões do saque imediato lançado no ano passado ainda não foram resgatados pelos beneficiários. "Podemos pensar em como isso pode ser reinserido na economia", disse Waldery.

Em outra ocasião, integrantes da equipe econômica já indicaram para a possibilidade de, ao permanecer esse saldo no FGTS, promover uma nova liberação sem comprometer a sustentabilidade do fundo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

o pior já passou?

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, melhor do que o esperado

Analistas esperavam prejuízo de R$ 4,15 bilhões; após baixa com a pandemia, estatal aumentou a participação de mercado e manteve um patamar alto de exportações

Balanço

Bradesco supera projeções e tem lucro de R$ 5 bilhões no terceiro trimestre

O resultado do segundo maior banco privado brasileiro ainda é 23,1% menor que o do mesmo período de 2019, mas representa um avanço de 29,9% no trimestre

de olho na retomada

Para secretário, inflação não preocupa, é problema concentrado e transitório

Adolfo Sachsida reafirmou que a regra do teto de gastos será respeitada pelo governo

manutenção

Banco Central mantém Selic em 2% ao ano e continua a indicar juros parados no futuro

Apesar de deterioração do ambiente de reformas e alta da inflação no curto prazo, BC ainda não avalia necessidade de alta de juros. Um novo corte, no entanto, é difícil. Enquanto isso, mensagem sobre risco fiscal ganha força, segundo economista

NOS EUA

Queda das bolsas poderia levar Trump a negociar pacote, diz Nancy Pelosi

Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos voltou a demonstrar otimismo sobre a perspectiva de mais estímulos fiscais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies