Menu
2020-05-19T19:18:21-03:00
Riscos crescentes

Goldman Sachs corta projeção de PIB do Brasil em 2020 de -3,4% para -7,4%

Os crescentes riscos políticos e fiscais agravam a recessão no País causada pela pandemia do coronavírus, alerta relatório do banco americano

19 de maio de 2020
19:18
porcentagem
Imagem: Shutterstock

O Goldman Sachs revisou a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2020 e espera contração de 7,4% este ano. A estimativa anterior era de queda de 3,4%. Os crescentes riscos políticos e fiscais agravam a recessão no País causada pela pandemia do coronavírus, alerta relatório do banco americano nesta terça-feira. Para 2021, a estimativa é de crescimento de 4% do PIB brasileiro.

O Goldman ressalta logo no início do relatório que o Brasil se transformou nas últimas semanas em um dos epicentros globais de novas infecções do coronavírus, que já está levando as medidas de distanciamento social a se manterem por tempo maior que o inicialmente esperado e ainda a serem intensificadas em algumas partes. "Neste estágio, não está claro quando a curva do coronavírus vai atingir seu pico."

O banco espera que as medidas de isolamento só começarão a serem removidas parcialmente no Brasil e em outros países da América Latina entre os meses de junho e julho, o que contribui para agravar ainda mais o cenário econômico. Para o México, o Goldman espera contração de 8,5% no PIB este ano, mesmo porcentual projetado para a Argentina.

Para as maiores economias da região, recuperar os estragos causados pela pandemia na atividade neste primeiro semestre pode demorar mais de 10 trimestres, estima o Goldman. O PIB do Brasil deve encolher 14,2% no primeiro semestre, para se recuperar 7,7% no segundo.

No Brasil, além da crise do coronavírus, o Goldman observa que há o aumento dos ruídos políticos e dos riscos fiscais, que contribuem para agravar ainda mais o quadro recessivo.

Nos indicadores fiscais, o banco americano projeta déficit primário acima de 11% do PIB este ano e a relação dívida/PIB batendo em 92% em dezembro. O déficit fiscal deve bater em 15% do PIB, nível recorde. "No geral, esperamos que a incerteza política e econômica permaneça alta, o que provavelmente aumentará o ônus econômico e social da pandemia e prejudicará a recuperação da atividade."

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

efeito coronavírus

Venda de papelão ondulado cai 10,89% em abril ante março, diz ABPO

Queda, conforme a entidade, interrompe um crescimento interanual dos últimos dois anos e representa o primeiro impacto da pandemia

POLÍTICA

‘STF tomou ação efetiva para barrar projeto autoritário’

Para Marcos Nobre, professor de Filosofia Política na Universidade de Campinas (Unicamp) e presidente do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), a fidelidade do presidente Jair Bolsonaro a suas “convicções autoritárias” o levaram a instituir um “governo de guerra” em reação à pandemia do coronavírus. Nobre acaba de lançar o e-book Ponto Final – […]

ECONOMIA

Pandemia afeta meta de fundos de pensão

Maior fundo de pensão do País, o Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, teve retorno negativo de 12,4% em um de seus planos no primeiro trimestre, com déficit de R$ 23,6 bilhões.

EM MEIO À PANDEMIA

Com receita recorde, agronegócio vai aumentar participação no PIB do país

Com a desvalorização do real, as exportações ficaram mais atraentes ao agricultor

DECLARAÇÕES DO EX-MINISTRO

Moro responde: Bolsonaro ‘desejava rebelião armada contra medidas sanitárias’

Em nota divulgada também nesta segunda, Moro defendeu o isolamento social como medida mais eficaz de combate à pandemia e criticou o que classificou como “ofensas e bravatas” do governo.

varejo em foco

O que fazer com as ações de Magazine Luiza e Via Varejo, segundo o Bradesco

Banco divulgou novas estimativas para ações de varejistas, incluindo B2W e Mercado Livre

VOLTA LENTA

‘Fator medo’ deve permanecer até meados de 2021, diz presidente do BC

“Percebemos que, independentemente do lugar, em grande parte dos lugares, não conseguimos chegar ao padrão de 2019 de circulação de pessoas”, afirmou Campos Neto aos parlamentares.

IMPACTOS DA COVID-19

Bancos liberam mais de R$ 900 bi em dinheiro novo e postergações, diz Febraban

“Os números mostram que, mesmo em meio a um cenário adverso decorrente da pandemia, os bancos seguiram ampliando as concessões de crédito”, avalia o presidente Isaac Sidney.

Virando a página

Novo plano de cinco anos da Embraer será concluído ‘em breve’ e tratará de potenciais parcerias

Após o fracasso no acordo com a Boeing, a Embraer está revisando seu plano estratégico — e, segundo seus executivos, potenciais novas parcerias poderão fazer parte das diretrizes para os próximos anos

SANEAMENTO

Concessão de água e esgoto em Maceió prevê investimentos de R$ 2,6 bi, diz BNDES

O projeto é o primeiro a ser licitado dentro do programa do banco para estruturação de projetos no setor de saneamento, que tem como meta viabilizar o acesso a água e esgoto a pelo menos 20 milhões de pessoas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements