Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-18T13:14:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Candido Bracher

Crise é ‘grave’ e ‘não tem precedentes nos últimos 100 anos’, diz presidente do Itaú

Neste contexto, o papel do banco é contribuir para a volta à “normalidade no menor espaço de tempo possível”

18 de março de 2020
12:42 - atualizado às 13:14
Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco
Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco - Imagem: Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo

O atual momento que vive o planeta é de "grave crise" e "sem precedentes nos últimos 100 anos", disse o presidente do Itaú Unibanco, Cândido Bracher, em nota.

Segundo Bracher, a principal medida a ser tomada para evitar o esgotamento do sistema de saúde é restringir a circulação e contato entre pessoas para brecar a velocidade de transmissão do vírus — ainda que a limitação desacelere profundamente a economia.

Neste contexto, o papel do banco é contribuir para a volta à "normalidade no menor espaço de tempo possível".

Confira a íntegra da nota abaixo:

“O mundo atravessa um momento de grave crise, cuja natureza não tem precedentes nos últimos cem anos e cujas consequências sociais e econômicas já afetam a vida de todos, pessoas e empresas. Em meio a tantas incertezas, sabemos que o mais importante neste momento é reduzir a velocidade de transmissão da COVID-19, de modo a evitar o esgotamento dos sistemas público e privado de saúde. Para isso, a principal medida a ser adotada é a restrição da circulação e do contato entre as pessoas. Essa restrição, no entanto, acarreta impactos profundos na economia, uma vez que parte preponderante da atividade econômica pressupõe que as pessoas se movimentem e se encontrem.
 
Como maior banco privado do Brasil, cabe-nos trabalhar para atenuar os efeitos desta situação e, ao mesmo tempo, contribuir para o restabelecimento da normalidade no menor espaço de tempo possível. Com este intuito, temos direcionado esforços para garantir que o Itaú Unibanco continue funcionando com segurança, atendendo aos seus clientes e cumprindo sua função econômica e social. Isso corresponde a garantir a segurança financeira e operacional do próprio banco e o bem-estar dos nossos colaboradores, o que implica, por exemplo, revermos toda a nossa operação para reduzir o contato entre as pessoas.
 
O enfrentamento deste desafio se dá por meio do acompanhamento permanente da evolução da crise, adaptando o funcionamento do banco às necessidades e possibilidades de cada momento. Trata-se de um processo que envolve a alta liderança do banco, incluindo o Comitê Executivo, que realiza reuniões diárias de acompanhamento e gestão. A capacidade de nos adaptarmos a cada nova etapa da crise faz toda a diferença, especialmente porque sua duração é incerta, assim como o é a energia necessária para sua superação.
 
Durante todo o processo, estaremos ao lado dos nossos clientes, ouvindo o que precisam e trabalhando para atendê-los da melhor forma possível, de modo a que todos possamos superar esta crise e dar continuidade às nossas atividades. ”

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O futuro está no céu

A acirrada corrida pelo ‘carro voador’

Além de chamar a atenção no mercado de capitais, as startups de “carros voadores” estão atraindo talentos e parceiros de setores mais tradicionais da economia

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies