Menu
2020-03-03T15:39:06-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Reviravolta

Fed surpreende e corta juros, mas mercados seguem tensos com o coronavírus; Ibovespa cai e dólar sobe

O Federal reserve (Fed, o banco central americano) promoveu um corte extraordinário de juros no país para combater os impactos econômicos do coronavírus. Mas, após o entusiasmo inicial, os mercados agora temem que a situação do surto da doença seja pior que a imaginada

3 de março de 2020
10:41 - atualizado às 15:39
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A sessão desta terça-feira (3) parecia encaminhada: o Ibovespa e as bolsas americanas operavam em queda, num movimento de correção após os fortes ganhos do pregão passado. Mas, um gesto surpresa do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) causou uma reviravolta nos mercados.

No fim da manhã, o Fed anunciou um corte extraordinário de 0,5 ponto nas taxas de juros do país, para a faixa de 1% a 1,25% ao ano — um ajuste intenso e fora do cronograma da instituição, já que a próxima reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, uma espécie de Copom do país) ocorrerá apenas no dia 18.

A medida ocorre em resposta aos riscos que o surto de coronavírus trazem à economia global. Desde ontem, diversas autoridades monetárias já anunciaram cortes nos juros ou pacotes de estímulo, de modo a frear os impactos da doença.

E, por mais que os mercados estivessem esperando uma ação semelhante do Fed, poucos apostavam num corte extraordinário — ainda mais de 0,5 ponto.

A ação da autoridade monetária dos EUA desencadeou uma reação intensa nos mercados financeiros globais. O Ibovespa, que operava em queda durante a manhã, ganhou força e chegou a subir 2,04% na máxima, tocando os 108.803,58 pontos; os índices americanos tiveram comportamento semelhante.

Mas essa injeção de otimismo durou pouco. Já nos minutos seguintes à euforia, uma segunda leitura do movimento do Fed começou a ganhar força: a de que, talvez, a situação do coronavírus seja mais grave do que se imagina — o que forçou o BC americano a tomar uma atitude que não era vista desde a crise de 2008.

Assim, por volta de 15h30, as bolsas já haviam voltado ao vermelho: o Ibovespa caía 0,45%, aos 106.145,16 pontos; nos Estados Unidos, o Dow Jones (-2,50%), o S&P 500 (-2,01%) e o Nasdaq (-2,14%) tinham perdas expressivas.

Dia de reações intensas no Ibovespa

A reação também foi intensa no mercado de câmbio: o dólar à vista amanheceu em alta, virou para queda após a decisão do Fed — na mínima, foi aos R$ 4,4535 (-0,75%) — e, agora, sobe 0,25%, a R$ 4,4984.

No mercado de juros, os investidores aumentaram ainda mais as apostas num corte da Selic pelo Banco Central, acompanhando a tendência mundial. Os DIs, que operavam em alta, agora caem ainda mais, dando continuidade ao movimento de ontem:

  • Janeiro/2021: de 3,96% para 3,86%;
  • Janeiro/2022: de 4,36% para 4,24%;
  • Janeiro/2023: de 4,97% para 4,86%;
  • Janeiro/2025: de 5,90% para 5,78%.

Balanços em foco

No lado corporativo, a temporada de balanços do quarto trimestre continua em destaque. BRF ON (BRFS3) cai 3,51%, mesmo após a companhia fechar 2019 com um lucro líquido de R$ 1,2 bilhão — é a primeira vez desde 2015 que a empresa fecha um ano no azul.

MRV ON (MRVE3) cai 3,78% depois de reportar ganhos de R$ 690 milhões em 2019, cifra estável em relação ao ano anterior — ambas estão entre as maiores perdas do Ibovespa nesta terça-feira.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa hoje:

  • Hypera ON (HYPE3): +4,88%
  • B2W ON (BTOW3): +4,86%
  • Qualicorp ON (QUAL3): +4,59%
  • Cyrela ON (CYRE3): +2,94%
  • Weg ON (WEGE3): +2,70%

Confira também as maiores baixas do índice no momento:

  • MRV ON (MRVE3): -4,45%
  • BRF ON (BRFS3): -4,40%
  • IRB ON (IRBR3): -4,18%
  • BTG Pactual units (BPAC11): -3,29%
  • Santander Brasil units (SANB11): -2,54%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

PLANOS

Agora parte do BTG, Necton vai em busca de pequenos investidores

Corretora pretende lançar iniciativas e produtos para a base dos investidores, para quem tem entre R$ 10 mil e R$ 15 mil aportados no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies