Menu
2020-09-04T16:29:37-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
cautela no ar

Asa Bank reduz projeção de queda do PIB em 2020 para 5,3%, mas vê Brasil crescendo menos em 2021

Brasil deve retomar nível pré-crise em 2023, diz o banco, que cita falta de eficiência do auxílio emergencial como “força contrária” à diminuição do desemprego

4 de setembro de 2020
16:13 - atualizado às 16:29
pib queda
Imagem: Shutterstock

O Asa Bank passou a prever uma menor queda do PIB do Brasil em 2020, reduzindo a sua projeção anterior de retração de 5,6% para 5,3%, de acordo com relatório divulgado nesta sexta-feira (4), assinado pelo diretor Carlos Kawall, ex-secretário do Tesouro Nacional.

O banco se disse, no entanto, cauteloso quanto a velocidade da retomada da economia brasileira, citando a ineficiência do auxílio emergencial como "força contrária" à diminuição da taxa de desemprego.

Por isso, também foi reduzida a projeção do crescimento para 2021, de 2,7% para 2,1%, da instituição. A expectativa é que o Brasil retornará ao nível pré-crise apenas em 2023.

Segundo o banco, a medida foi capaz de amaciar a queda do PIB no trimestre passado. Mas a sua extensão até dezembro apenas adiará os efeitos de uma queda na renda para o próximo ano, à medida que o mercado de trabalho amarga as consequências da crise do coronavírus.

De acordo com o documento, no PIB do segundo trimestre houve um desempenho "fortemente negativo" do setor de serviços, do consumo das famílias e dos investimentos, com surpresa positiva no setor de construção civil, que registrou uma queda menor do que a esperada.

O Asa Bank admite a relevância do auxílio emergencial para essa performance.

"A queda do nível de atividade econômica só não foi pior por conta dos programas governamentais de suporte a renda e atuação do Banco Central", diz o relatório, que menciona a política monetária como outro fator que fez com que o tombo fosse mitigado. "Estimamos que, na ausência do auxílio emergencial, o PIB teria tido recuo maior."

O auxílio emergencial, segundo o banco, foi capaz de manter o nível de consumo elevado, principalmente no setor de bens, além de ajudar a dinâmica na construção civil e na venda de móveis e eletrodomésticos.

Com isso, a atividade econômica, dizem os economistas, de fato terminou o segundo trimestre em recuperação. Mas a grande questão agora é quão rápida ela será à frente: é aqui que o Asa Bank tem um pé atrás.

Ineficaz

Apesar de diminuir o tamanho do tombo no segundo trimestre, a equipe da instituição acredita que o auxílio emergencial não está sendo eficaz naquilo que ele deveria ser: amortecer a queda da população ocupada (com trabalho) por meio da manutenção da demanda e, também, permitir acumulação de poupança que poderia suavizar o consumo após o fim do programa.

"O foco em regiões mais pobres sugere que o auxílio está sendo direcionado a uma parcela da população que consome menos serviços, tendo impacto menor, portanto, na manutenção da demanda neste setor", diz o relatório.

Para o Asa Bank, "ao ser direcionado aos estratos de renda mais baixos, que não necessariamente são os que estão sendo mais afetados pela crise", o auxílio não parece se transformar em aumento de poupança, já que estes consumidores têm elevada propensão a consumir.

"De fato, o aumento da poupança parece centrado nos estratos de maior renda da população", afirma o banco, em referência a uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC) sobre o endividamento das famílias em agosto.

Com isso, a elevação do endividamento da parcela da população mais afetada pela atual crise e o desempenho bastante negativo do mercado de trabalho sugerem que os danos à economia advindos da atual crise são fortes e persistentes — o que embasa a projeção menor de crescimento do PIB no ano que vem.

Mercado de trabalho

O relatório diz que a pandemia, embora tenha fechado parcialmente setores específicos da economia, foi capaz de reduzir a demanda agregada geral e influenciar a demanda dos setores que não foram interrompidos. Deste modo, o choque negativo do mercado de trabalho é maior do que "somente" aquele gerado pelo fechamento de um setor específico.

"Esta relevante redução da demanda agregada, ao nosso ver, representará força contrária relevante a uma rápida normalização da população ocupada a partir de um nível bastante deprimido."

O quadro pintado pelo banco ressalta a "importância" da política monetária do BC. O Asa Bank reforça a necessidade de mais cortes de juros e prevê que a Selic, a taxa básica de juros do Brasil, terminará o ano a 1,5%, com flexibilizações nas reuniões de outubro e dezembro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

retomada econômica

Sem Petrobras e Vale, lucro das empresas deve crescer 14% em 2021

Análise foi feita pelo BTG e compara as perspectivas sobre os resultados de 2019; expectativa melhorou em relação ao relatório anterior

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

INSISTÊNCIA

Repaginada, CPMF volta ao debate na reforma tributária

Pelo acordo em construção, novo imposto seria incluído na proposta de reforma tributária que tramita na Câmara dos Deputado

Cenário desfavorável

Caixa Seguridade interrompe análise de oferta de ações pela segunda vez

Depois deinterromper a análise em março, o processo havia sido retomado em julho

mercado agora

Ibovespa sobe em busca de recuperação, mas aversão ao risco no exterior atrapalha

Aversão ao risco no exterior tende a limitar amplamente a tentativa de recuperação do Ibovespa; dólar segue em alta, buscando os R$ 5,60

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements