Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-03-31T19:55:46-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

O 7 a 1 da bolsa no trimestre

31 de março de 2020
19:55
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

No dia 2 de janeiro, primeiro pregão da bolsa em 2020, o Ibovespa marcou uma alta de 2,53% e atingiu a maior pontuação de fechamento até então, aos 118.573 pontos.

Era um começo promissor para um ano que tinha tudo para marcar o processo de retomada da economia (ainda que em ritmo de carro com motor 1.0).

Um investidor que tivesse aplicado R$ 1.000 na bolsa no último dia do ano teria ficado R$ 25,30 mais rico logo de cara.

E chegaria a acumular perto de R$ 1.035 no dia 23 de janeiro (os cálculos são todos aproximados), quando o Ibovespa bateu o recorde de 119.527 pontos.

Naquele momento, absolutamente ninguém esperava que quase toda a economia global estaria paralisada menos de dois meses depois afetada por uma pandemia.

Até mesmo quem ganhou dinheiro na crise o fez por outras razões – por achar que a bolsa estava cara, por exemplo. É o famoso "mirou no que viu e acertou no que não viu".

E o investidor do nosso exemplo? Com o tombo histórico de 36,86% do Ibovespa no trimestre, os R$ 1.000 iniciais em ações hoje valem apenas R$ 630.

Acompanhar a derrocada da bolsa nas últimas semanas foi como assistir à goleada de 7 a 1 aplicada pela Alemanha. Foi um misto de incredulidade e perda total de referência.

A diferença do futebol para o choque do coronavírus é que ainda não sabemos em que tempo estamos dessa partida. Podemos tanto levar mais gols como iniciar uma reação a qualquer momento.

Para entender como a bolsa foi à lona tão rápido eu recomendo a leitura da cobertura de mercados do Victor Aguiar, que conta em detalhes as principais etapas da crise e os impactos para a bolsa e para o dólar.

Preservando o caixa

Não está fácil para ninguém — nem para quem costuma fazer bem o seu dever de casa. A varejista Lojas Renner, celebrada como boa entregadora de resultados por analistas com frequência, foi mais uma a reconhecer os impactos do novo coronavírus nos seus negócios. A companhia decidiu cortar a distribuição de dividendos e também os investimentos previstos para este ano para preservar o caixa. O Felipe Saturnino traz todos os números para você.

Efeito corona

Se você está sentindo falta do happy hour da firma, imagine a Ambev. A empresa já vinha sofrendo com o aumento da concorrência nos últimos anos, mas nada comparável aos efeitos do corona (o vírus, não a cerveja). Diante dos impactos negativos da pandemia nas vendas, o Credit Suisse decidiu reduzir a recomendação para as ações da cervejaria. Nesta matéria do Kaype Abreu você confere as projeções dos analistas do banco suíço.

Mais prazo

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu dar mais prazo para a apresentação das informações periódicas das companhias abertas. Entre as mudanças, o aumento de dois meses para a entrega dos balanços de 2019, que deveriam ser publicados até hoje. A xerife do mercado de capitais também esticou os prazos para a apresentação de outros documentos.

O tombo norte-americano

Para quem ainda tinha alguma dúvida sobre o estrago do coronavírus na economia global, o Goldman Sachs divulgou hoje uma projeção de arrepiar. O banco revisou a estimativa para o PIB dos Estados Unidos e agora espera uma contração de nada menos que 34% no segundo trimestre do ano — ainda maior que a anterior, de retração de 24%. Saiba nesta matéria por que os analistas ampliaram o tamanho do tombo projetado.

A ciência da escassez

Uma frase de Chorão e uma discussão com Gregório Duvivier podem ensinar muito sobre o objeto fundamental da economia: a escassez. E, em tempos de coronavírus, não se deve esquecer nunca que o patrimônio — um recurso — também deve ser protegido para não se esgotar. Na coluna de hoje, Felipe Miranda discute o efeito “cada escolha, uma renúncia” na economia real e na sua vida, investidor.

Uma ótima noite para você!

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Agora vai?

MP da Eletrobras: relator mantém ‘jabutis’ e condiciona venda à compra de energia

No texto, Nascimento manteve a possibilidade de renovação antecipada da usina de Tucuruí, um dos maiores ativos da Eletronorte, e incluiu também a prorrogação da concessão da Hidrelétrica Mascarenhas de Moraes para Furnas.

Cresce a fila

CBA, da Votorantim, registra pedido de IPO na CVM

A empresa, que afirma ser a única companhia integrada de alumínio do Brasil, pretende financiar seu crescimento orgânico e inorgânico com os recursos levantados na oferta

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O quebra-cabeças do mercado e outros destaques

Recentemente, eu fui presenteado com um quebra-cabeças de duas mil peças. “Ah, isso vai ser moleza; é só montar as bordas e depois ir preenchendo aos poucos”, pensei eu. Nem preciso dizer que eu estava redondamente enganado: a mesa da cozinha está tomada por pequenas partes de uma paisagem bucólica. De vez em quando eu […]

FECHAMENTO

Ibovespa tem mais um dia de ‘mais do mesmo’ e fecha em leve alta, contrariando NY

Setores pesos-pesados seguraram o índice no azul. O movimento garantiu uma leve alta de 0,03%, mais uma vez deixando o índice na trave dos 123 mil pontos

Vem oferta por aí

Rede D’Or confirma a avaliação para a realização de um follow on

O anúncio foi feito após o jornal Valor Econômico revelar que a companhia prepara uma oferta de ações que pode chegar a R$ 5 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies