Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-05-26T19:41:17-03:00
seu dinheiro na sua noite

Magalu à prova de coronavírus

26 de maio de 2020
19:41
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

No último dia 18 de março, o Ibovespa amargou uma queda de 10,35%, depois de passar pela sexta vez no mês por um circuit breaker – a paralisação que acontece toda vez que o principal índice da bolsa cai mais de 10% durante um pregão.

Nesse mesmo dia, as ações do Magazine Luiza registraram uma queda ainda maior, de assustadores 19%, e fecharam o dia a R$ 28,81, na menor cotação do ano.

Naquele momento de pânico generalizado nos mercados diante da disseminação do coronavírus, o futuro da varejista (e de praticamente toda a economia) era uma completa incógnita.

Ainda que o Magalu já fosse apontado como um dos mais preparados para resistir à crise, nem mesmo o mais otimista dos investidores imaginaria que a empresa apresentasse uma recuperação tão vigorosa na bolsa em tão pouco tempo.

Num espaço de pouco mais de dois meses, as ações saltaram 124% e fecharam esta terça-feira negociadas a R$ 64,48. Com a valorização, a varejista voltou a ser negociada acima dos níveis pré-crise e superou a marca de R$ 100 bilhões em valor de mercado.

A alta de quase 7% dos papéis do Magazine Luiza apenas hoje aconteceu após a divulgação do balanço do primeiro trimestre. Apesar do prejuízo no período, os dados das vendas nos canais digitais impressionaram até os mais céticos. Após o resultado, a XP Investimentos decidiu manter a recomendação de compra e elevar o preço-alvo das ações.

Em teleconferência com analistas e investidores para comentar os números, o CEO do Magalu, Frederico Trajano, afirmou que o foco no digital pode ser a saída para a crise de saúde e econômica. O Kaype Abreu traz os detalhes para você nesta matéria.

E o câmbio virou

O dólar teve mais um pregão de distensão e caiu quase 2%, para R$ 5,35. Com a baixa de hoje, a moeda americana virou e passou a registrar queda em maio. A redução do risco político e um cenário mais positivo no exterior sustentam essa valorização do real, mas o Ibovespa não partilhou do mesmo otimismo hoje e teve ligeira queda. O Victor Aguiar conta o que guiou os mercados financeiros hoje.

A esperança da vacina

Além de acompanhar os indicadores econômicos, os investidores passaram a reagir às novidades da medicina desde o início da crise do coronavírus. A cada notícia sobre testes favoráveis com uma vacina contra a covid-19 os mercados em todo o mundo reagem em forte alta. Mas o que há de concreto até agora? A Jasmine Olga traz nesta reportagem três dos tratamentos mais promissores em desenvolvimento.

Os preços caem

O efeito coronavírus nos preços deve ficar evidente no mês de maio. A prévia da inflação, o IPCA-15, registrou uma deflação de 0,59%. A explicação para a queda nos preços é dada pela queda da demanda dos consumidores provocada pela pandemia. O número bateu um recorde, ainda por cima: foi o menor índice desde o início do Plano Real.

Bye Bye, Disney

Não é só aqui no país que a demanda diminuiu. Em abril, as despesas de brasileiros no exterior chegaram ao menor nível verificado na série histórica para o mês desde 1999. O gasto foi de US$ 203 milhões — tombo de quase 90% em relação ao mesmo período do ano passado. As restrições para viagens e a forte alta do dólar justificam a queda, como você lê nesta matéria.

Meu Tesouro Minha Vida

E, por falar tanto em recorde, tenho mais um para você: o Tesouro Direto registrou uma emissão líquida de R$ 1,57 bilhão em abril, dado inédito nos registros. Aplicações de até mil reais responderam por mais de 60% dessas operações. Com o avanço, o total de recursos de investidores no programa de compra de títulos públicos passou dos R$ 60 bilhões. Confira quais foram os papéis mais procurados pelos investidores.

O mercado é eficiente?

A alardeada eficiência dos mercados é um tema histórico e de grande curiosidade intelectual. Não é por menos que atraiu a atenção do nosso colunista Felipe Miranda. Afinal, o mercado consegue mesmo implicar adequadamente em seus preços o risco de um ativo no futuro? É possível para um investidor obter retornos consistentes acima da média? Confira quais as conclusões do Felipe.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Sextou com o Ruy

Existe vida na bolsa depois do topo, mas é preciso tomar cuidado com o “tudo ou nada”

O que os gestores vencedores têm de diferente das pessoas comuns é a capacidade de ajustar o portfólio de acordo com as condições de mercado e suas convicções

seu dinheiro na sua noite

Em fevereiro não tem Carnaval

Moro num país tropical, que eu já não sei se é abençoado por Deus, mas que é bonito por natureza. Mas no próximo mês de fevereiro, ao contrário do que diz a canção do Jorge Ben, não tem Carnaval. A festa foi cancelada pela pandemia. Mas tem outro evento muito aguardado, pelo menos para os […]

JOINT VENTURE

Wiz cria corretora de seguros com a distribuidora de veículos Caoa

Nova companhia terá direito de comercializar com exclusividade, na rede de distribuição controlada pela Caoa, produtos e serviços de seguridade por 20 anos

rodovias estaduais

BNDES aprova R$ 3 bi para lote PiPa, maior concessão rodoviária do País

Banco de fomento informou que o empréstimo cobrirá 58% do total de investimentos previstos nos sete primeiros anos de concessão

Fechamento

De novo ele! Risco fiscal não dá trégua e Ibovespa tem queda firme; dólar sobe a R$ 5,36

Lá fora, o dia foi misto, com os investidores pesando o entusiasmo com Biden e a cautela com a situação econômica na Europa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies