Menu
2020-05-26T09:19:23-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
efeito coronavírus

Prévia indica deflação de 0,59% em maio, a mais intensa desde 1994

Indicador foi influenciado pela queda nos preços dos combustíveis causa pela crise do novo coronavírus; a variação é de 1,96% em 12 meses

26 de maio de 2020
9:03 - atualizado às 9:19
inflação preço coronavírus
Imagem: Shutterstock

A prévia da inflação de maio registrou queda de 0,59%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) divulgado nesta terça-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Influenciada pela queda nos preços dos combustíveis causa pela crise do novo coronavírus, a deflação é a mais intensa desde o início do Plano Real, em julho de 1994.

É a segunda deflação seguida do indicador, que registrou -0,01% em abril. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 0,35% e, em 12 meses, a variação acumulada foi de 1,96%.

A inflação deve terminar o ano a 1,57%, segundo estimativas do mercado financeiro reunidas no boletim Focus, do Banco Central, desta segunda-feira.

O IPCA é um indicador que pode oscilar de 2,5% a 5,5% para que a meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) seja cumprida. O BC altera a Selic para, entre outras coisas, cumprir a meta, hoje em 3%.

Influências

Segundo o IBGE, a gasolina, com queda de 8,51%, foi o item que apresentou o maior impacto individual negativo, contribuindo com -0,41 ponto percentual no IPCA-15.

A retração de 8,54% dos combustíveis também foi influenciada pela queda nos preços do etanol (-10,40%), do óleo diesel (-5,50%) e o gás veicular (-1,21%).

As passagens aéreas, que assim como os combustíveis fazem parte do grupo Transportes (que tem o maior peso no consumo das famílias), tiveram queda de 27,08%, após subirem 14,83% em abril. Este grupo apresentou a maior deflação do mês.

Alimentos e bebidas

Segundo o IBGE, houve desaceleração no grupo alimentos e bebidas, que registrou avanço 0,46%, contra 2,46% do mês anterior. A principal influência foram os alimentos para consumo no domicílio, que passaram de 3,14% em abril para 0,60% em maio.

A cebola foi o alimento com maior alta (33,59%), seguida da batata inglesa (16,91%) e do feijão carioca (13,62%). Já o preço da cenoura, que tinha subido 31,67% no último IPCA-15, caiu 6,41%, ainda segundo o instituto.

As carnes (-1,33%) acentuaram a queda em relação ao mês anterior (-0,27%). A alimentação fora do domicílio, que inclui os serviços de delivery (sem considerar a taxa de entrega), também desacelerou de abril (0,94%) para maio (0,13%), especialmente por conta do lanche (0,64%), cujos preços haviam subido 3,23% no mês anterior.

A segunda maior variação positiva no índice do mês veio do grupo artigos de residência (0,45%), com destaque para as altas dos itens de TV, som e informática (2,81%) e dos eletrodomésticos e equipamentos (0,89%).

Aa maior contribuição negativa (-0,02 p.p.) veio dos itens de mobiliário (-1,82%), embora a queda em maio tenha sido menos intensa que a registrada no IPCA-15 de abril (-4,00%).

Com retração de 0,27%, o grupo habitação contribuiu com -0,04 p.p para o índice do mês. A maior influência dessa queda veio da energia elétrica (-0,72). Outros itens do grupo que tiveram queda foram o gás de botijão (-1,09%) e o gás encanado (-0,36%). Já a taxa de água e esgoto variou 0,04%.

Todas as 11 regiões pesquisadas tiveram deflação em maio. O maior índice foi na região metropolitana de Fortaleza (-0,23%). Já o menor resultado foi na região metropolitana de Curitiba (-1,12%).

Os preços foram coletados no período de 15 de abril a 14 de maio de 2020 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 17 de março a 14 de abril de 2020 (base).

Em virtude da pandemia de Covid-19, o IBGE suspendeu, no dia 18 de março, a coleta presencial de preços. Os preços passaram a ser coletados por outros meios, como pesquisas em sites de internet, por telefone ou e-mail.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Chegou lá

E o Ibovespa, quem diria, voltou aos 100 mil pontos. O que isso significa?

Depois de mais de quatro meses, o Ibovespa finalmente reconquistou o patamar dos três dígitos. Algumas boas notícias da economia doméstica ajudam a explicar o otimismo na semana, mas há mais fatores que influenciaram esse movimento

Crise se afastando?

Barômetros globais sinalizam retomada gradual da economia mundial, diz FGV

Melhoras ainda estão condicionadas a um ‘grau elevado’ de incerteza diante da pandemia, pondera pesquisador

desconfiança justa?

Amazon pede que funcionários excluam TikTok por questões de ‘segurança’

Segundo uma captura de tela obtida pelo The New York Times, a empresa de e-commerce enviou um e-mail solicitando a exclusão do app

em documento

Ex-ministros da Fazenda pedem retomada ‘verde’

É a primeira vez que ex-dirigentes da equipe econômica do governo federal se juntam para fazer uma mobilização com foco no meio ambiente e na busca de uma convergência nacional em torno do tema

vencedora na crise

Ação do Magazine Luiza ainda pode subir 14,6%, diz BTG

De olho no digital, analistas do banco argumentam que a empresa deve sair como uma das grandes vencedoras da crise entre companhias do setor varejista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements