Menu
Ricardo Mioto
Coluna do Mioto
Ricardo Mioto
2020-09-18T20:06:40-03:00
Coluna do Mioto

Investir não é para divorciadas?

Uma ouvinte do podcast Empiricus Puro Malte mandou o seguinte email após discutirmos por que os homens investem mais na Bolsa que as mulheres

19 de setembro de 2020
5:59 - atualizado às 20:06
divórcio
Imagem: Shutterstock

Volto ao assunto das mulheres investidoras. Uma ouvinte do podcast Empiricus Puro Malte mandou o seguinte email após discutirmos, no episódio 10, por que os homens investem mais na Bolsa que as mulheres:

“O homem se divorcia e vira um gurizão, troca de carro, compra roupas novas, vira noite na balada, mulherada etc. Ele só vai aparentar ser um mendigo na frente do juiz para pagar uma pensão miserável aos filhos. Isso porque, descabidamente, acha que a pensão vai sustentar a ex-mulher. Mas a vida pessoal e profissional dele seguem adiante. Às vezes, até melhoram, já que ele vai ter mais tempo para se dedicar à outras coisas.

Agora vejamos pelo lado da mulher. De repente, você se vê sozinha e com um ou mais filhos para criar. Além da culpa que nasce junto com a maternidade, a mulher é muitas vezes culpada pelo divórcio pela própria família e até mesmo pelos filhos. Se decide sair uma vez à noite para a balada e tomar uma bebidinha para esquecer um pouco dos problemas, é vista como uma “sem noção”. As tarefas são muitas: domésticas, de trabalho e relacionada à educação dos filhos (sim, a professora, pedagoga e a psicóloga vão falar com a mãe que o filho não vai bem no colégio ou que mordeu o colega). Além disso, vai ter que dar conta de sobreviver, com a diferença salarial gritante que existe entre homens e mulheres. Bem ou mal, antes teria o salário do marido, agora não tem mais. Muitas vezes, a mulher tem que voltar para a casa dos pais…

Como pensar em investir em uma situação como essa?”

Claro que não são todos os casos, como a própria ouvinte diz. Mas é inegável que a situação das mulheres após um divórcio tende a ser mais difícil do que a dos homens.

O que fazer para mudar isso? “Mudar de emprego, colocar a mãe no asilo, internar as crianças na Febem”, como escreveu certa vez Drauzio Varella? Não sei se vai resolver.

A gente fala sobre o assunto no Puro Malte #11. Escuta lá:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies