Menu
2020-10-23T19:59:11-03:00
Ricardo Mioto
Ricardo Mioto
Coluna do Mioto

Vinte conselhos não óbvios de carreira

Estes são conselhos de carreira para jovens profissionais que tenham a ambição de serem promovidos e terem relevância dentro das suas empresas

24 de outubro de 2020
5:54 - atualizado às 19:59
trabalho felicidade carreira
Imagem: Shutterstock

No Empiricus Puro Malte, nosso podcast da Empiricus, recebemos muitas perguntas sobre carreira. Estes são conselhos de carreira para jovens profissionais que tenham a ambição de serem promovidos e terem relevância dentro das suas empresas.

Leia também:

1) Seja oferecido

Muitos chefes sofrem com funcionários passivos demais, que apenas esperam que lhes digam o que fazer. Não são todos que trazem ideias, como um produto novo ou um processo melhor, e se oferecem para botá-las de pé. Sugira-se para tocar projetos maiores do que você. Se ofereça inclusive para posições abertas maiores do que você para as quais você não seja a escolha óbvia. Você não tem nada a perder.

Ou seja, supondo que você faz o óbvio, que é cumprir o que esperam de você, dê agora o próximo salto: o que você pode propor e entregar além do esperado?

Se você conseguir implementar alguma iniciativa de impacto, mudará de patamar na empresa. (Se não for devidamente valorizado, terá uma história de sucesso para contar na próxima entrevista de emprego.) Peça a bola.

2) Bata bumbo...

Não adianta, porém, propor e fazer coisas legais, mas de modo invisível. Não apenas bote ovo: cante ovo. Se você realizou algo legal, reporte com a devida pompa. Mande um email celebrando os resultados. Entre sorrindo na sala do seu chefe e compartilhe. Seja um portador de boas notícias e não tenha medo de fazer propaganda do seu trabalho.

3) … mas dê crédito aos outros.

A forma mais inteligente de chamar a atenção para as suas vitórias e ao mesmo tempo ser percebido como generoso é dando amplo crédito aos colegas pelo que for justo.

Seja alguém que entrega resultados, mas também que sabe formar equipes e trabalhar com outras pessoas. Não menospreze a importância disso na fila da promoção.

Antigamente ninguém se preocupava em saber se um chefe sabia gerir pessoas — todo mundo sabe gritar, afinal, e isso bastava. Agora cada vez mais as empresas valorizam aquilo que chamam de líderes, ou seja, querem pessoas que saibam extrair o melhor das outras. Saiba surfar isso.

4) Projete empolgação e confiança

De preferência, tenha de fato empolgação, mas também demonstre: saiba que aparências importam. Deixe que percebam sua vontade de fazer. Queira estar no barco. Sinalize que você se importa com o que lhe é pedido. Algumas pessoas são naturalmente mais blasé, mesmo quando estão engajadas e motivadas. Tente evitar.

Promoções são movidas por percepção de competência. Se você se mostrar inseguro, ninguém vai acreditar que você é capaz. Fale como se você soubesse o que está fazendo, mesmo que não saiba. Acredite: não é tão fácil diferenciar.

5) Mude de área se detestar a sua

É difícil ter empolgação com tarefas que consideramos chatas, irritantes ou que não nos permitem aprender nada. Somos obrigados a decidir nossas áreas de trabalho muito cedo na vida. Busque algo que dê dinheiro, mas que também lhe dê felicidade e propósito. É insuportável acordar todos os dias querendo morrer.

6) Seja muito gentil com as pessoas…

Trabalho é relacionamento. De uma promoção a uma recomendação para uma vaga, o quanto as pessoas gostam de você importa, ainda que inconscientemente. Uma maneira de fazer as pessoas simpatizarem com você é elogiando o trabalho delas. Não é necessário mentir. Se você viu algo sendo bem feito no escritório, não guarde para você: elogie, em privado ou publicamente, o autor da obra. A gratidão é um sensação muito poderosa.

7) … mas saiba que amizade é outra coisa

Saiba, porém, que buscar amizade ou suprir carências no trabalho será problemático. Não crie expectativas de que você encontrará no escritório uma grande família para lhe apoiar. Muitas vezes haverá gente preguiçosa, pouco competente ou mesmo mal intencionada.

Para lidar com todos esses, é preciso estabelecer uma relação cordial, porém distante o suficiente para que você não seja complacente com a incapacidade alheia ou se sinta constrangido a gastar seu tempo fazendo o trabalho dos outros em nome da amizade. Às vezes é preciso competir com o colega, demitir o subordinado ou mesmo driblar o chefe. Além disso, não faça fofoca no trabalho, porque é ridículo.

8) Seja curioso e leia tudo sobre sua área

O que se chama de inteligência muitas vezes é apenas repertório acumulado. Você pode levar 30 anos para aprender por osmose ou acelerar o processo lendo bons livros e simplesmente roubando as ideias que ali estão (não há falha ética aqui: é para o roubo de ideias que livros existem).

9) Chegue cedo e responda rápido

Por uma injustiça do mundo, chegar cedo é visto como dedicação, enquanto ficar até tarde é visto como falta de planejamento — em tese, não deveria fazer diferença. Busque responder e-mails e mensagens de celular dos seus chefes com agilidade. Não é tão difícil se organizar para fazer isso — a maior parte das coisas são bobagens —, mas passa uma impressão excepcional de agilidade. Obviamente, cumpra prazos.

10) Se não for organizado, ao menos pareça ser

Se você quer que tarefas importantes sejam delegadas para você, de modo que você ganhe importância na organização, precisa ser visto como confiável e organizado. Cuidado com uma mesa excessivamente caótica ou com dificuldades para encontrar informação. A fronteira de percepção entre a mera desordem e o relaxo completo não é muito clara.

11) Diga muito sim, mas saiba dizer não

Diga sim na maior parte das vezes, de modo a se mostrar comprado no projeto da empresa, mas saiba quando é a hora de finalmente dizer não: naquilo que não é ético, que é inaceitável ou incorreto, que no final será prejudicial à própria empresa. Você será mais respeitado se mostrar que tem princípios inegociáveis.

12) Tenha ambições maiores ...

É difícil empatar na vida profissional: ou você está lutando para subir, ou você está caindo. Ficar 15 anos na mesma posição não é estabilidade, mas sim estagnação -- você sentirá que está fracassando. Se você não tem ambição de ter mais dinheiro, sucesso ou reconhecimento, é possível que você até seja mais feliz do que a média, mas talvez participar de grandes projetos corporativos não seja para você.

13) … mas aceite uma definição setorizada de sucesso

Você não precisa e nem deve ser CEO, rockstar, presidente da República e prêmio Nobel (tudo antes dos 40). Faça o recorte do sucesso que lhe parecer razoável: quero ser um dos melhores analistas do mercado financeiro focados em empresas do agronegócio, quero ser um ótimo advogado tributarista de ICMS. A especialização ajuda a ser feliz e a não se comparar demais com quem trilhou outros caminhos.

14) Não entre na defensiva

A marca do idiota é achar que ele sempre está certo, enquanto o mundo o injustiça. Feedback sincero é algo muito raro, inclusive de chefes. Todos gostamos de um elogio, mas o que nos ajuda mesmo são as boas críticas, por mais que seja doloroso.

15) Tenha empatia pelos seus chefes — ou procure outra coisa

Você nem precisa gostar deles como seres humanos ou da porta da empresa para fora (embora uma relação pessoal nunca faça mal), mas esforce-se para entender o que é importante para eles e o que os aflige. Isso tornará seu trabalho muito mais efetivo, fará ele ser mais suportável e fará você compreender muito do que acontece no seu departamento.

Se seus chefes forem uns imbecis completos, porém, o que você ainda está fazendo nessa empresa? O que nos leva ao próximo item.

16) Guarde dinheiro

É mais fácil amar um emprego quando você não precisa financeiramente dele. Você deve ter com o empregador uma relação de parceria, não de dependência. De alguma forma, ele próprio perceberá que você não é um esfomeado em busca do próximo almoço, mas sim alguém que está lá porque tem com o que contribuir.

Gaste menos e poupe mais para ter uma gorda reserva que seja sua segurança. Senão você vira aquela pessoa reclamona que só sabe choramingar sobre como odeia tudo ao seu redor, mas que é obrigada a continuar lá.

17) Não tenha medo de mudar de emprego, mas deixe a porta aberta

A ideia de sair do trabalho atirando, abrindo o coração sobre tudo que sempre lhe angustiou mas que você foi covarde para apontar anteriormente, é patética. Mostre-se grato, seja generoso, reconheça seus chefes e colegas mesmo que eles não mereçam.

18) Tome um pouco de risco e experimente

É fundamental achar o que gostamos de fazer, mas quem disse que a gente sabe? “The proof of the pudding is in the eating”, dizem os americanos: você só sabe o gosto do pudim se comê-lo.

Um emprego quase nunca é o que imaginávamos, para o bem ou para o mal. Se você ficar agarrado demais a uma empresa, pode estar perdendo oportunidades de descobrir paixões profissionais que você nem sabia que existiam.

19) Saiba que seu salário é um preço como qualquer outro

O salário não é alto ou baixo: ele representa seu valor de mercado, que muda com o tempo. Se você pudesse receber muito mais em outro lugar, estaria lá. Se a empresa pudesse pagar menos para alguém que fizesse exatamente seu trabalho, contrataria essa pessoa mais barata.

Se você acha que ganha pouco, peça um aumento. Se não foi contemplado, não fique reclamando: simplesmente prove que há um mundo lá fora disposto a pagar mais por você. O que nos leva ao último conselho.

20) Não se afaste demais do mercado

Algumas empresas dão aumentos por mérito. Outras, talvez a maioria, são mais mesquinhas: só valorizam o profissional quando ele aparece com uma proposta externa. Se a sua empresa for assim, não deixe de ouvir propostas ou sondar possibilidades profissionais em outros lugares. Isso não significa ser infiel ao lugar onde você trabalha. Apenas entender quanto é a remuneração justa que um profissional como você pode encontrar no mercado.

Ouça mais sobre carreira e muitos outros assuntos no Puro Malte:

Apple: http://emprc.us/S2lGE2

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

retomada

Vendas de veículos sobem 4,65% em novembro, diz Fenabrave

Volume ficou 7,12% abaixo do total vendido no mesmo mês do ano passado, uma queda em parte explicada por restrições de oferta

Dinheiro no caixa

C6 Bank recebe aporte de R$ 1,3 bilhão em rodada de captação com 40 investidores

Em uma espécie versão bilionária de “crowdfunding”, o C6 Bank foi avaliado em R$ 11,3 bilhões, o que significa que o grupo de investidores ficará com 11,5% do capital do banco

Exile on Wall Street

Investidor não tira férias: questões urgentes ainda para 2020

Sempre digo para as pessoas terem cuidado com o que elas desejam. Passamos anos reclamando do oligopólio bancário brasileiro. Até que caímos num monopólio. A XP reina sozinha fora dos bancos como plataforma de investimentos ao varejo

emissão de títulos em dólares

Governo volta a captar recursos lá fora, em meio ao bom humor dos mercados

Tesouro Nacional informou que títulos serão emitidos no mercado global e o resultado será divulgado no fim do dia; última captação do governo lá fora havia sido em junho

mercados hoje

Vale pesa no Ibovespa, que segue exterior e interrompe rali; dólar flutua sem direção

Juros futuros continuam a se descomprimir com redução do risco fiscal, com notícia de que governo não deverá criar Renda Cidadã nem estender auxílio emergencial até 2021

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies