Menu
Richard Camargo
Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
2020-07-24T14:55:53-03:00
VOCÊ TEM AVERSÃO AO RISCO?

Jogo de Risco: quem é que gosta de perder dinheiro?

Você precisa correr riscos se quiser enriquecer, mas isso não quer dizer que você deva correr todo tipo de risco.

26 de julho de 2020
5:50 - atualizado às 14:55
Imagem simula botão de risco, com medida selecionada para "mínimo"
Na hora de investir, você aceita tomar riscos? - Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo ao nosso papo de domingo sobre Aposentadoria FIRE® (Financial Independence, Retire Early). 

Atendendo ao pedido da Marina, CEO do Seu Dinheiro, hoje começo uma série de quatro colunas sobre um tema chato, porém importantíssimo para o investidor: assunção de “riscos”. 

Colocando assim, com “assunção” e risco entre aspas, a coisa ficou ainda mais sem graça do que eu tinha imaginado. 

Mas nos dê uma chance... pelo que estruturamos aqui, tenho certeza que será enriquecedor para você como investidor.

Pode me cobrar.

Vamos do básico ao avançado nos próximos quatro domingos, da noção intuitiva de assumir riscos às diferentes estratégias que utilizamos para gerenciar portfólios na Empiricus. 

Neste primeiro texto, me perdoe o pleonasmo, mas vamos começar pelo começo: tem gente que não gosta de perder dinheiro.

Como assim?

Quantas vezes estive sentado com investidores individuais em processo de mapearmos seu perfil… faz parte da diligência entender a experiência, conhecimento e claro, o grau de aversão ao risco do investidor. 

Eis que pergunto (está no script, não tenho como fugir): 

Com relação aos riscos existentes no tipo de investimento escolhido, como você reagiria ao verificar que, após o período de 6 meses, o retorno acumulado foi negativo?

Principalmente entre os investidores com menos experiência, a resposta costuma ser unânime: resgataria imediatamente.

Em seguida, vem o comentário para os registros: resgataria imediatamente, porque eu não gosto de perder dinheiro.

Dizem que com o tempo fica mais fácil, mas eu ainda não me acostumei… na hora, me pego com uma cara cínica, pensando: e quem gosta?

Se encontrar alguém com fetiches financeiros sadomasoquistas, que se excite com a possibilidade de perder rios de dinheiro, prometo trazê-lo para uma entrevista aqui no Seu Dinheiro. 

Mas acho que isso não vai acontecer, pois ninguém, independente do perfil, gosta de perder dinheiro.

E por que essa resposta aparece com tanta frequência?

Essa pergunta me tira o sono. 

Talvez seja um pouco de efeito cascata das redes sociais: tudo está muito inclinado aos extremos. 

Se não é doce, precisa ser salgado. Se não é o melhor produto do mundo, só pode ser o pior produto do mundo. E por aí vai. 

Essa noção chega distorcida à educação financeira (ou à falta dela) sob a face de: ou você não assume risco nenhum, ou assume riscos de falência. 

É como se não existisse nenhuma cor entre o preto e o branco. 

Como se não existisse nenhuma alocação possível entre a poupança e a venda a descoberto de puts da Oi.

Mas, claro, na realidade as coisas são muito mais divertidas e complexas do que nessa dicotomia de extremos. 

E por que isso é tão importante?

Porque da mesma maneira que eu não conheço ninguém que goste de perder dinheiro, também não conheço ninguém que tenha ficado rico sem nunca ter perdido dinheiro. 

Aliás, quanto mais rico o sujeito, mais dinheiro geralmente ele perdeu ao longo do caminho. 

Este é um dos axiomas mais sólidos dos investimentos: todo retorno potencial vem acompanhado de um risco.

Se você deseja enriquecer sem correr risco nenhum, você está à espera de um milagre. À espera do bilhete premiado da Mega Sena. 

Não correr risco nenhum é a receita garantida para também não enriquecer no caminho. 

E então voltamos ao ponto anterior…

Você precisa correr riscos se quiser enriquecer… entendido até aqui.

Mas isso não quer dizer que você deva correr todo tipo de risco. Que deva entrar em operações com potencial de arruinarem suas finanças. 

Para assumir risco de maneira inteligente, você precisa entender e saber identificar por conta própria os quatro principais tipos de riscos encontrados no mercado:

  • Os investimentos de piso.
  • Os investimentos de teto.
  • Os investimentos com piso e teto.
  • E os investimento sem piso, nem teto.

Na semana que vem, vou explicar para você cada um dos quatro tipos e te ensinar a reconhecê-los. 

Lembre-se: meu objetivo é ajudá-lo a assumir riscos da maneira mais inteligente possível. 

Até lá, você pode se inscrever na newsletter do Seu Dinheiro, e receber um e-mail meu no próximo domingo, contendo o segundo texto dessa série que preparamos sobre risco.

Até semana que vem!

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies