Menu
2020-01-23T07:45:17-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Recuperação extrajudicial da Triunfo é suspensa pela 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo

Hoje, os papéis da companhia terminaram o dia cotados em R$ 2,07, o que representa uma alta de 11,29%. Apenas em janeiro, os papéis da Triunfo já subiram 22,49%

22 de janeiro de 2020
21:06 - atualizado às 7:45
triunfo
Imagem: YouTube

A Triunfo Participações (TPIS3), que opera várias concessões de infraestrutura no País, informou hoje (22) ao mercado que os seus planos de recuperação extrajudicial serão suspensos, a partir de amanhã. A medida passará a valer após decisão da 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Segundo o fato relevante, os votos dos julgadores dos recursos de apelação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e InfraBrasil levaram à reforma da sentença de primeira instância que havia homologado os planos. Com isso, ambos foram suspensos.

"Dessa forma, com efeito a partir de 23 de janeiro de 2020, os PREs da Companhia e outras, bem como o da Concer, encontram-se suspensos, fazendo com que os créditos abrangidos retornem às condições precedentes. Adicionalmente, os credores contemplados no Leilão Reverso realizado em 20 de março de 2018 deverão depositar judicialmente os valores recebidos", destacou a empresa no comunicado.

Hoje, os papéis da companhia terminaram o dia cotados em R$ 2,07, o que representa uma alta de 11,29%. Apenas em janeiro os papéis da Triunfo já subiram 22,49%.

Entenda o processo

A Triunfo Participações e Investimentos (TPI) teve o seu pedido de recuperação extrajudicial homologado pela Justiça em fevereiro de 2018. A companhia tenta reestruturar mais de R$ 2,4 bilhões em dívidas financeiras, segundo informações do jornal Valor Econômico e que são referentes a 2017.

Na época, também foram aprovados os planos de recuperação extrajudicial de outras empresas como a da subsidiária Companhia de Concessão Rodoviária Juiz de Fora - Rio (Concer).

O BNDES é o maior credor da TPI e tem mais de R$ 1 bilhão a receber. Já a InfraBrasil tem uma fatia menor, de R$ 65 milhões, de acordo com informações do jornal.

Hoje, a TPI possui entre os seus negócios a concessão rodoviária da BR-153, em São Paulo, e uma parte da Tijoá, que é responsável pela operação da usina hidrelétrica de Três Irmãos (SP).

Além disso, o grupo Triunfo controla - juntamente com a UTC -, o aeroporto de Viracopos, uma concessão que está em recuperação judicial, mas que as dívidas não têm qualquer tipo de relação com o processo da TPI.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

em busca de soluções

Magazine Luiza, GPA e outras empresas promovem movimento #NãoDemita

Grandes bancos, fabricantes de alimentos, empresas de tecnologia, saúde e investimentos estão endossando uma campanha para evitar a demissão

perspectivas

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista-chefe do Bradesco

Para Fernando Honorato Barbosa, o setor de serviços será o último a se recuperar

olho no datafolha

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Virada de mão

“Vai faltar real para comprar dólar no preço atual”, diz Márcio Appel, da Adam Capital

Depois de ganhar dinheiro com a desvalorização cambial, gestor deixou de apostar na alta do dólar contra o real e avalia comprar a moeda brasileira

medida anticrise

Senado aprova texto-base de projeto que suspende prazos contratuais até outubro

Medida coloca no papel flexibilizações durante a pandemia do novo coronavírus no País e dependerá agora de chancela da Câmara

Em busca de soluções

Governo Federal é o único que pode emitir dívida e moeda, diz Maia

Sobre o trabalho do Parlamento, Maia disse que as Medidas Provisórias começarão a ser votadas “uma a uma” na próxima semana

A mesa virou?

Sistema bancário dos EUA pode ter problema por excesso de liquidez

Com acesso ao dinheiro, empresas estão guardando os recursos em poupanças, o que, juntamente com a liquidação de ativos de risco, inunda os bancos com liquidez

Reflexos da crise

Empresas alegam ‘força maior’ e já pedem revisão de contratos na Justiça

Com a alegação de “força maior” ou “evento fortuito” – por conta do coronavírus -, o meio jurídico teme que os contratos sejam suspensos em um efeito dominó, com distorções em toda economia

covid-19 no radar

‘Esse é o momento de sobreviver à crise’, diz presidente do Itaú Unibanco

Segundo Candido Bracher, o mundo tem dificuldades para lidar com a crise por sua origem em um fator de saúde pública – e não no mercado financeiro, como ocorreu em 2008

diante do coronavírus

Opep+ vislumbra corte de produção de 10 milhões bpd, incluindo EUA e Brasil

Mais cedo, fontes afirmaram que a Opep+ planeja uma teleconferência na segunda-feira (06) para debater um eventual corte

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements