Menu
2020-03-11T08:29:34-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Volatilidade está de volta e arrasta bolsas globais para o vermelho

Ontem as bolsas globais tiraram o dia para reverter parte dos exageros dos dias anteriores, mas a preocupação com o coronavírus volta a assustar os negócios

11 de março de 2020
8:02 - atualizado às 8:29
Ibovespa mercados em queda
Imagem: Shutterstock

Se você acreditou que as fortes altas das bolsas globais ontem seria combustível suficiente para manter os mercados no sentido da recuperação pode se chatear com o cenário desta manhã ao encontrar mais volatilidade.

Ontem o dia serviu para corrigir em partes as perdas exageradas da segunda-feira, mas o alívio durou pouco, bem pouco, e a instabilidade retomou as rédeas dos negócios.

Os mercados asiáticos fecharam em baixa generalizada. Na Oceania, a bolsa de Sydney entrou em 'bear market' após perdas superiores a 20%. Em Nova York, os índices futuros operam com queda em torno dos 2%.

O gatilho para essa reação negativa das bolsas não poderia ser outro: o coronavírus. Os investidores seguem sem saber o que pode acontecer e qual a verdadeira ameaça do vírus para a economia global.

Depois do caos da sessão de segunda-feira, o Ibovespa também teve um dia para recolocar a cabeça no lugar e seguir com os negócios. O principal índice da bolsa brasileira teve alta de 7,14%, a 92.214,47 pontos.

Próximos passos

Agora a atenção dos investidores se voltam para as medidas que chegam de cima e podem ajudar a conter o estrago dos investidores. O poder da tranquilidade parece residir na mão do Federal Reserve, Banco do Japão e Banco Central Europeu, que, em maior ou menor grau, prometeram novos estímulos.

Hoje pela manhã, o Banco da Inglaterra cortou inesperadamente em meio ponto porcentual a sua taxa básica de juros, que passou de 0,75% para 0,25%.

A medida impulsionou as bolsas europeias, que operam no positivo nos primeiros momentos do leilão, fortemente influenciadas pelo BOE e pela expectativa de mais intervenção dos outros BCs.

Segura!

Para tentar conter o dólar, que fechou o dia de ontem cotado a R$ 4,6472, após queda de 1,63%, o Banco Central brasileiro convocou um novo leilão de swap de até US$ 1 bilhão. Mas, tendo em vista o cenário total, é difícil acreditar que a ação seja suficiente para segurar o câmbio.

Nos últimos dois dias, as ofertas do BC totalizaram US$ 5,465 bilhões no spot.

Panela de pressão

A bolsa brasileira ainda tem mais um foco de tensão para analisar. Não é de hoje que a maior parte das expectativas dos investidores brasileiros está aplicada no andamento e aprovação da agenda de reformas do governo.
Mas os atritos entre Executivo e Legislativo atrasam o andamento das pautas, frustrando os investidores.

O clima entre os poderes está tenso por conta de impasses em torno de decisões relativas ao Orçamento.

O ministro Paulo Guedes tentou acalmar os ânimos ao afirmar que o plano de equilíbrio fiscal, a autonomia do Banco Central, Eletrobras e lei de concessões estão entre as prioridades da equipe econômica.

Desce mais um pouquinho

O petróleo, que também vinha de uma leve recuperação, volta a amargar perdas fortes. A petrolífera saudita Saudi Aramco recebeu novas ordens para aumentar a sua produção de 12 milhões de barris por dia (bpd) para 13 milhões bpd.

Assim, por volta das 07h11, o petróleo WTI para abril apresentava queda de 2,97% na Nymex, cotado a US$ 33,34, e o Brent, negociado na ICE, recuava 3,16%.

Agenda

Os grandes destaques do dia ficam com a inflação oficial de fevereiro (IPCA - 9h) e as revisões de projeções do Ministério da Economia para o Brasil. Os dois dados devem dar dicas da situação da atividade brasileira e como será possível enfrentar o coronavírus.

Nos Estados Unidos, é dia de conhecer o Índice de Preços ao Consumidor (CPI) de fevereiro.

Balanços

Dia cheio também no noticiário corporativo. Alupar, Petrobras Distribuidora, Enauta, SLC e BNDES divulgam os seus números.

Confira os principais números divulgados entre a noite de ontem e hoje:

  • Localiza teve lucro de R$ 228,4 milhões no quarto trimestre, uma alta de 25,9%. O Ebitda avançou 40,2% a R$ 629,6 milhões. Receita líquida foi de R$ 2,695 bilhões.
  • Movida registrou lucro de R$ 84,1 milhões, uma alta de 62,7% no quarto trimestre. O Ebitda foi de R$ 259,2 milhões, avanço de 88,6%.

Fique de olho

  • Bradesco aprovou aumento de capital em R$ 4 bilhões, passando de R$ 75,1 bilhões para R$ 79,1 bilhões
  • CVC adiou a divulgação do seu balanço. A nova data está marcada para o dia 31 de março
  • Terra Santa foi outra companhia a adiar o seu balanço. O resultado será divulgado amanhã.
  • ANS determinou que os planos de saúde devem oferecer gratuitamente o exame para testar COVID-19
  • Telefônica e Tim confirmaram interesse em adquirir o negócio móvel do Grupo Oi.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies