Menu
2020-08-24T16:40:18-03:00
Ricardo Gozzi
Mercados hoje

Bolsa sobe e dólar cai com notícia sobre possível antecipação de registro de vacina nos EUA

Notícia de que Trump teria planos de acelerar a aprovação de uma vacina contra o coronavírus estimula apetite por risco nos mercados financeiros como um todo

24 de agosto de 2020
10:21 - atualizado às 16:40
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa opera em alta desde a abertura da sessão desta segunda-feira acompanhando a melhora do apetite por risco nos principais mercados de ações pelo mundo, mas o movimento é limitado por certa cautela no cenário local.

Os índices de ações reagem à notícia de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, teria planos de antecipar para antes das eleições de novembro a aprovação de uma vacina contra o coronavírus atualmente em desenvolvimento no Reino Unido.

Analistas de mercado observam que, ainda que se trate de uma medida escancaradamente eleitoreira, a notícia anima os investidores na busca por ativos de risco.

Com isso, as bolsas de valores iniciaram a semana em alta na Ásia e na Europa e apresentam avanço consistente nos Estados Unidos. Por volta das 16h40, o Ibovespa operava em alta de 0,74%, aos 102.271 pontos.

Na cena local, ao contrário da volatilidade que marcou a semana passada, a expectativa é de que os próximos dias na B3 sejam menos erráticos em meio a uma agenda repleta de indicadores econômicos e fatos políticos relevantes, avalia Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

Entre os componentes do Ibovespa, o setor de aviação registra desempenho acima da média na esteira das perspectivas abertas da notícia sobre a vacina, com destaque para os papéis da Embraer (EMBR3), da Gol (GOLL4) e da Azul (AZUL4).

Espera por detalhes sobre o Renda Brasil limita apetite por risco

O principal entrave ao apetite por risco envolvendo ativos brasileiros é a expectativa em torno do anúncio dos detalhes do 'Big Bang', programa do que deve fazer parte o chamado Renda Brasil.

Na sexta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, antecipou que os detalhes do novo programa de renda mínima projetado para expandir o Bolsa Família e substituir o auxílio emergencial deveriam ser revelados amanhã.

No meio da tarde de hoje, porém, passou a circular a informação de que o anúncio de amanhã poderia ser adiado. Fontes citadas pelo jornal O Globo alegaram que parte das medidas a serem adotadas ainda estão sem texto final. A ideia seria manter o anúncio para esta semana, mas sem garantias de que isto venha realmente a ocorrer.

Antes de buscarem posições mais ousadas nos mercados financeiros, os investidores aguardam com expectativa o anúncio do plano, principalmente para entender como o governo pretende combinar as ações sociais com a manutenção do equilíbrio fiscal e sem rachar o teto de gastos.

Na avaliação do economista-chefe da Necton Corretora, André Perfeito, o Renda Brasil será um dos eixos de uma versão recauchutada do Pró-Brasil, programa originalmente formulado em abril, mas deixado de lado em meio a desentendimentos entre as alas liberal e desenvolvimentista do governo.

A expectativa, segundo ele, é de que haja “medidas que garantam a manutenção do teto de gastos, um conjunto de obras e promessas de mais empregos”.

Também é esperada pelos investidores uma compilação de ações regulatórias prioritárias, o que incluiria desde as reformas tributária e administrativa a um pacto federativo e marcos do setor de infraestrutura.

Até o momento, porém, o governo ainda não se pronunciou quanto aos rumores de que o lançamento do programa seria adiado.

Dólar e juro

O dólar opera em queda nesta segunda-feira depois de ter visitado na semana passada os níveis mais elevados ante o real desde o fim de maio, mas segue sob pressão.

A moeda norte-americana tenta acompanhar o cenário externo de bolsas em alta e valorização de divisas emergentes e ligadas a commodities, mas segue encostado na faixa dos R$ 5,60 em meio à expectativa com o anúncio de um novo programa de recuperação econômica pelo governo.

Por volta das 16h40, a moeda norte-americana caía 0,17%, cotada a R$ 5,5968.

Já os contratos de juros futuros fecharam em queda. Da mesma forma que aconteceu no dólar, no entanto, a queda nos juros hoje foi limitada pelo o turbulento cenário político nebuloso e pelas perspectivas fiscais para o Brasil.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,800% para 2,740%;
  • Janeiro/2023: de 3,960% para 3,880%;
  • Janeiro/2025: de 5,760% para 5,690%;
  • Janeiro/2027: de 6,790% para 6,730%.
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

na agenda

Questões sobre MP da privatização da Eletrobras serão decididas nesta quarta, diz Pacheco

Senado deve discutir inclusive os requerimentos de impugnação de jabutis – como são chamados as emendas com temas estranhos à proposta original

seu dinheiro na sua noite

De carona no trem das commodities

Quando falamos em ações que se beneficiam da reabertura da economia pós-covid, logo se destacam os papéis de empresas ligadas à produção de commodities. Quem vem apostando nesses ativos neste ano está se dando bem. Mas é bem verdade que a “tese da reabertura” já está em andamento. Para quem perdeu esse trem, ainda dá […]

aquisição via controlada

Ambipar compra 100% da Ecológica Nordeste

Negócio está em linha com seu plano estratégico de crescimento, com captura de sinergias e potencial maximização das margens e retorno, diz a empresa

denúncia da fup

Médicos da Petrobras receitam remédio sem eficácia a funcionários com covid-19

A estatal segue o comportamento do governo federal, que liderado pelo presidente Jair Bolsonaro, defende o tratamento precoce do covid-19 via medicamentos não aceitos pela OMS

fique de olho

Tesouro divulga cronograma dos leilões de títulos do 3º trimestre

No caso das Notas do Tesouro Nacional – Série F (NTN-F), a instituição deixará de ofertar o papel com prazo de referência de oito anos (1/1/2029)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies