Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-16T14:56:23-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Recuperação na bolsa

Ibovespa sobe mais de 1%; sinais de força da economia dos EUA se sobrepõem à cautela local

O Ibovespa avança e acompanha o alívio visto nas demais bolsas do mundo, que reagem positivamente à expansão intensa do setor de varejo nos EUA e à possibilidade de lançamento de mais um pacote trilionário de auxílio à economia americana

16 de junho de 2020
10:33 - atualizado às 14:56
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa e os demais índices acionários globais ensaiam uma recuperação firme nesta terça-feira (16), deixando para trás a cautela dos últimos dias. E tudo graças aos EUA: a força exibida pela economia do país, somada à possibilidade de um novo pacote trilionário de estímulo, injetam ânimo nos investidores.

Por volta de 14h50, o Ibovespa avançava 1,30%, aos 93.576,72 pontos, revertendo uma sequência de quatro baixas consecutivas. A bolsa brasileira não está sozinha: na Europa, as principais praças avançam mais de 2%; nos EUA, o Dow Jones (+2,17%), o S&P 500 (+2,04%) e o Nasdaq (+1,87%) têm ganhos firmes.

No câmbio, contudo, o tom ainda é de certa preocupação: o dólar à vista até chegou a cair 1,80% mais cedo, a R$ 5,0495, mas já zerou essas perdas e, agora, avança 1,01%, a R$ 5,1940 — a cautela local, às vésperas da reunião do Copom, pressiona a divisa americana por aqui.

  • Eu gravei um vídeo para explicar um pouco da dinâmica dos mercados nesta terça-feira. Veja abaixo:

Em primeiro plano as bolsas aparece o resultado surpreendente das vendas no varejo dos Estados Unidos em maio: o indicador avançou 17,7% em relação a abril — os analistas projetavam um crescimento bem menos intenso, de 7,9% no mês.

O dado do varejo, assim, soma-se à recuperação mostrada pelo mercado de trabalho americano em maio, com a criação de 2,5 milhões de empregos e queda na taxa de desemprego para 13,3% — dois dados que indicam uma recuperação intensa da economia do país após o pico da Covid-19.

"Uau! As vendas no varejo em maio mostraram o maior crescimento mensal de todos os tempos, com alta de 17,7%. Muito melhor que o projetado", escreveu o presidente dos EUA, Donald Trump, no Twitter. "Parece que teremos um grande dia no mercado de ações".

O resultado das vendas no varejo dá ainda mais forças a uma sessão que já dava indícios de recuperação nas bolsas. Desde as primeiras horas do dia, os investidores mostravam-se empolgados com a possibilidade de o governo americano lançar um pacote de US$ 1 trilhão em investimentos em infraestrutura, de modo a dar sustentação à economia do país.

As notícias de que Trump estaria estudando essa possibilidade juntam-se ao programa lançado ontem pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para a compra de títulos de empresas, no montante de US$ 75 bilhões.

Ou seja: o mercado trabalha com a perspectiva de forte injeção de liquidez no curto prazo — o que, naturalmente, diminui a percepção de risco e incentiva os investimentos em ações no mundo todo.

Mas, por mais que esse cenário seja animador para os investidores, também tivemos algumas notícias mais preocupantes para o mercado no front externo, com destaque para a China e para declarações recentes do presidente do Fed, Jerome Powell.

Esfriando os ânimos

Uma notícia publicada mais cedo pela Bloomberg freou a recuperação das bolsas globais e tirou impulso do Ibovespa e dos índices americanos: segundo a agência, o governo chinês decidiu fechar novamente as escolas em Pequim, temendo o surgimento de uma segunda onda do coronavírus no país.

Essa movimentação elevou o temor de que a recuperação da economia global poderá ser freada, uma vez que a retomada das medidas de isolamento social tende a impactar novamente o nível de atividade do mundo — e, vale lembrar, tanto os EUA quanto a Europa começaram recentemente seus processos de reabertura.

Além disso, o mercado também mostrou certa cautela com uma fala de Powell ao Senado americano: o presidente do Fed disse que, apesar dos sinais recentes de recuperação,a economia americana ainda tende a sofrer no curto prazo. Ele também afirmou que, caso o mercado continue evoluindo positivamente, a instituição poderá cortar gradativamente o programa de compra de títulos.

Cautela doméstica

As boas notícias vindas do exterior se sobrepõem ao cenário ainda bastante incerto no Brasil: por aqui, os dados econômicos continuam mostrando fraqueza da atividade doméstica — e, em Brasília, o panorama ainda é pouco animador.

Mais cedo, o IBGE apontou uma queda de 16,8% nas vendas no varejo em abril em relação a março, o pior resultado do indicador em 20 anos. Todos os dez setores analisados pelo instituto mostraram retração no período.

No âmbito político, o presidente Jair Bolsonaro disse ontem que a reforma administrativa ficará apenas para 2021 — segundo ele, o desgaste em Brasília é intenso demais para o avanço da pauta ainda neste ano.

Juros oscilam

A ponta curta da curva de juros futuros sustenta um leve desempenho negativo, refletindo a convicção dos investidores de que o Copom cortará a Selic em 0,75 ponto na reunião de amanhã, podendo deixar a porta aberta para novas reduções no futuro. Os DIs mais longos, contudo, exibem certa cautela e viraram para alta, acompanhando o dólar:

  • Janeiro/2021: de 2,11% para 2,09%;
  • Janeiro/2022: de 3,05% para 3,06%;
  • Janeiro/2023: de 4,13% para 4,15%;
  • Janeiro/2025: de 5,71% para 5,76%.

Top 5

Veja abaixo as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
GGBR4Gerdau PN14,58 +7,60%
CSNA3CSN ON11,39 +7,35%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PN6,84 +6,54%
CIEL3Cielo ON5,09 +6,04%
CMIG4Cemig PN11,37 +5,77%

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
UGPA3Ultrapar ON17,53 -1,85%
MGLU3Magazine Luiza ON65,01 -1,28%
ABEV3Ambev ON13,26 -1,27%
CVCB3CVC ON20,20 -1,22%
YDUQ3Yduqs ON32,53 -1,00%

Fora do Ibovespa, destaque para as ações da Oi: as ONs (OIBR3) caem 9,18% e as PNs (OIBR4) recuam 5,22% após a companhia reportar prejuízo de R$ 6,2 bilhões no primeiro trimestre do ano.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

DINHEIRO NA CONTA

Dividendos: Vibra (VBBR3) distribui R$ 148,5 milhões em JCP

Valor refere-se à segunda parcela de pagamento aos acionistas anunciado quando a Vibra ainda atendia como BR Distribuidora

Rumo aos dois dígitos

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 9,25%

Aumento da taxa básica dispara gatilho de mudança na forma de remuneração da poupança. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

BC aumenta a Selic, Nubank conclui IPO e mercado reage bem à PEC dos precatórios; veja o que marcou esta quarta-feira

Conforme esperado pelos economistas após dados recentes mais fracos da atividade econômica brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual, a 9,25% ao ano, em sua última reunião do ano. Se em muitos momentos ao longo de 2021 o mercado acionário reagiu ao […]

2022 MAIS GORDO

Dividendos e JCP: Copel (CPLE6) engrossa a lista de pagamentos milionários aos acionistas; não fique fora dessa

Data da remuneração ainda não foi definida pela empresa, mas valerá para aqueles com posição até 30 de dezembro deste ano

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies