Menu
2020-01-15T17:21:41-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Pressão nos mercados

Ibovespa segue em queda; mercados reagem de modo tímido ao acordo EUA-China

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, adiantou alguns números do acordo comercial firmado com a China, mas as revelações não foram capazes de animar o mercado. Com isso, o Ibovespa permanece no vermelho e o dólar sobe a R$ 4,17

15 de janeiro de 2020
10:24 - atualizado às 17:21
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Após meses de negociações, a primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China foi assinada nesta quarta-feira (15). A conclusão dessa etapa era aguardada pelos mercados, mas sinais mistos emitidos durante a cerimônia — somados a uma nova decepção com a economia brasileira — trazem cautela ao Ibovespa e ao dólar à vista.

A assinatura em si já tinha sido precificada pelos agentes financeiros. Assim, os investidores estavam de olho nas informações e sinais a serem emitidos pelas autoridades — e o pacote trouxe dados positivos e negativos.

A resultante dessas forças foi neutra para os mercados globais, que mantiveram o ritmo visto durante a tarde. Por volta de 17h05, o Ibovespa operava em queda de 1,04%, aos 116.403,88 pontos; o dólar à vista fechou em alta de 1,30%, a R$ 4,1843 — a maior cotação desde 5 de dezembro.

No exterior, a reação aos discursos da autoridade americana também foi tímida: o Dow Jones (+0,39%), o S&P 500 (+0,16%) e o Nasdaq (+0,11%) mantiveram o sinal positivo, sem passar por grandes turbulências.

Em cerimônia realizada na Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que, com a assinatura da primeira fase do acerto, a China se compromete a investir US$ 200 bilhões em serviços e produtos americanos.

Desse montante, US$ 50 bilhões dizem respeito a itens agrícolas, e outros US$ 50 bilhões referem-se a suprimentos de energia. Questões de propriedade intelectual também foram endereçadas no acordo.

Tais dados foram bem recebidos pelo mercado, que conseguiu quantificar o tamanho do acordo entre Washington e Pequim. No entanto, a informação de que as tarifas impostas por ambas as partes até o momento continuarão valendo — as sobretaxações só serão retiradas numa segunda fase — contribuiu para trazer cautela às negociações.

Afinal, por mais que a primeira etapa do acordo tenha sido concluída, fica claro que o tema da guerra comercial está longe de ser resolvido. Assim, o alívio imediato veio acompanhado de uma preocupação no médio/longo prazo.

Cautela doméstica

Por aqui, há um fator extra de estresse: o mercado reage com prudência aos dados decepcionantes da economia brasileira. Segundo o IBGE, as vendas no varejo em novembro avançaram apenas 0,6% em relação a outubro.

Por mais que o resultado tenha sido positivo, o número veio abaixo da média das projeções de analistas ouvidos pelo Broadcast, que trabalhavam com uma expansão de 1,20% no período.

Assim, os dados do varejo somam-se aos indicadores mais fracos da produção industrial na semana passada, criando dúvidas quanto à retomada da economia doméstica — e a inflação mais pressionada também contribui para esfriar os ânimos por aqui.

"O que esta pesando aqui é mais um indicador ruim de atividade, ainda mais considerando a injeção de recursos do FGTS na economia e as promoções da Black Friday", diz um analista.

A leitura de que a atividade ainda sofre para ganhar tração aumentou as apostas num novo corte da Selic pelo Banco Central, de modo a fornecer mais estímulo à economia. Assim, as curvas de juros terminaram a sessão em baixa, refletindo essa percepção.

Confira abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,44% para 4,39%;
  • Janeiro/2023: de 5,66% para 5,56%;
  • Janeiro/2025: de 6,38% para 6,32%;
  • Janeiro/2027: de 6,75% para 6,71%.

Em resposta aos dados mais fracos que o esperado no varejo, as ações de empresas do setor operam em baixa nesta quarta-feira. É o caso de Lojas Americanas PN (LAME4), em queda de 0,65%; de Magazine Luiza ON (MGLU3), com desvalorização de 0,54%; de Lojas Renner ON (LREN3), com perda de 1,01%; e de Cia Hering ON (HGTX3), com recuo de 2,70%.

O tom mais apreensivo também afeta as ações dos bancos, que desde o início do ano têm apresentado uma performance bastante fraca. Itaú Unibanco PN (ITUB4) cai 1,23%, Bradesco PN (BBDC4) recua 1,81%, Banco do Brasil ON (BBAS3) tem baixa de 1,87% e as units do Santander Brasil tem perda de 1,72%.

Vale lembrar, ainda, que ocorre hoje o vencimento de opções sobre o índice futuro do Ibovespa, fator que sempre traz volatilidade aos papéis de maior peso na composição da carteira — caso dos bancos.

Otimismo nos EUA

O bom desempenho das bolsas americanas e o fortalecimento do dólar se deve ao otimismo dos agentes financeiros em relação ao país: mais cedo, o diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, larry Kudlow, afirmou que a administração Trump pretende promover mais cortes de impostos ainda neste ano.

A notícia trouxe otimismo às negociações nos Estados Unidos, dando força aos índices acionários. No câmbio, a notícia fez o dólar ganhar terreno em relação ás moedas de países emergentes, como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno e o peso colombiano, entre outras.

O real, contudo, é uma das piores divisas nesse grupo, uma vez que, internamente, as preocupações a respeito da economia doméstica trazem pressão aos ativos.

Top 5

Veja abaixo as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta quarta-feira:

  • Marfrig ON (MRFG3): +4,58%
  • B2W ON (BTOW3): +2,52%
  • IRB ON (IRBR3): +2,42%
  • Suzano ON (SUZB3): +0,93%
  • JBS ON (JBSS3): +0,80%

Confira também as maiores perdas do índice no momento:

  • Cogna ON (COGN3): -3,36%
  • Cia Hering ON (HGTX3): -2,94%
  • B3 ON (B3SA3): -2,87%
  • Gol PN (GOLL4): -2,58%
  • Cielo ON (CIEL3): -2,54%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Outlet aberto

Privalia é mais uma na lista de empresas que devem abrir capital em breve

Depois de fazer uma primeira tentativa em abril, companhia agora tenta aproveitar melhor momento tanto da economia quanto do mercado de ações

Exile on Wall Street

O fim do superciclo que mal começou?

“O senhor sabe: eu careço de que o bom seja bom e o rúim ruim, que dum lado esteja o preto e do outro o branco, que o feio fique bem apartado do bonito e a alegria longe da tristeza! Quero os todos pastos demarcados… Como é que posso com este mundo? A vida é […]

MERCADOS HOJE

De olho na MP da Eletrobras, Ibovespa começa a semana instável; dólar recua

Enquanto o exterior busca uma recuperação, por aqui os investidores estão de olho na Eletrobras e no recuo das commodities metálicas

Boletim focus semanal

Mercado eleva projeção para Selic em 2021

A taxa de juros que estava projetada em 6,25% agora vai para 6,50% até o final do ano. Para 2022, 2023 e 2024 a Selic permaneceu em 6,50%

O melhor do seu dinheiro

A B3 terá uma rival? Oportunidades no segmento de tecnologia, energia solar ganhando força e outras notícias do dia

Todo grande herói precisa de um antagonista à altura, nem que seja apenas para realçar seus feitos. Podemos até admitir que Gotham City seria uma cidade muito mais segura sem o Coringa, mas o que o Batman faria se não tivesse o grande inimigo? O mesmo acontece nos esportes. Michael Schumacher venceu sete campeonatos da […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies