Menu
2020-01-06T17:13:54-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Tensão global

Tensão global faz Ibovespa cair, mas dados da economia dos EUA amenizam as perdas

Os mercados seguem atentos aos atritos entre americanos e iranianos, preferindo adotar uma postura defensiva nesta segunda-feira. Nesse cenário, o Ibovespa segue em baixa

6 de janeiro de 2020
10:27 - atualizado às 17:13
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A escalada nos atritos entre os Estados Unidos e o Irã mantém os mercados globais em alerta nesta segunda-feira (6). Como resultado, o Ibovespa aparece no campo negativo desde o início do dia, embora tenha se afastado das mínimas.

Por volta de 17h05, o principal índice da bolsa brasileira recuava 0,74%, aos 116.831,90 pontos, após chegar a cair 1,22% no pior momento da sessão, aos 116.268,69 pontos. O dólar à vista, por outro lado, manteve-se perto do zero a zero, fechando em leve alta de 0,18%, a R$ 4,0629.

A melhora vista na bolsa brasileira ocorreu em paralelo com o movimento visto nos Estados Unidos: agora, o Dow Jones cai 0,04%, o S&P 500 sobe 0,13% e o Nasdaq avança 0,30% — os índices abriram o pregão com baixas firmes.

Os mercados continuam acompanhando atentamente o clima belicoso instaurado no Oriente Médio desde a semana passada, quando uma ação militar dos EUA resultou na morte do principal general do exército do Irã, Qassim Suleimani.

De lá para cá, as partes têm trocado repetidas ameaças, o que eleva o medo quanto a um conflito de maior proporções na região. E, sem saber quais podem ser os possíveis desdobramentos do episódio, o mercado opta por assumir uma postura mais defensiva.

As preocupações dos investidores, contudo, foram parcialmente compensadas pelos dados mais fortes da economia americana. O índice de gerentes de compras (PMI) subiu de 52 em novembro para 52,7 em dezembro — o indicador engloba os setores de indústria e serviços.

Petróleo em alta

A incerteza no Oriente Médio afeta especialmente o mercado de commodities, com o petróleo entrando numa trajetória de alta. O Brent com vencimento em março terminou a sessão com ganho de 0,45%, enquanto o WTI para fevereiro subiu 0,35%.

Essa valorização do petróleo acaba beneficiando as ações da Petrobras: os papéis PN (PETR4) sobem 1,25%, enquanto os ONs (PETR3) avançam 3,09% — na sessão passada, as ações da estatal fecharam nas mínimas.

Mas, apesar da menor pressão vista nesta segunda-feira, a Petrobras continua sendo acompanhada de perto pelos investidores, que temem pelo futuro da política de preços da companhia num cenário de disparada do petróleo em função das tensões internacionais.

O presidente Jair Bolsonaro declarou estar atento à movimentação da commodity e deu a entender que será necessário adotar algum mecanismo para compensar uma eventual alta nos preços dos combustíveis — uma fala que não foi bem recebida pelos mercados.

Juros em alta

A possibilidade de elevação no preço dos combustíveis, somada à leve alta no dólar e ao ambiente mais cauteloso visto nos mercados globais, desencadeou movimentos de ajuste positivo nas curvas de juros. Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta segunda-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,51% para 4,52%;
  • Janeiro/2023: de 5,78% para 5,82%;
  • Janeiro/2025: de 6,42% para 6,47%;
  • Janeiro/2027: de 6,75% para 6,79%.

BR Distribuidora e aéreas caem

BR Distribuidora ON (BRDT3) recua 5,96% e tem o pior desempenho do Ibovespa, em meio às notícias de que a Petrobras pretende vender toda a sua participação na empresa ainda no primeiro trimestre de 2020.

Quem também opera em queda são as ações de companhias aéreas: Gol PN (GOLL4) tem baixa de 4,48% e Azul PN (AZUL4) tem perda de 3,37% — a alta do petróleo implica em maiores gastos com combustível de aviação.

Confira as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta segunda-feira:

  • Braskem PNA (BRKM5): +4,06%
  • Petrobras ON (PETR3): +3,19%
  • Qualicorp ON (QUAL3): +2,52%
  • Yduqs ON (YDUQ3): +2,27%
  • BB Seguridade ON (BBSE3): +1,59%

Veja também as cinco maiores quedas do índice:

  • BR Distribuidora ON (BRDT3): -5,96%
  • Gol PN (GOLL4): -4,48%
  • Carrefour Brasil ON (CRFB3): -4,03%
  • NotreDame Intermédica ON (GNDI3): -3,56%
  • Azul PN (AZUL4): -3,29%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

coronavírus no país

Covid-19: Brasil tem 1,2 mil novas mortes e 60 mil novos casos

Até o momento, 2.356.640 pessoas se recuperaram da doença

seu dinheiro na sua noite

A questão de Bolsonaro: ser ou não ser liberal

Ser ou não ser liberal. Eis a questão de Jair Bolsonaro. O presidente foi eleito com uma pauta de defesa das reformas, redução do tamanho do Estado e equilíbrio das contas públicas. O fiador desse discurso foi Paulo Guedes, que assumiu o comando da economia. O receituário foi seguido no primeiro ano de mandato, com […]

de olho nos números

Suzano, JBS, B3, Cyrela, Lojas Americanas, B2W, Hering: os balanços que vão mexer com o mercado nesta sexta

Balanços do segundo trimestre devem guiar os negócios no Ibovespa no último pregão da semana

Balanço

B3 tem lucro 28,9% maior no 2º trimestre e aumenta investimento para dar conta do volume da bolsa

A dona da bolsa brasileira registrou lucro líquido recorrente de R$ 1,012 bilhão e pretende investir até R$ 425 milhões em sistemas e novos produtos para o mercado

confiança com capitalização

Para presidente da Eletrobras, saída de Mattar não prejudica privatização

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, disse nesta quinta-feira, 13, que a saída do secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, não irá prejudicar a capitalização da empresa prevista para o ano que vem, e que confia que após debates com o Congresso Nacional, o processo seja aprovado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements