Menu
2020-10-03T09:35:44-03:00
Estadão Conteúdo
Sucessão em andamento

Itaú Unibanco prepara-se para escolher sucessor de Cândido Bracher

Mandato de Bracher na presidência do maior banco privado brasileiro está a 2 meses do fim

3 de outubro de 2020
9:35
Logo do banco Itaú
Itaú - Imagem: Shutterstock

Em dois meses, o presidente do Itaú Unibanco, Cândido Bracher, completa 62 anos. É a idade-limite do estatuto para que um executivo permaneça à frente do maior banco privado do País. Até lá, os controladores da instituição financeira - Roberto Setubal e Pedro Moreira Salles, que dividem a presidência do conselho de administração - devem se debruçar sobre a escolha de um novo nome, que deverá ser anunciado até novembro. Bracher deverá passar o bastão ao sucessor em fevereiro, após um período de gestão conjunta, apurou o Estadão/Broadcast.

Como já indicou o próprio Bracher, seu sucessor deve vir do comitê executivo do banco. No grupo estão Caio David, diretor-geral de atacado; Marcio Schettini, diretor-geral de varejo; André Sapoznik, vice de tecnologia; e Milton Maluhy, vice-presidente de finanças. Os candidatos terão de passar pelo escrutínio do Comitê de Nomeação e Governança Corporativa.

Todos os candidatos ao cargo têm pontos fortes e, por isso, o mercado ainda evita fazer apostas. Ao contrário do atual presidente do Itaú, que só pôde ficar quatro anos à frente do banco, os candidatos são mais jovens. Schettini é o mais velho, com 56 anos, enquanto Maluhy é o mais jovem, aos 44 anos.

No cargo há quatro anos, Bracher substituiu Roberto Setubal. O executivo acompanhou Setubal em seu dia a dia por seis meses, como um "CEO aprendiz". Foi assim que ele mesmo se intitulou, até assumir o cargo de fato, em abril de 2017. Dessa vez, a transição será mais curta e deverá três meses, disse uma fonte. A pedido do atual CEO, a troca acontecerá logo após a divulgação dos resultados de 2020, em meados de fevereiro.

O novo líder terá o desafio de gerir um banco que precisa aprofundar a transição digital - um desafio que deixará de ser transitório e passará a ser permanente, de acordo com fontes do mercado financeiro. Ao contrário do Bradesco, que criou um banco digital separado, a escolha do Itaú foi a de trazer as inovações para a marca Itaú.

Responsável pela área de renda variável da Eleven Financial, Carlos Daltozo diz que o próximo presidente do Itaú chegará em meio à consolidação do Pix - que facilita transações e transferências de recursos, ampliando o campo de atuação para os bancos digitais e instituições de menor porte - e ao open banking, que abre para o cliente de um banco a opção de investir em um produto de outra instituição financeira.

Outro desafio será o aumento da inadimplência previsto para o início do ano que vem, com o fim da extensão de prazos para pagamentos de débitos e o fim do auxílio emergencial, que pode achatar a renda das pessoas físicas. "Todo esse conjunto pode afetar os resultados", afirma Daltozo.

Nova fase. De perfil discreto, Bracher vem se destacando como porta-voz em questões relacionadas à sustentabilidade, em especial no que tange às preocupações ambientais. Na semana passada, por exemplo, foi o único brasileiro a falar sobre Amazônia em evento da Organização das Nações Unidas (ONU).

Casado com uma ambientalista, Teresa Cristina Ralston Bracher, o executivo e sua família têm uma grande propriedade no Pantanal para a preservação ambiental. Ali mantêm, ainda, uma escola itinerante, destinada à população da região.

Bracher atua no mercado financeiro há cerca de 40 anos. Antes de assumir a presidência do Itaú Unibanco, comandava o Itaú BBA. Comprado pelo Itaú em 2002, o BBA foi fundado pelo pai de Candido, Fernão Bracher.

Procurado, o Itaú Unibanco não comentou o assunto.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies